Saltar para: Post [1], Comentar [2], Pesquisa e Arquivos [3]

A bem da Nação

EM CORPO INTEIRO

 

«Dias Contados» mais uma vasta crónica no FORUM do DN, de 8/6 da autoria de Alberto Gonçalves, que abrange vários temas, com a graça habitual. Consta o 1º - «A Selecção Censurada» - da dimensão mediática em torno da “tendinose da patela” no joelho de Cristiano Ronaldo, com as graves consequências de tal maleita sobre a Selecção, além de outros diversos interesses jornalísticos de uma “dimensão” risível ligados à problemática futebolística, que não resisto a transcrever:

 

«A Selecção Censurada»

 

O Tribunal Constitucional continua a fazer política, sabotar a economia, irritar o senhor primeiro-ministro e desencadear trapalhadas que talvez terminem, sem terminarem, em eleições antecipadas e num segundo resgate? Pedimos desculpa, mas neste momento a atenção do povo volta-se para o joelho de Cristiano Ronaldo, que consta padecer de uma tendinose na patela. Ao longo dos últimos dias, os portugueses correram para o Google a procurar "tendinose" e "patela". Os portugueses menos letrados correram a procurar "joelho". Nenhum precisou de procurar "Cristiano Ronaldo".

 

 

Vale que as televisões se empenharam por tratar o assunto. Desgraçadamente, só conseguiram transmitir cerca de 471 reportagens e debates em volta da lesão e das eventuais consequências da lesão. E se Ronaldo, vulgo CR7, não puder jogar? E se Ronaldo não puder jogar contra a Alemanha? E se Ronaldo só puder jogar depois da fase de grupos? E se Ronaldo jogar, jogará a 100%, 70% ou apenas a 52,44%? Na falta de esclarecimentos cabais da FPF, médicos, curandeiros, xamãs e peritos avulsos aliviaram-se de opiniões sensatas.

 

Esporadicamente, um comentador punha o dedo na ferida e lembrava que nem tudo se esgota em Ronaldo: ainda há Pepe, Coentrão, Moutinho, Meireles e os demais heróis, aliás recebidos pelo Prof. Cavaco antes do início da epopeia - em Belém, conforme é tradição das nossas gestas.

 

Também aqui valeu a ajuda das televisões, que contra ventos e marés e em prol do grande jornalismo escoltaram o autocarro da selecção entre um hotel e o palácio presidencial, e de seguida entre o palácio e a Portela, onde desfrutámos de magníficos planos dos jogadores às compras no duty free. Desde que Abraham Zapruder filmou a morte de J.F.K. que não via imagens tão dramáticas quanto as de Nani a apreçar barras de Toblerone. Porém, tamanho "furo" é raro.

 

A época vigente arrasta-se sob o signo do zelo dito "securitário". E não, não me refiro às cautelas alfandegárias dos EUA, lugar escolhido para a selecção estagiar antes do estágio final. Refiro-me ao abusivo sigilo praticado pela FPF, que não apenas impede às câmaras o acesso integral aos treinos como não permite a partilha das radiografias, ecografias e angiografias ao joelho de Ronaldo, deixando o povo a especular acerca da evolução da maleita e do estado do tendão patelar. E o tendão é mero exemplo: é igualmente inaceitável, por exemplo, a ausência de microfones nas palestras do treinador e a escassez de "apontamentos informativos" nos quartos e nos jacúzis ocupados pelos atletas, privando de dados vitais uma nação ávida dos mesmos. Já me aconteceu fazer zapping às três da manhã e não descobrir um único "directo" alusivo ao "mundial". Não havia sequer um Bruno Alves disponível para afiançar que o grupo está unido?

 

Ao contrário do que se usa dizer, a culpa não é dos jornalistas, em geral conscientes do seu papel na elucidação do público (quando a FPF lhes veda o acesso aos heróis, os intrépidos repórteres desatam a interrogar os transeuntes mais à mão e a obter momentos de enorme interesse noticioso). O problema são as condições de trabalho com que os jornalistas se deparam, a mentalidade tacanha que favorece a ocultação e o secretismo.

 

Esperemos que durante o campeonato as coisas mudem. Se a selecção é de todos nós, é natural desejarmos saber tudo o que ali se passa. O que não é natural é a censura, a explícita da Federação e a dissimulada de quem anseia por distrair as massas com criancices.

 

Basta de encher "telejornais" com chouriços, "chumbos" do TC, "chicana" política. A política de um patriota é o trabalho: o trabalho de apurar em definitivo a situação de Ronaldo, de acompanhar a recuperação de Beto, de dissecar o plano B de Paulo Bento, de perceber se Nani já deglutiu os Toblerone. Um país que não define prioridades não vai a lado nenhum, excepto ao Brasil.

 

É igualmente apelativo o 2º tema - «O fantasma de Louçã» - e a troça em torno de uma figura, que tendo já assumido preponderância oratória - de arreganho catilinário – em tempos passados, ao constatar o rombo que sofreu o seu BE nos resultados eleitorais, tenta manobras delatórias revanchistas – contraditórias e insensatas, que levam o articulista a outras hipóteses de propostas ainda mais absurdas, para constatar a morte do BE:

 

 

O fantasma de Louçã

 

Depois de sempre se ter oposto à saída de Portugal do euro, cujas consequências considerava "terríveis", Francisco Louçã regressou do Além "trotskista" para ir à Mesa Nacional do Bloco de Esquerda colocar na dita mesa a hipótese de Portugal sair do euro. Além disso, ou também por causa disso, hoje defende a aproximação ao PCP.

 

O volte-face surge na sequência da derrota do BE na "europeias", por sua vez já uma sequência da derrota do BE nas "autárquicas" e uma presunção das derrotas que hão-de vir. Não é preciso ser profeta para prever que ao longo dos próximos actos eleitorais o BE reagirá a cada rombo na popularidade através de uma radicalização progressiva. Se nas legislativas voltar a perder 50% dos votos e dos deputados, o Dr. Louçã aparecerá a sugerir que o País abandone a União Europeia e assuma protocolos institucionais com o regime de Gaza. Quando um dia perder qualquer representação parlamentar, o Dr. Louçã aconselhará a luta armada e a reabilitação moral de Otelo. No momento em que o eleitorado do BE não ultrapassar em muito o número de membros da liderança bicéfala, o estado-maior do partido poderá ser encontrado no Parque de Monsanto, a cozinhar húmus e a revolução.

 

Ou é isso ou a possibilidade agora apresentada por Ana Drago - e logo rejeitada pelos seus pares: a abertura de um "diálogo à esquerda" (eles dizem "esquerdas") com o Livre, o movimento 3D e o PAN. Se levarmos em conta que o Livre é o pseudónimo de um ex-eurodeputado do BE, que o 3D representa dois ou três dissidentes do BE e que nem a Internet imagina o que seja o PAN, é fácil concluir que o BE morreu. E, embora por razões mais ligadas ao humor do que à política, deixará saudades.

 

O 3º tema – Um país à escala do Rato – sobre o medo que a direita tem da possível substituição de Seguro por Costa na direcção do PS – revela a inanidade de pensamento de uns e outros:

 

Um país à escala do Rato

 

Uma história engraçada a correr por aí é a do medo que António Costa suscita na direita. Em primeiro lugar, não sei o que se entende por "direita", se os partidos no Governo ou se as pessoas que não apreciam um Estado intrometido e salteador (ambas as instâncias parecem-me algo incompatíveis). Em segundo lugar, garantiram-me que uma sondagem "interna" coloca o portentoso "carisma" do Dr. Costa um ou dois pontos percentuais acima do pobre rival nos gostos do eleitorado em geral. Por conveniência, admitamos que PSD e CDS andam assustadíssimos e que as facções empenhadas em enxotar o Dr. Seguro têm razão.

 

Ainda assim, não é esse o ponto. O ponto é a tese que resume os apetites dos insurgentes no PS: trocar o líder A pelo líder B é vital na medida em que A não é capaz de devolver os socialistas ao poder (ou o poder ao partido) e B talvez o faça. Pelo menos a franqueza é louvável. Claro que todos os partidos actuam em benefício daquilo que os coloca próximos do mando, mas costumam disfarçar a cobiça sob o simulacro de um debate interno e vagamente ideológico. O PS do Dr. Costa, ou que se serve do Dr. Costa, não disfarça. Ali não existe a menor intenção de distinguir o pensamento do autarca lisboeta do pensamento do secretário-geral, tarefa de resto impossível na medida em que nunca qualquer deles revelou possuir semelhante excentricidade. B é preferível a A porque sim.

 

Marx, o bom e velho Groucho, esclarecia: estas são as minhas convicções; se não gostarem, arranjo outras. No PS não há convicções nenhumas, excepto a certeza de que se está mais confortável a decidir orçamentos do que a votar contra eles, a satisfazer clientelas do que a pedir-lhes paciência, a afundar a economia do que a acusar Pedro Passos Coelho do mesmo. Não ocorre aos socialistas que à margem das intrigas há alguns milhões de cidadãos, certamente cansados de austeridade e provavelmente abismados com o brutal egoísmo dos que lhe prometem o fim da austeridade. Em suma, discute-se o melhor para o PS como se se discutisse o melhor para o País. Por acaso, e por norma, costuma funcionar ao contrário. Nesse sentido, e só nesse, o Dr. Costa mete medo.

 

Termina a página com o retrato de António Costa em destaque, com direito a foto de punho erguido, a “MOBILIZAR PORTUGAL”, e um breve texto intitulado «O que ninguém tinha coragem de dizer”:

 

«Os que acusavam António Costa de vacuidade engolem em seco. No Porto, além da candidatura à chefia do PS, o homem apresentou a receita para salvar a pátria: Uma nova agenda para Portugal. Ingredientes: “sustentabilidade demográfica”, “sustentabilidade energética e ambiental”, “sustentabilidade financeira”, “sustentabilidade económica”, “sustentabilidade de modelo social”,. “sustentabilidade do Estado”. Modo de preparação: “reunir vontades”, “construir compromissos”, “mobilizar energias” e depois “levar ao forno”. Polvilhar com “europeísmo” que não seja “auto-ingénuo”(sic). Há quanto tempo o país não era sacudido por abalo filosófico tão profundo? Pelo menos desde os programas do chef Silva»

 

 Berta Brás

1 comentário

Comentar:

Mais

Se preenchido, o e-mail é usado apenas para notificação de respostas.

Este blog tem comentários moderados.

Este blog optou por gravar os IPs de quem comenta os seus posts.

Mais sobre mim

foto do autor

Sigam-me

Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

Arquivo

  1. 2022
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2021
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2020
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2019
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D
  53. 2018
  54. J
  55. F
  56. M
  57. A
  58. M
  59. J
  60. J
  61. A
  62. S
  63. O
  64. N
  65. D
  66. 2017
  67. J
  68. F
  69. M
  70. A
  71. M
  72. J
  73. J
  74. A
  75. S
  76. O
  77. N
  78. D
  79. 2016
  80. J
  81. F
  82. M
  83. A
  84. M
  85. J
  86. J
  87. A
  88. S
  89. O
  90. N
  91. D
  92. 2015
  93. J
  94. F
  95. M
  96. A
  97. M
  98. J
  99. J
  100. A
  101. S
  102. O
  103. N
  104. D
  105. 2014
  106. J
  107. F
  108. M
  109. A
  110. M
  111. J
  112. J
  113. A
  114. S
  115. O
  116. N
  117. D
  118. 2013
  119. J
  120. F
  121. M
  122. A
  123. M
  124. J
  125. J
  126. A
  127. S
  128. O
  129. N
  130. D
  131. 2012
  132. J
  133. F
  134. M
  135. A
  136. M
  137. J
  138. J
  139. A
  140. S
  141. O
  142. N
  143. D
  144. 2011
  145. J
  146. F
  147. M
  148. A
  149. M
  150. J
  151. J
  152. A
  153. S
  154. O
  155. N
  156. D
  157. 2010
  158. J
  159. F
  160. M
  161. A
  162. M
  163. J
  164. J
  165. A
  166. S
  167. O
  168. N
  169. D
  170. 2009
  171. J
  172. F
  173. M
  174. A
  175. M
  176. J
  177. J
  178. A
  179. S
  180. O
  181. N
  182. D
  183. 2008
  184. J
  185. F
  186. M
  187. A
  188. M
  189. J
  190. J
  191. A
  192. S
  193. O
  194. N
  195. D
  196. 2007
  197. J
  198. F
  199. M
  200. A
  201. M
  202. J
  203. J
  204. A
  205. S
  206. O
  207. N
  208. D
  209. 2006
  210. J
  211. F
  212. M
  213. A
  214. M
  215. J
  216. J
  217. A
  218. S
  219. O
  220. N
  221. D
  222. 2005
  223. J
  224. F
  225. M
  226. A
  227. M
  228. J
  229. J
  230. A
  231. S
  232. O
  233. N
  234. D
  235. 2004
  236. J
  237. F
  238. M
  239. A
  240. M
  241. J
  242. J
  243. A
  244. S
  245. O
  246. N
  247. D