Saltar para: Post [1], Comentários [2], Pesquisa e Arquivos [3]

A bem da Nação

EM CORPO INTEIRO

 

«Dias Contados» mais uma vasta crónica no FORUM do DN, de 8/6 da autoria de Alberto Gonçalves, que abrange vários temas, com a graça habitual. Consta o 1º - «A Selecção Censurada» - da dimensão mediática em torno da “tendinose da patela” no joelho de Cristiano Ronaldo, com as graves consequências de tal maleita sobre a Selecção, além de outros diversos interesses jornalísticos de uma “dimensão” risível ligados à problemática futebolística, que não resisto a transcrever:

 

«A Selecção Censurada»

 

O Tribunal Constitucional continua a fazer política, sabotar a economia, irritar o senhor primeiro-ministro e desencadear trapalhadas que talvez terminem, sem terminarem, em eleições antecipadas e num segundo resgate? Pedimos desculpa, mas neste momento a atenção do povo volta-se para o joelho de Cristiano Ronaldo, que consta padecer de uma tendinose na patela. Ao longo dos últimos dias, os portugueses correram para o Google a procurar "tendinose" e "patela". Os portugueses menos letrados correram a procurar "joelho". Nenhum precisou de procurar "Cristiano Ronaldo".

 

 

Vale que as televisões se empenharam por tratar o assunto. Desgraçadamente, só conseguiram transmitir cerca de 471 reportagens e debates em volta da lesão e das eventuais consequências da lesão. E se Ronaldo, vulgo CR7, não puder jogar? E se Ronaldo não puder jogar contra a Alemanha? E se Ronaldo só puder jogar depois da fase de grupos? E se Ronaldo jogar, jogará a 100%, 70% ou apenas a 52,44%? Na falta de esclarecimentos cabais da FPF, médicos, curandeiros, xamãs e peritos avulsos aliviaram-se de opiniões sensatas.

 

Esporadicamente, um comentador punha o dedo na ferida e lembrava que nem tudo se esgota em Ronaldo: ainda há Pepe, Coentrão, Moutinho, Meireles e os demais heróis, aliás recebidos pelo Prof. Cavaco antes do início da epopeia - em Belém, conforme é tradição das nossas gestas.

 

Também aqui valeu a ajuda das televisões, que contra ventos e marés e em prol do grande jornalismo escoltaram o autocarro da selecção entre um hotel e o palácio presidencial, e de seguida entre o palácio e a Portela, onde desfrutámos de magníficos planos dos jogadores às compras no duty free. Desde que Abraham Zapruder filmou a morte de J.F.K. que não via imagens tão dramáticas quanto as de Nani a apreçar barras de Toblerone. Porém, tamanho "furo" é raro.

 

A época vigente arrasta-se sob o signo do zelo dito "securitário". E não, não me refiro às cautelas alfandegárias dos EUA, lugar escolhido para a selecção estagiar antes do estágio final. Refiro-me ao abusivo sigilo praticado pela FPF, que não apenas impede às câmaras o acesso integral aos treinos como não permite a partilha das radiografias, ecografias e angiografias ao joelho de Ronaldo, deixando o povo a especular acerca da evolução da maleita e do estado do tendão patelar. E o tendão é mero exemplo: é igualmente inaceitável, por exemplo, a ausência de microfones nas palestras do treinador e a escassez de "apontamentos informativos" nos quartos e nos jacúzis ocupados pelos atletas, privando de dados vitais uma nação ávida dos mesmos. Já me aconteceu fazer zapping às três da manhã e não descobrir um único "directo" alusivo ao "mundial". Não havia sequer um Bruno Alves disponível para afiançar que o grupo está unido?

 

Ao contrário do que se usa dizer, a culpa não é dos jornalistas, em geral conscientes do seu papel na elucidação do público (quando a FPF lhes veda o acesso aos heróis, os intrépidos repórteres desatam a interrogar os transeuntes mais à mão e a obter momentos de enorme interesse noticioso). O problema são as condições de trabalho com que os jornalistas se deparam, a mentalidade tacanha que favorece a ocultação e o secretismo.

 

Esperemos que durante o campeonato as coisas mudem. Se a selecção é de todos nós, é natural desejarmos saber tudo o que ali se passa. O que não é natural é a censura, a explícita da Federação e a dissimulada de quem anseia por distrair as massas com criancices.

 

Basta de encher "telejornais" com chouriços, "chumbos" do TC, "chicana" política. A política de um patriota é o trabalho: o trabalho de apurar em definitivo a situação de Ronaldo, de acompanhar a recuperação de Beto, de dissecar o plano B de Paulo Bento, de perceber se Nani já deglutiu os Toblerone. Um país que não define prioridades não vai a lado nenhum, excepto ao Brasil.

 

É igualmente apelativo o 2º tema - «O fantasma de Louçã» - e a troça em torno de uma figura, que tendo já assumido preponderância oratória - de arreganho catilinário – em tempos passados, ao constatar o rombo que sofreu o seu BE nos resultados eleitorais, tenta manobras delatórias revanchistas – contraditórias e insensatas, que levam o articulista a outras hipóteses de propostas ainda mais absurdas, para constatar a morte do BE:

 

 

O fantasma de Louçã

 

Depois de sempre se ter oposto à saída de Portugal do euro, cujas consequências considerava "terríveis", Francisco Louçã regressou do Além "trotskista" para ir à Mesa Nacional do Bloco de Esquerda colocar na dita mesa a hipótese de Portugal sair do euro. Além disso, ou também por causa disso, hoje defende a aproximação ao PCP.

 

O volte-face surge na sequência da derrota do BE na "europeias", por sua vez já uma sequência da derrota do BE nas "autárquicas" e uma presunção das derrotas que hão-de vir. Não é preciso ser profeta para prever que ao longo dos próximos actos eleitorais o BE reagirá a cada rombo na popularidade através de uma radicalização progressiva. Se nas legislativas voltar a perder 50% dos votos e dos deputados, o Dr. Louçã aparecerá a sugerir que o País abandone a União Europeia e assuma protocolos institucionais com o regime de Gaza. Quando um dia perder qualquer representação parlamentar, o Dr. Louçã aconselhará a luta armada e a reabilitação moral de Otelo. No momento em que o eleitorado do BE não ultrapassar em muito o número de membros da liderança bicéfala, o estado-maior do partido poderá ser encontrado no Parque de Monsanto, a cozinhar húmus e a revolução.

 

Ou é isso ou a possibilidade agora apresentada por Ana Drago - e logo rejeitada pelos seus pares: a abertura de um "diálogo à esquerda" (eles dizem "esquerdas") com o Livre, o movimento 3D e o PAN. Se levarmos em conta que o Livre é o pseudónimo de um ex-eurodeputado do BE, que o 3D representa dois ou três dissidentes do BE e que nem a Internet imagina o que seja o PAN, é fácil concluir que o BE morreu. E, embora por razões mais ligadas ao humor do que à política, deixará saudades.

 

O 3º tema – Um país à escala do Rato – sobre o medo que a direita tem da possível substituição de Seguro por Costa na direcção do PS – revela a inanidade de pensamento de uns e outros:

 

Um país à escala do Rato

 

Uma história engraçada a correr por aí é a do medo que António Costa suscita na direita. Em primeiro lugar, não sei o que se entende por "direita", se os partidos no Governo ou se as pessoas que não apreciam um Estado intrometido e salteador (ambas as instâncias parecem-me algo incompatíveis). Em segundo lugar, garantiram-me que uma sondagem "interna" coloca o portentoso "carisma" do Dr. Costa um ou dois pontos percentuais acima do pobre rival nos gostos do eleitorado em geral. Por conveniência, admitamos que PSD e CDS andam assustadíssimos e que as facções empenhadas em enxotar o Dr. Seguro têm razão.

 

Ainda assim, não é esse o ponto. O ponto é a tese que resume os apetites dos insurgentes no PS: trocar o líder A pelo líder B é vital na medida em que A não é capaz de devolver os socialistas ao poder (ou o poder ao partido) e B talvez o faça. Pelo menos a franqueza é louvável. Claro que todos os partidos actuam em benefício daquilo que os coloca próximos do mando, mas costumam disfarçar a cobiça sob o simulacro de um debate interno e vagamente ideológico. O PS do Dr. Costa, ou que se serve do Dr. Costa, não disfarça. Ali não existe a menor intenção de distinguir o pensamento do autarca lisboeta do pensamento do secretário-geral, tarefa de resto impossível na medida em que nunca qualquer deles revelou possuir semelhante excentricidade. B é preferível a A porque sim.

 

Marx, o bom e velho Groucho, esclarecia: estas são as minhas convicções; se não gostarem, arranjo outras. No PS não há convicções nenhumas, excepto a certeza de que se está mais confortável a decidir orçamentos do que a votar contra eles, a satisfazer clientelas do que a pedir-lhes paciência, a afundar a economia do que a acusar Pedro Passos Coelho do mesmo. Não ocorre aos socialistas que à margem das intrigas há alguns milhões de cidadãos, certamente cansados de austeridade e provavelmente abismados com o brutal egoísmo dos que lhe prometem o fim da austeridade. Em suma, discute-se o melhor para o PS como se se discutisse o melhor para o País. Por acaso, e por norma, costuma funcionar ao contrário. Nesse sentido, e só nesse, o Dr. Costa mete medo.

 

Termina a página com o retrato de António Costa em destaque, com direito a foto de punho erguido, a “MOBILIZAR PORTUGAL”, e um breve texto intitulado «O que ninguém tinha coragem de dizer”:

 

«Os que acusavam António Costa de vacuidade engolem em seco. No Porto, além da candidatura à chefia do PS, o homem apresentou a receita para salvar a pátria: Uma nova agenda para Portugal. Ingredientes: “sustentabilidade demográfica”, “sustentabilidade energética e ambiental”, “sustentabilidade financeira”, “sustentabilidade económica”, “sustentabilidade de modelo social”,. “sustentabilidade do Estado”. Modo de preparação: “reunir vontades”, “construir compromissos”, “mobilizar energias” e depois “levar ao forno”. Polvilhar com “europeísmo” que não seja “auto-ingénuo”(sic). Há quanto tempo o país não era sacudido por abalo filosófico tão profundo? Pelo menos desde os programas do chef Silva»

 

 Berta Brás

2 comentários

Comentar post

Mais sobre mim

foto do autor

Sigam-me

Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

Arquivo

  1. 2021
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2020
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2019
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2018
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D
  53. 2017
  54. J
  55. F
  56. M
  57. A
  58. M
  59. J
  60. J
  61. A
  62. S
  63. O
  64. N
  65. D
  66. 2016
  67. J
  68. F
  69. M
  70. A
  71. M
  72. J
  73. J
  74. A
  75. S
  76. O
  77. N
  78. D
  79. 2015
  80. J
  81. F
  82. M
  83. A
  84. M
  85. J
  86. J
  87. A
  88. S
  89. O
  90. N
  91. D
  92. 2014
  93. J
  94. F
  95. M
  96. A
  97. M
  98. J
  99. J
  100. A
  101. S
  102. O
  103. N
  104. D
  105. 2013
  106. J
  107. F
  108. M
  109. A
  110. M
  111. J
  112. J
  113. A
  114. S
  115. O
  116. N
  117. D
  118. 2012
  119. J
  120. F
  121. M
  122. A
  123. M
  124. J
  125. J
  126. A
  127. S
  128. O
  129. N
  130. D
  131. 2011
  132. J
  133. F
  134. M
  135. A
  136. M
  137. J
  138. J
  139. A
  140. S
  141. O
  142. N
  143. D
  144. 2010
  145. J
  146. F
  147. M
  148. A
  149. M
  150. J
  151. J
  152. A
  153. S
  154. O
  155. N
  156. D
  157. 2009
  158. J
  159. F
  160. M
  161. A
  162. M
  163. J
  164. J
  165. A
  166. S
  167. O
  168. N
  169. D
  170. 2008
  171. J
  172. F
  173. M
  174. A
  175. M
  176. J
  177. J
  178. A
  179. S
  180. O
  181. N
  182. D
  183. 2007
  184. J
  185. F
  186. M
  187. A
  188. M
  189. J
  190. J
  191. A
  192. S
  193. O
  194. N
  195. D
  196. 2006
  197. J
  198. F
  199. M
  200. A
  201. M
  202. J
  203. J
  204. A
  205. S
  206. O
  207. N
  208. D
  209. 2005
  210. J
  211. F
  212. M
  213. A
  214. M
  215. J
  216. J
  217. A
  218. S
  219. O
  220. N
  221. D
  222. 2004
  223. J
  224. F
  225. M
  226. A
  227. M
  228. J
  229. J
  230. A
  231. S
  232. O
  233. N
  234. D