Saltar para: Post [1], Comentários [2], Pesquisa e Arquivos [3]

A bem da Nação

EFEITO BORBOLETA

 

Toda a gente (ou muita gente) já ouviu falar no “efeito borboleta”. De acordo com o Sr. Edward Lorenz, o descobridor ou inventor deste efeito”, o simples bater de asas de uma borboleta no Japão poderá provocar um tufão nos EUA.

 

Fenómeno que faz parte da Teoria do Caos e matematicamente já se demonstrou que tal teoria afinal é uma verdade.

 

Este estudo ajudou muito nas previsões meteorológicas, mas encontra aplicações em todas as ciências, desde as médicas, biológicas, humanas, sociais, etc.

 

As grandes civilizações do Mediterrâneo Oriental – Egipto, Creta, Grécia, Chipre, Hitita, Assíria, Babilónia, e outros – com comércio florescente, grande desenvolvimento cultural, intensas relações “internacionais”, enfim num período de globalização regional, de total interdependência entre todos aqueles povos-reinos ou impérios, de repente desapareceu e todos sumiram do mapa.

 

Há cerca de 3.000 anos.

 

Não foi dum dia para o outro. Levou alguns decénios e não se encontra para o desastre explicação absoluta. Foram anos seguidos de secas, terramotos, invasões, migrações, revoluções internas. Ninguém sabe como começou, mas sabe-se que acabou, e foram necessários muitos séculos para que, por exemplo a Grécia, começasse a reaparecer, como “criadora” da civilização ocidental.

 

Foi um simples bater de asas duma borboleta, em qualquer lugar que foi crescendo até se transformar no tufão que derrubaria uma zona próspera e organizada.

 

A Teoria do Caos diz que sistemas complexos e dinâmicos apresentam um fenómeno fundamental de instabilidade que os torna imprevisíveis na prática a longo prazo.

 

E ainda nos fala no Determinismo como teoria filosófica em que todo o acontecimento (inclusive o mental) é explicado por relações de causalidade.

 

Transportando o desastre das civilizações antigas, para os nossos dias basta um pequeno olhar sobre a economia mundial, com olhos de leigo, e ver que estamos em situação semelhante: todos dependemos uns dos outros! E por enquanto todos dependemos do maldito petróleo que está a destruir o planeta. Depois dependemos da China porque ela é quem fabrica tudo mais barato (até o bacalhau do Porto!), e da Índia e Bangladesh, e dos Estados Unidos porque seguram o dólar como moeda universal.

 

Todos eles dependem do grande mercado consumidor que é a Europa, e neste momento a Europa depende do comportamento da Grécia, o Médio Oriente depende da evolução do EI que depende do entendimento entre xiitas, sunitas e israelitas (o que toda a gente sabe ser impossível).

 

A África depende de investimentos estrangeiros que não se atrevem a fazê-lo dado o elevado grau de corrupção e falta de seriedade política, o mesmo se passando em quase toda a América Latina, desde o México que manda 80% das suas exportações para os EUA a toda a América do Sul com os desgovernos num total desmando e corrupção.

 

E ainda a imensa corrente de migrantes, fugindo do terror, da fome e da miséria, à procura dum Eldorado na Europa que precisa de mão-de-obra.

 

Sofrem horrores, arriscam a vida e só, talvez, dois países estão mais ou menos preparados para os acolher, mas onde vão viver, por algumas gerações, segregados.

 

A França em 2014 teve quase setenta mil pedidos de residência. Foram concedidos menos de vinte mil. Os restantes por lá continuam, teoricamente clandestinos.

 

FGA-bébé morto.jpg

 Ninguém pode ficar indiferente a imagens como esta que apareceu no jornal de hoje

 

Não me envergonho de dizer que quando abri a página do jornal duas grossas lágrimas me correram pela cara. Não há o direito. É muito violento.

 

Mas não nos podemos ficar só a chorar pelas crianças assim jogadas fora como lixo. Este tinha três anos. Era sírio. Um pouco adiante encontram outro corpinho também já morto. Um irmão de cinco anos. E os adultos?

 

Em números “oficiais” rondam os 3.000 os que, só este ano, morreram tentando chegar ao “céu” humano. Não se sabe quantos mais que não entraram nas estatísticas.

 

Cristãos ou muçulmanos chegaram a outro céu onde não há mais sofrimento.

 

Sofremos os que aqui estamos, assistimos a estas barbaridades, como assistimos a genocídios, holocaustos e outras imensas e indescritíveis barbáries, a maioria de nós sem nada podermos fazer.

 

Em algum lado uma borboleta começou a bater as asas.

 

03/09/2015

 

Francisco Gomes de Amorim

 Francisco Gomes de Amorim    

1 comentário

Comentar post

Mais sobre mim

foto do autor

Sigam-me

Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

Arquivo

  1. 2021
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2020
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2019
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2018
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D
  53. 2017
  54. J
  55. F
  56. M
  57. A
  58. M
  59. J
  60. J
  61. A
  62. S
  63. O
  64. N
  65. D
  66. 2016
  67. J
  68. F
  69. M
  70. A
  71. M
  72. J
  73. J
  74. A
  75. S
  76. O
  77. N
  78. D
  79. 2015
  80. J
  81. F
  82. M
  83. A
  84. M
  85. J
  86. J
  87. A
  88. S
  89. O
  90. N
  91. D
  92. 2014
  93. J
  94. F
  95. M
  96. A
  97. M
  98. J
  99. J
  100. A
  101. S
  102. O
  103. N
  104. D
  105. 2013
  106. J
  107. F
  108. M
  109. A
  110. M
  111. J
  112. J
  113. A
  114. S
  115. O
  116. N
  117. D
  118. 2012
  119. J
  120. F
  121. M
  122. A
  123. M
  124. J
  125. J
  126. A
  127. S
  128. O
  129. N
  130. D
  131. 2011
  132. J
  133. F
  134. M
  135. A
  136. M
  137. J
  138. J
  139. A
  140. S
  141. O
  142. N
  143. D
  144. 2010
  145. J
  146. F
  147. M
  148. A
  149. M
  150. J
  151. J
  152. A
  153. S
  154. O
  155. N
  156. D
  157. 2009
  158. J
  159. F
  160. M
  161. A
  162. M
  163. J
  164. J
  165. A
  166. S
  167. O
  168. N
  169. D
  170. 2008
  171. J
  172. F
  173. M
  174. A
  175. M
  176. J
  177. J
  178. A
  179. S
  180. O
  181. N
  182. D
  183. 2007
  184. J
  185. F
  186. M
  187. A
  188. M
  189. J
  190. J
  191. A
  192. S
  193. O
  194. N
  195. D
  196. 2006
  197. J
  198. F
  199. M
  200. A
  201. M
  202. J
  203. J
  204. A
  205. S
  206. O
  207. N
  208. D
  209. 2005
  210. J
  211. F
  212. M
  213. A
  214. M
  215. J
  216. J
  217. A
  218. S
  219. O
  220. N
  221. D
  222. 2004
  223. J
  224. F
  225. M
  226. A
  227. M
  228. J
  229. J
  230. A
  231. S
  232. O
  233. N
  234. D