Saltar para: Post [1], Comentários [2], Pesquisa e Arquivos [3]

A bem da Nação

E AGORA?

 

casal_conversando.jpg

  

Ela (estrangeira) – Ouvi dizer que anda desconsolado. Posso saber porquê?

Eu (português) – Porque constato uma inversão dos critérios democráticos com os derrotados a formarem Governo e os ganhadores a passarem para a Oposição. Só isso. Acha pouco?

Ela – Não, é claro que não acho pouco. E como é que esse absurdo foi possível?

Eu – Pois foi-o mesmo com base na Constituição em vigor.

Ela – Mas se a inversão dos princípios democráticos é constitucional...

Eu – ... então é a Constituição que está errada.

Ela – E está errada em que ponto?

Eu – Eu acho que tem que estar errada em muitos pontos e não apenas num só.

Ela – Mas vejo um problema: quem há-de corrigir o que está errado? A Assembleia da República que aprovou esses erros?

Eu – Sim, estamos como a pescadinha que tem o rabo na boca.

Ela – Qualquer revisão constitucional feita na Assembleia ou vai dar mais do mesmo ou agrava os erros. Como sair desse imbróglio?

Eu – Sim, apetece fazer como nos jogos de cartas: mandar o jogo a baixo, baralhar e voltar a dar. Sabe como se chama isso em política?

Ela – Cheira-me a golpe de Estado.

Eu – Não, não vou tão longe. Chamo-lhe interregno e lembro-me do de 1383-1385. Fico-me por um interregno de discussão pública sobre diversos projectos constitucionais por que o eleitorado possa optar em votação livre e vinculativa ganhando o projecto mais referendado, com exclusão dos outros. Um pouco à maneira americana: quem ganha, ganha; quem perde, perde. Espero bem que um desses projectos bana de vez o método de Hondt que facilita a criação de salganhadas em que ninguém se entende e de que não resulta uma política perfeitamente clara. Mais: admito que um tal referendo constitucional possa ser feito em duas voltas de modo a promover uma vitória inequívoca.

Ela – E como é que depois a governação se entendia com a Assembleia?

Eu – Do mesmo modo que o Presidente americano se entende com o Senado e com o Congresso.

Ela – Mas isso é num regime presidencialista...

Eu – ... e por cá haveria um regime semelhante para o Primeiro Ministro, «regime primo ministrista».

Ela – E acha que isso seria suficiente para evitar o absurdo por que Vocês estão a passar e em que os espanhóis vão brevemente cair?

Eu – Sim, acredito que sim. O que eu acho é que o Hamlet tinha toda a razão quando se lastimava de que «algo está podre no reino da Dinamarca» e que é imprescindível encontrar uma solução alternativa a esta que permite os absurdos democráticos.

Ela – E se ganhasse um projecto constitucional que não tomasse em consideração essas suas opções?

Eu – Seria uma maçada e a bagunça continuaria a abrir as portas a soluções não democráticas. Lastimavelmente, começo a ter dúvidas sobre a validade da democracia como ela vem sendo praticada num povo tão permeável a sugestões desvairadas, hedonistas e demagógicas. E olhe que não somos só nós os desvairados, hedonistas e demagogos: espanhóis, italianos e gregos não deixam de nos pedir meças. Uma maçada!

Ela – E acha que não correríamos o perigo do retorno aos regimes totalitários?

Eu – Se deixarmos o absurdo constitucional continuar a inverter os valores democráticos, então sim, corremos o sério risco de se instalar um sentimento de desorientação geral e de «não te rales» que permita algum aventureiro de se alcandorar a patamares de caudilhismo salvador. Isso, sim, é perigoso. Mais vale que discutamos os assuntos em liberdade do que virmos a ser nomeados voluntários para nos submetermos a qualquer disparate não democrático.

Ela – Sim, também me parece melhor tratar de discutir o assunto em liberdade. Mas estou preocupada com o desânimo de tanta gente que se sente ludibriada por jogos de bastidores como os que aconteceram cá em Portugal e se preparam em Espanha.

Eu – Se Você, que não é portuguesa nem espanhola nem italiana nem grega, está preocupada, imagine como estou eu que sou vítima directa da trapaça em curso.

Ela – E agora?

Eu – Agora, vamos ter que continuar na próxima conversa pois está na hora de passar esta nossa conversa a escrito, antes que me esqueça.

 

Lisboa, 22 de Janeiro de 2016

 

Henrique Salles da Fonseca, Hanói, NOV14.JPG

 Henrique Salles da Fonseca

1 comentário

Comentar post

Mais sobre mim

foto do autor

Sigam-me

Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

Arquivo

  1. 2019
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2018
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2017
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2016
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D
  53. 2015
  54. J
  55. F
  56. M
  57. A
  58. M
  59. J
  60. J
  61. A
  62. S
  63. O
  64. N
  65. D
  66. 2014
  67. J
  68. F
  69. M
  70. A
  71. M
  72. J
  73. J
  74. A
  75. S
  76. O
  77. N
  78. D
  79. 2013
  80. J
  81. F
  82. M
  83. A
  84. M
  85. J
  86. J
  87. A
  88. S
  89. O
  90. N
  91. D
  92. 2012
  93. J
  94. F
  95. M
  96. A
  97. M
  98. J
  99. J
  100. A
  101. S
  102. O
  103. N
  104. D
  105. 2011
  106. J
  107. F
  108. M
  109. A
  110. M
  111. J
  112. J
  113. A
  114. S
  115. O
  116. N
  117. D
  118. 2010
  119. J
  120. F
  121. M
  122. A
  123. M
  124. J
  125. J
  126. A
  127. S
  128. O
  129. N
  130. D
  131. 2009
  132. J
  133. F
  134. M
  135. A
  136. M
  137. J
  138. J
  139. A
  140. S
  141. O
  142. N
  143. D
  144. 2008
  145. J
  146. F
  147. M
  148. A
  149. M
  150. J
  151. J
  152. A
  153. S
  154. O
  155. N
  156. D
  157. 2007
  158. J
  159. F
  160. M
  161. A
  162. M
  163. J
  164. J
  165. A
  166. S
  167. O
  168. N
  169. D
  170. 2006
  171. J
  172. F
  173. M
  174. A
  175. M
  176. J
  177. J
  178. A
  179. S
  180. O
  181. N
  182. D
  183. 2005
  184. J
  185. F
  186. M
  187. A
  188. M
  189. J
  190. J
  191. A
  192. S
  193. O
  194. N
  195. D
  196. 2004
  197. J
  198. F
  199. M
  200. A
  201. M
  202. J
  203. J
  204. A
  205. S
  206. O
  207. N
  208. D