Saltar para: Post [1], Pesquisa e Arquivos [2]

A bem da Nação

DOVE ANDIAMO?

 

 

O Embaixador Francisco Henriques da Silva, que escreve o artigo “A CESURA NORTE-SUL E A PRETENSA UNIDADE EUROPEIA, deve ter sentido muitas vezes o tal sentimento de superioridade dos povos nortenhos para com os do sul, que descreve, lembrando quanto o excesso de equilíbrio e seriedade desses não significa propriamente virtude, que o excesso de auto convicção vaidosa logo minimiza ou até destrói. Um dia também a minha filha Paula, que esteve na Bélgica a assistir a aulas de professores belgas, integrada num projecto educativo da sua escola, sentiu quanto foi isenta de afecto humano a aula de determinado professor, rígido no comando impecável da sua aula, sem lugar a desvios nem a devaneios de comportamento. Mas é claro que não se pode generalizar, embora um dos comentários que o artigo mereceu – de Apmachado – revele também que tais atitudes de superioridade intelectual dos povos europeus do norte e do centro sejam desfiguradas quando confrontadas com os valores morais de sensibilidade e generosidade. Afirma Apmachado: “Convém não esquecer as experiências sobre os efeitos da radioactividade feitas na Suécia, pelos finais dos anos '40. As cobaias foram indigentes e deficientes mentais.”

 

 

Tais considerandos trouxeram-me à ideia o livro autobiográfico de Liv Ullmann, grande actriz norueguesa que, no seu livro “Mutações”, de extrema sensibilidade e inteligência, revela radicalismos da sociedade convencional norueguesa idênticos aos de qualquer outra sociedade mais limitada dos países do sul, nas experiências que tão expressivamente relata, o que nos causou estranheza. Mas foi o retrato da sua avó, sua grande companheira e amiga nos tempos da adolescência rebelde, que sobretudo estranhámos na solução final familiar de internamento num centro para idosos, asséptico e intransigente, como os seres que nele se moviam escrupulosamente competentes, e definitivos, últimos acompanhantes impessoais e gélidos das vidas idosas, que foram bem diversamente povoadas nas suas vidas anteriores:

 

É doloroso lembrar a última parte da vida dela. Um lar para velhos. Mobilado com bom gosto. Todas as cores combinando, as funcionárias com aventais brancos e sorrisos pacientes. Entretanto, logo que a campainha tocava, para o café da manhã, o almoço ou a ceia, as cinquenta velhas senhoras imediatamente tinham de sair dos seus quartos e seguir para o refeitório. Sentar-se à mesa com aqueles cuja companhia não desejavam. Conversar sobre acontecimentos pelos quais não sentiam nenhum interesse. Ter amigas com as quais só possuíam em comum a solidão e a espera.

 

O pânico, quando ela tinha de passar um dia deitada; três dias deitada representavam uma transferência para a ala da enfermaria. Havia uma longa lista de espera para os quartos de residência e raramente alguém voltava da enfermaria. Um dia, a avó também foi levada para lá.

 

É muito melhor para os velhos ter supervisão constante, poder ficar com outros na mesma situação. “Os parentes que só desejam o melhor para os seus entes queridos e os enviam para uma instituição onde não se é mais “eu”, e sim “nós”.

 

Nós” temos de ir para a cama um tanto cedo, talvez - se é que “nós” nos conseguimos levantar, naquele dia. Algumas vezes, as abluções nocturnas e preparativos para a noite são às quatro da tarde. Um tanto cedo, talvez, mas há falta de funcionários – e “nós” não temos tanta coisa assim para fazer, de qualquer modo, quando “nós” estamos acordadas.

 

Bater à porta já não é necessário. Que tipo de segredos pode ter uma pessoa velha? Alguém que só dispõe de um leito, a menos de um metro de distância do vizinho. Onde não há livros nem móveis nem quadros. Segundo o regulamento. Mas se a enfermeira é boazinha “nós” podemos pendurar uma fotografia na parede. (mas é melhor não usar prego – deixam uma marca feia). Assim, “nós” podemos ficar deitadas e olhar fotografias da família e dos amigos que têm tanto a fazer, nas suas próprias vidas, a ponto de adiarem semanas a visita ao velho. Afinal “nós” temos tanto conforto. Algumas vezes, parece que as visitas são um aborrecimento. …

 

Mas quando pensamos que é nesses países da intelectualidade que se registam as criações mais poderosas de ambientes e caracteres humanos, como Shakespeare, ou Kafka, ou o quadro “O Grito” de Munch expressivo de total desespero humano, compreendemos quanto o tal “dolce far niente” da boémia sulista, também é necessário neste mundo imperfeito, onde existem crianças, como afirmou o Embaixador Francisco Henriques da Silva no seu artigo, “crianças africanas com fome, felizes com toscos brinquedos de lata improvisados e com um sorriso nos lábios em aldeias paupérrimas.” para concluir sobre o relativismo do conceito de felicidade “O que é a felicidade? É só a do Norte? Com cerveja e aquavit?”

 

De facto, uma tal doutrina de pureza rácica, tão do agrado ainda hoje, converteu-se em hediondo holocausto não há muitos anos. Esperamos, os da Europa do sul, não chegar a esse ponto de rejeição. Mas respeitemos melhor as regras. Do bom senso, pelo menos. Não por conta da unidade europeia, que isso é utopia, mas como cidadãos construtores de um mundo, de facto, mais equilibrado.

 

 Berta Brás

Mais sobre mim

foto do autor

Sigam-me

Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

Arquivo

  1. 2021
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2020
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2019
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2018
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D
  53. 2017
  54. J
  55. F
  56. M
  57. A
  58. M
  59. J
  60. J
  61. A
  62. S
  63. O
  64. N
  65. D
  66. 2016
  67. J
  68. F
  69. M
  70. A
  71. M
  72. J
  73. J
  74. A
  75. S
  76. O
  77. N
  78. D
  79. 2015
  80. J
  81. F
  82. M
  83. A
  84. M
  85. J
  86. J
  87. A
  88. S
  89. O
  90. N
  91. D
  92. 2014
  93. J
  94. F
  95. M
  96. A
  97. M
  98. J
  99. J
  100. A
  101. S
  102. O
  103. N
  104. D
  105. 2013
  106. J
  107. F
  108. M
  109. A
  110. M
  111. J
  112. J
  113. A
  114. S
  115. O
  116. N
  117. D
  118. 2012
  119. J
  120. F
  121. M
  122. A
  123. M
  124. J
  125. J
  126. A
  127. S
  128. O
  129. N
  130. D
  131. 2011
  132. J
  133. F
  134. M
  135. A
  136. M
  137. J
  138. J
  139. A
  140. S
  141. O
  142. N
  143. D
  144. 2010
  145. J
  146. F
  147. M
  148. A
  149. M
  150. J
  151. J
  152. A
  153. S
  154. O
  155. N
  156. D
  157. 2009
  158. J
  159. F
  160. M
  161. A
  162. M
  163. J
  164. J
  165. A
  166. S
  167. O
  168. N
  169. D
  170. 2008
  171. J
  172. F
  173. M
  174. A
  175. M
  176. J
  177. J
  178. A
  179. S
  180. O
  181. N
  182. D
  183. 2007
  184. J
  185. F
  186. M
  187. A
  188. M
  189. J
  190. J
  191. A
  192. S
  193. O
  194. N
  195. D
  196. 2006
  197. J
  198. F
  199. M
  200. A
  201. M
  202. J
  203. J
  204. A
  205. S
  206. O
  207. N
  208. D
  209. 2005
  210. J
  211. F
  212. M
  213. A
  214. M
  215. J
  216. J
  217. A
  218. S
  219. O
  220. N
  221. D
  222. 2004
  223. J
  224. F
  225. M
  226. A
  227. M
  228. J
  229. J
  230. A
  231. S
  232. O
  233. N
  234. D