Saltar para: Post [1], Pesquisa e Arquivos [2]

A bem da Nação

DOMINE, QUO VADIS?

corcovado.jpg 

 
Perdidos. Homens e mulheres. Reclamam, uns com os outros, em casa, nos cafés, por vezes nos órgãos de comunicação, mas... nada acontece.


Andam perdidos, revoltados, a reclamar, a falar mal de qualquer um que alcance o poder, mas... quanto ao resto deixam-se ficar na maledicência, chorosos, a maioria das vezes sem saberem que caminho tomar ou para onde ir.


Cristãos e não cristãos todos têm algum “pedacinho” de fé. Os ateus têm plena fide, por exemplo que podem desconverter os religiosos, ou que o Botafogo ou o Benfica vão ser campeões, e mais fé ainda de que Deus... talvez não exista. Mas lutam pelas suas ideias.


Os cristãos, e os de muitas outras religiões têm Fé. A maioria não sabe bem o que é a Fé, mas jura a pés juntos que tem Fé, sim senhor. Só não acreditam na palavra do Senhor que, claramente afirma: Em verdade vos digo que, se tiverdes fé como um grão de mostarda, direis a este monte: passa daqui para acolá, e há de passar; e nada vos será impossível.


Dificilmente se encontrará alguém com tamanha Fé, concordemos, mas porque passar a maior parte do pouco tempo que nos foi dado para viver na Terra, sendo comandados por políticos inábeis, inescrupulosos, que se garantem com a impunidade dos votos dos covardes ou gananciosos?


Não será necessária uma “fé que remova montanhas”. Uma fé muito mais simples e quase infinitamente menor poderá resolver esses problemas: a fé nas nossas possibilidades e sobretudo na coragem para as advogar e fazer valer.


Neste momento, países como Portugal e Brasil atravessam uma das mais difíceis fases de toda a sua história.


Em Portugal, uma esquerda de inábeis e igualmente gananciosos não tem a menor ideia do que fazer para elevar a prosperidade do seu povo, as previsões são muito negativas, e já começou a vomitar da boca para formar abomináveis projectos cuja única consequência será levar o país para um buraco ainda mais fundo.


No Brasil o caos é total. Nunca, jamais, em tempo algum... foi possível imaginar que um grupo de malfeitores pudesse em tão poucos anos destruir um país que, com todos os seus problemas, estava a crescer e a impor-se como potência.


Desde há alguns anos que não há governo. Há lutas de interesses politiqueiros, dos tais sanguessugas corruptos que, cada um, quer unicamente ver como roubar o máximo da res púbica, manter-se eternamente no poder, esmagar o adversário a quem no dia seguinte se une. E o desenvolvimento do país... parou.


O relógio do desenvolvimento é exacto: parou um segundo, atrasa a vida de todos em alguns dias. Aqui parou, como está a acontecer há 12 anos, e o país recuou quase meio século no seu crescimento. Estamos de volta a meados do século passado, mesmo com Internet e satélites de GPS!


É verdade que, como em todo o mundo, milhões saíram da pobreza, mas mais milhões nela entram todos os dias. É verdade que, como em todo o mundo, o crescimento do número de bilionários aumenta de forma quase exponencial. E a mais triste verdade é que a classe média, empurrada por baixo e esmagada por cima tende a empobrecer de forma, para muitos, ou quase todos, fortemente.


Quo vadis, domine? Empurrado, como um pacífico e obediente rebanho de ovelhas, o homem, e a mulher, vão pastando um pouco da grama seca que ainda lhes sobra, sem reagir.


E a Fé? A Fé nas possibilidades de cada um? A vergonha de se sentir um carneiro não mexe com as possibilidades que em cada um se reconhece? Enxovalhado o orgulho, desonrado por ser considerado pouco mais do que um objeto, não faz aparecer aquela Fé que remove montanhas? Ou somente acorda aquela fézinha, ridícula de acender uma velinha a uma imagem de barro e esperar um milagre, que jamais acontece?


Sentar-se tranquilamente nas praias, ao pôr do sol e ver se aparece o Encoberto?


Vem o Papa ao Brasil, o Grande Papa Francisco, e junta milhões de pessoas. Fé no Papa.


Mas logo a seguir a Fé autêntica, a Fé nas capacidades quase ilimitadas dos homens... dorme ao som dolente do balir do rebanho.


O tempo corre. Poucos, raros, se mexem. Não erguem a bandeira da decência, daquelas virtudes que não há muito tempo representava a garantia dada com um fio da barba!


Em Portugal parece que esperam o “milagre” marxista que derruba, não montanhas, mas economias. No Brasil ninguém espera a não ser a esmola do programa “Bolsa-Voto”. Não há instrução, não há cultura, não há professores competentes em número suficiente para elevar a educação do povo, e surge do esgoto fétido a voz dum bandido, a dizer que a incultura se deve, ainda hoje, 183 anos depois da Independência, aos portugueses!


É verdade que as colónias espanholas tiveram universidades desde muito cedo. Mas não há a mínima possibilidade de comparar o nível de conhecimento científico do Brasil com os vizinhos, talvez com excepção da Argentina que parece que finalmente levantou a voz contra a podridão peronista.


O mal das Américas Latrinas parece endêmico.


Nos altiplanos os índios reforçam a resistência mascando folhas de coca.


No Brasil, na baixaria, só os bandidos se reforçam.


O povo, aquele povo simples, mais pobre ou menos pobre, assiste. Os mais ricos, poucos se atrevem a mover uma palha com medo de perder a sua capacidade de influenciar o caminho das leis e justiça a seu favor.


Será que todos perderam a dignidade e se incorporaram ao submisso rebanho?


Quo vadis, domine?


Surge et ambula, cum gravitas!

25/12/2015

FGA-2OUT15.jpgFrancisco Gomes de Amorim

Mais sobre mim

foto do autor

Sigam-me

Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

Arquivo

  1. 2021
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2020
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2019
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2018
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D
  53. 2017
  54. J
  55. F
  56. M
  57. A
  58. M
  59. J
  60. J
  61. A
  62. S
  63. O
  64. N
  65. D
  66. 2016
  67. J
  68. F
  69. M
  70. A
  71. M
  72. J
  73. J
  74. A
  75. S
  76. O
  77. N
  78. D
  79. 2015
  80. J
  81. F
  82. M
  83. A
  84. M
  85. J
  86. J
  87. A
  88. S
  89. O
  90. N
  91. D
  92. 2014
  93. J
  94. F
  95. M
  96. A
  97. M
  98. J
  99. J
  100. A
  101. S
  102. O
  103. N
  104. D
  105. 2013
  106. J
  107. F
  108. M
  109. A
  110. M
  111. J
  112. J
  113. A
  114. S
  115. O
  116. N
  117. D
  118. 2012
  119. J
  120. F
  121. M
  122. A
  123. M
  124. J
  125. J
  126. A
  127. S
  128. O
  129. N
  130. D
  131. 2011
  132. J
  133. F
  134. M
  135. A
  136. M
  137. J
  138. J
  139. A
  140. S
  141. O
  142. N
  143. D
  144. 2010
  145. J
  146. F
  147. M
  148. A
  149. M
  150. J
  151. J
  152. A
  153. S
  154. O
  155. N
  156. D
  157. 2009
  158. J
  159. F
  160. M
  161. A
  162. M
  163. J
  164. J
  165. A
  166. S
  167. O
  168. N
  169. D
  170. 2008
  171. J
  172. F
  173. M
  174. A
  175. M
  176. J
  177. J
  178. A
  179. S
  180. O
  181. N
  182. D
  183. 2007
  184. J
  185. F
  186. M
  187. A
  188. M
  189. J
  190. J
  191. A
  192. S
  193. O
  194. N
  195. D
  196. 2006
  197. J
  198. F
  199. M
  200. A
  201. M
  202. J
  203. J
  204. A
  205. S
  206. O
  207. N
  208. D
  209. 2005
  210. J
  211. F
  212. M
  213. A
  214. M
  215. J
  216. J
  217. A
  218. S
  219. O
  220. N
  221. D
  222. 2004
  223. J
  224. F
  225. M
  226. A
  227. M
  228. J
  229. J
  230. A
  231. S
  232. O
  233. N
  234. D