Saltar para: Post [1], Comentar [2], Pesquisa e Arquivos [3]

A bem da Nação

DIVAGANDO SOBRE ECONOMIA

 

FGA-Thomas Jefferson.png Thomas Jefferson disse que as instituições bancárias são mais perigosas do que os exércitos permanentes. Isto no século XVIII. Estamos no XXI, e ele tinha toda a razão.

 

Vivemos hoje tempos de incerteza, de desigualdade, concentração de renda, especulação feroz, guerras que proporcionam fabulosos lucros aos fabricantes de armamentos, grande e grave apreensão sobre o futuro a curto e médio prazo, porque a longo ninguém será capaz de prever, por exemplo, como a “pacífica” invasão da Europa que, por força, a vai desestabilizar.

 

O Estado brasileiro detentor do monopólio financeiro, dita as leis mais absurdas que se possam imaginar, como por exemplo um juro básico de 14,25% que permite aos bancos particulares cobrarem aos clientes qualquer coisa como até 500 % ou mais no cheque especial ou no cartão de crédito. Com este tipo de monopólio, e outros, o Estado detém do mesmo modo o uso legítimo da violência, que a usa para aumentar impostos para não enxugar a máquina administrativa, poder comprar congressistas e outras barbáries.

 

Nepotismo, palavra que vem do italiano nepote – sobrinho ou sobrinha, neto ou neta – desde o século XV, de Alexandre VI, o famigerado Borgia, considerado o pior papa de todos os tempos, que chamava sobrinhos aos filhos ilegítimos, para os enriquecer, hoje é prática que por aqui se mantém mais arreigada que lapa na rocha.

 

O EI aproveita esta onda, este tsunami de migrantes, para semear mais terror aos europeus: “Já mandámos junto com os fugitivos mais de 5.000 combatentes”! Por outro lado, assisti há dois dias um pouco ao debate entre os pré-candidatos republicanos nos EUA. Difícil ouvir tanta besteirada! Doem até as meninges! Cada um semeava mais pavor do que o outro, unânimes em acusarem o reinício das relações com o Irão, como extremamente perigosas, argumentando que “sendo o Irão um estado teocrático, na posse da bomba atómica, vai provocar o fim do mundo, despejando bombas por todo o lado. Assim ficariam com a certeza de encontrarem no “crescente azul” as cobiçadas virgens”. E os babacas que assistiam ao debate, entusiasmados batiam palmas!

 

O rombo mundial de 2008 deu-se por uma circunstância simples: ganância desenfreada. Os agentes financeiros dos EUA soltaram pelo país vendedores de créditos! Eram pagos em percentual dos créditos conseguidos, fossem eles seguros, inseguros ou inexistentes. Um pobre do Alabama com uma casa de madeira a cair aos pedaços era fisgado para assinar um contrato de empréstimo de alguns milhares de dólares para melhorar a sua casa, ele que mal tinha dinheiro para sobreviver. O vendedor recebia o pagamento pelo seu trabalho e os “espertinhos” dos bancos passavam o contrato adiante e... provocaram uma tremenda quebra de mercados. Muito pior do que a ingénua Dona Branca em Portugal.

 

Porque ninguém percebeu? Perguntou nessa conjectura, a rainha Elizabeth. Não foi um caso de excesso confiança entre agentes financeiros, mas um caso nítido de compadrio, que o governo americano apadrinhou, entregando bilhões de dólares aos bancos e seguradoras que estavam, fraudulentamente, falidos!

 

Em França o desgoverno do Hollande também corre atrás de bancos e indústrias para não fecharem, transformando assim o país de democrático em socialista, e continua a falar nos “valeurs de la Republique, égalité, état laïque, etc.” linguagem estranha para muçulmanos e judeus, e os próprios franceses.

 

Surgem Partidos Populistas, como Syriza, Podemos de Espanha, Front Nacional em França, que se baseiam no desprezo dos governos sobre a retracção do poder de compra do trabalhador, que dificilmente enxugam a máquina estatal, sem se atreverem a mexer nos Benefício Sociais, que serão, em muito breve, a causa primária da penúria e guerra civis.

 

Por aqui é a cegueira total. Ninguém faz nada, ninguém parece saber algo de qualquer coisa, quando aparece alguém que anuncia alguma medida saudável, no dia seguinte é desautorizado, e o país afunda, afunda, afunda e para o afundar mais depressa recorre, não à contenção dos gastos, mas ao aumento disparatado de impostos.

 

Ninguém confia em ninguém! Em políticos... abrenúncio (!), na polícia, deus nos livre, nos advogados que comandam as câmaras legislativas, é um mal obrigatório, e nas empresas... o mesmo, e o povo pára os carros nas calçadas, avança sinais, bebe muito e conduz, corre em alta velocidade, grita contra o governo, mas, falta-lhe cultura, educação civismo.

 

Pode-se confiar, por exemplo num sueco, mas difícil num brasileiro ou num kuaitiano!

 

No meio do barulho, as facções marxistas enxergam os administradores pagos com fortunas, mesmo que tenham levado as empresas para o fundo, mas limitam-se a “ladrar”.

 

Num país de compadrio basta influenciar os legisladores para que um bom negócio se efectue, para que as leis se baralhem de tal forma para que os julgamentos levem tantos anos que o pior bandido, se tiver bons advogados acaba por se ver livre das acusações, e sobretudo visam proteger os próprios legisladores e os juízes, que se atribuem imunidades.

 

FGA-David Graham Phillips.png A importância do dinheiro não é novidade. Vejam a acusação feita por David Graham Phillips (1867-1911):

 

Traição é uma palavra forte. Mas não forte demais, e sim fraca demais, para descrever a situação na qual o Senado (EUA) é o entusiasmado, engenhoso e incansável agente de interesses tão hostis ao povo americano, quanto o seria um exército invasor, e muito mais perigoso: interesses que manipulam a prosperidade produzida por todos de modo a que ela proporcione riqueza para poucos; interesses cujo crescimento e poder podem significar a degradação do povo, a transformação dos cultos em bajuladores, das massas em servos.

 

Podia dizer isto hoje!

 

Como diz Luigi Zingales: ...não podemos esperar que o processo político, pesadamente influenciado por lobbies, se contenha a si próprio. Isso seria o mesmo como esperar que o peru vote a favor da Ceia de Natal!

 

Reagan: Não há respostas fáceis, mas há respostas simples. Precisamos ter a coragem de fazer aquilo que sabemos ser moralmente correcto.

Os legisladores jamais criam leis simples. Sempre vão fazê-las mais e mais complicadas para que haja uma ou mais brechas, por onde poderão escapar ou adiar a sua própria condenação. Mark Twain tinha sobre essa gente uma opinião simples: Há três tipos de mentiras: mentiras, mentiras simples e mentiras deslavadas e estatísticas. Vemos isso todos os dias na boca dos governantes: mentiras.

 

Se pudéssemos definir, por uma só palavra um governante e/ou político, esta seria: “mentira”.

 

Mas os políticos não são os únicos que mentem, por exemplo ocultando dados. Vimos isso no estouro da bolsa de 2008 com o banco Lehman Brothers (que está aí de novo e poderoso), as ultra seguradoras Fannie Mae e Freddy Mac e outros.

 

O mercado político distorcido permite que o capitalismo de compadrio triunfe, que o governo intervenha e que o contribuinte pague.

 

O governo cria riqueza com os impostos e distribui pelos industriais de maior força política, sempre sacrificando os consumidores.

 

Daí que a livre concorrência e o controle dos lobbies deva ser uma prioridade para um governo justo.

 

Mas... há disso nas Américas? Onde?

 

N.- Algumas ideias retiradas do livro “Capitalismo para o Povo” de Luigi Zingales.

 

19/Set./2015

 

Francisco Gomes de Amorim Francisco Gomes de Amorim

Comentar:

Mais

Se preenchido, o e-mail é usado apenas para notificação de respostas.

Este blog tem comentários moderados.

Este blog optou por gravar os IPs de quem comenta os seus posts.

Mais sobre mim

foto do autor

Sigam-me

Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

Arquivo

  1. 2021
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2020
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2019
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2018
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D
  53. 2017
  54. J
  55. F
  56. M
  57. A
  58. M
  59. J
  60. J
  61. A
  62. S
  63. O
  64. N
  65. D
  66. 2016
  67. J
  68. F
  69. M
  70. A
  71. M
  72. J
  73. J
  74. A
  75. S
  76. O
  77. N
  78. D
  79. 2015
  80. J
  81. F
  82. M
  83. A
  84. M
  85. J
  86. J
  87. A
  88. S
  89. O
  90. N
  91. D
  92. 2014
  93. J
  94. F
  95. M
  96. A
  97. M
  98. J
  99. J
  100. A
  101. S
  102. O
  103. N
  104. D
  105. 2013
  106. J
  107. F
  108. M
  109. A
  110. M
  111. J
  112. J
  113. A
  114. S
  115. O
  116. N
  117. D
  118. 2012
  119. J
  120. F
  121. M
  122. A
  123. M
  124. J
  125. J
  126. A
  127. S
  128. O
  129. N
  130. D
  131. 2011
  132. J
  133. F
  134. M
  135. A
  136. M
  137. J
  138. J
  139. A
  140. S
  141. O
  142. N
  143. D
  144. 2010
  145. J
  146. F
  147. M
  148. A
  149. M
  150. J
  151. J
  152. A
  153. S
  154. O
  155. N
  156. D
  157. 2009
  158. J
  159. F
  160. M
  161. A
  162. M
  163. J
  164. J
  165. A
  166. S
  167. O
  168. N
  169. D
  170. 2008
  171. J
  172. F
  173. M
  174. A
  175. M
  176. J
  177. J
  178. A
  179. S
  180. O
  181. N
  182. D
  183. 2007
  184. J
  185. F
  186. M
  187. A
  188. M
  189. J
  190. J
  191. A
  192. S
  193. O
  194. N
  195. D
  196. 2006
  197. J
  198. F
  199. M
  200. A
  201. M
  202. J
  203. J
  204. A
  205. S
  206. O
  207. N
  208. D
  209. 2005
  210. J
  211. F
  212. M
  213. A
  214. M
  215. J
  216. J
  217. A
  218. S
  219. O
  220. N
  221. D
  222. 2004
  223. J
  224. F
  225. M
  226. A
  227. M
  228. J
  229. J
  230. A
  231. S
  232. O
  233. N
  234. D