Saltar para: Post [1], Comentar [2], Pesquisa e Arquivos [3]

A bem da Nação

DE QUE DINHEIRO PRECISAMOS?

 historia-da-moeda-009.jpg

 

Escreveu Suetónio, na "Vida dos Césares", que o imperador Vespasiano, ao ser interpelado pelo filho, Tito, por taxar o uso dos urinóis, ter-lhe-á mostrado uma moeda de ouro

… e dado a entender que o dinheiro não tem cheiro.

 

Bem… Isso foi há dezanove séculos. “O mundo mudou”, como diz o engenheiro.

 

E hoje, o dinheiro tem muitos cheiros: o perfume dos banqueiros e políticos; o suor dos desempregados e condenados à indigência; o cheiro dos traficantes dos off-shores; e, sobretudo o fedor dos corruptos, os poucos que estão presos e os muitos à solta.

 

Dito isto, precisamos do dinheiro. Precisamos? A questão é, antes, de que tipo de dinheiro precisamos. À frente dos nossos olhos, um brutal conjunto de escolhas políticas, financeiras e culturais transformou o dinheiro de mero objecto que era, em sujeito que nos controla a vida e pode cheirar muito mal, desde o plástico dos cartões, aos negócios do tráficos de armas, drogas, pessoas, órgãos humanos e diamantes.

 

As confusões abundam neste assunto. Durão Barroso afirmou que Portugal ia receber uma pipa de massa, insinuando que a riqueza resulta dos fundos europeus. Tão mal aproveitadinhos, benza-os Deus! Há quem diga que ganha pouco dinheiro; a confusão é grande com rendimentos.

 

Riqueza é o valor de um património, a começar pelo capital humano. Rendimento é o que alguém recebe, sujeito às mil vicissitudes do valor da moeda. Agora dinheiro, dinheiro, é outra coisa. Pode mesmo resumir-se as funções do dinheiro num verso de pé-quebrado: Dizem que o dinheiro/Tem muita utilidade/ Serve de meio e padrão/ De cofre e unidade.

 

No Antigo Testamento, Deus e Mamon estão sempre em conflito. A ganância e a avareza são devoradoras. O Novo Testamento diz que ninguém pode servir a dois senhores. (Mateus 6:19-24). Paulo afirma em Timóteo I (16.10) que o amor pelo dinheiro é a raiz de todo o mal. E Tomás Moro – um santo da Igreja católica e do movimento comunista que escreveu a Utopia, faz agora 500 anos – repetiu o alerta. Nem ele sabia como tinha tanta razão no séc. XXI.

 

Desde as conchas da Polinésia, às moedas do Rei Midas – que tinha orelhas de burro – até aos depósitos em bancos e aos bitcoins, o dinheiro mudou de forma. Mas sempre com a simplicidade assustadora de ter atrás de si uma entidade que o cria do nada, e outra que o vende.

 

Aqui é que a porca torce o rabo. Segundo o Positive Money, movimento em crescendo na Inglaterra, cerca de 95% do dinheiro que circula é criado por bancos privados. Quem lhes permitiu isso foram os poderes soberanos. E a ideologia de serviço chama-se neoliberalismo.

 

Com a desregulamentação imposta pelo Consenso de Washington, criou-se a tempestade perfeita que fez do dinheiro um senhor em vez de nosso servo. A varinha mágica chama-se dinheiro escritural e que resulta da prática permitida de os bancos manterem apenas uma fracção dos depósitos recebidos sob a forma de dinheiro e outros activos financeiros e de emprestar o restante, criando dinheiro ou direitos de resgate.

 

A velocidade de circulação do dinheiro escritural é ajudada pelos cartões de débito e crédito. Um amigo meu que trabalha com famílias sobre-endividadas descobriu uma com 23 cartões de crédito.

 

O sistema das reservas fraccionadas que desrespeitou os rácios pedidos pelas entidades reguladoras; a cisão entre valor nominal do dinheiro e o seu valor de utilidade intrínseca; a abdicação dos controlos soberanos; tudo junto, deu nesta lindeza em que estamos.

 

Estando o dinheiro bancário exposto ao risco de insolvência da instituição de depósito, sempre que há desconfiança na instituição ou no sistema, pagamos nós, ou seja o Estado. Mais de oito anos a resgatar bancos desde 2008, mostra que não é solução.

 

E assim voltamos ao dinheiro ao qual até os soberanos se vergam, tanto quanto a classe média que está a ficar pobre com a austeridade e os pobres que ficaram desempregados porque o dinheiro mau expulsou o dinheiro bom e tornou-se gerador de dívida para famílias e empresas.

 

Só lucrou o 1% da casta de novos senhores. Por isso, abençoadas sejam as dezenas de casos de Panama Papers como as continhas de escriturário do dr. Salgado que pagou a 100 amigos. Centenas de perversos financeiros e dezenas de bancos andam a ser investigados.

 

Contudo, a perversão financeira dos últimos 20 anos do Ocidente e do resto do mundo não irá parar enquanto não for bolado um plano para mudar o tipo de dinheiro que precisamos. Varoufakis caiu porque não pensou nisso. E os Prémios Nobel da Economia esfregam a carequinha sem que saia chispa.

 

Não há volta a dar: enquanto não tivermos um outro tipo de dinheiro, não sairemos da crise como, juntamente com João Gil Pedreira e Nazaré Barros, procuro expor num livrinho a sair em Maio deste ano: “O dinheiro das nossas (dí)vidas”.

 

Mendo Castro Henriques.jpg

Mendo Castro Henriques

Faculdade de Ciências Humanas, Universidade Católica Portuguesa

 

Comentar:

CorretorEmoji

Se preenchido, o e-mail é usado apenas para notificação de respostas.

Este blog tem comentários moderados.

Este blog optou por gravar os IPs de quem comenta os seus posts.

Mais sobre mim

foto do autor

Sigam-me

Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

Arquivo

  1. 2019
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2018
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2017
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2016
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D
  53. 2015
  54. J
  55. F
  56. M
  57. A
  58. M
  59. J
  60. J
  61. A
  62. S
  63. O
  64. N
  65. D
  66. 2014
  67. J
  68. F
  69. M
  70. A
  71. M
  72. J
  73. J
  74. A
  75. S
  76. O
  77. N
  78. D
  79. 2013
  80. J
  81. F
  82. M
  83. A
  84. M
  85. J
  86. J
  87. A
  88. S
  89. O
  90. N
  91. D
  92. 2012
  93. J
  94. F
  95. M
  96. A
  97. M
  98. J
  99. J
  100. A
  101. S
  102. O
  103. N
  104. D
  105. 2011
  106. J
  107. F
  108. M
  109. A
  110. M
  111. J
  112. J
  113. A
  114. S
  115. O
  116. N
  117. D
  118. 2010
  119. J
  120. F
  121. M
  122. A
  123. M
  124. J
  125. J
  126. A
  127. S
  128. O
  129. N
  130. D
  131. 2009
  132. J
  133. F
  134. M
  135. A
  136. M
  137. J
  138. J
  139. A
  140. S
  141. O
  142. N
  143. D
  144. 2008
  145. J
  146. F
  147. M
  148. A
  149. M
  150. J
  151. J
  152. A
  153. S
  154. O
  155. N
  156. D
  157. 2007
  158. J
  159. F
  160. M
  161. A
  162. M
  163. J
  164. J
  165. A
  166. S
  167. O
  168. N
  169. D
  170. 2006
  171. J
  172. F
  173. M
  174. A
  175. M
  176. J
  177. J
  178. A
  179. S
  180. O
  181. N
  182. D
  183. 2005
  184. J
  185. F
  186. M
  187. A
  188. M
  189. J
  190. J
  191. A
  192. S
  193. O
  194. N
  195. D
  196. 2004
  197. J
  198. F
  199. M
  200. A
  201. M
  202. J
  203. J
  204. A
  205. S
  206. O
  207. N
  208. D