Saltar para: Post [1], Comentários [2], Pesquisa e Arquivos [3]

A bem da Nação

DE CAMÕES E DE MARX

Inveja é, tendo ou não tendo, querer que o próximo não tenha -   e desse pecado tanto se serve por grosso como a retalho: por grosso, a inveja nacional; a retalho, a inveja individual. Como dose intermédia, sirva-se a inveja partidária.

* * *

É no «panegírico lusitano» que o Épico nos enrola nas malhas da mitologia clássica concluindo que os deuses olímpicos derramaram sobre nós toda a sua inveja.

E aí está a «inveja» como a última palavra d’ «Os Lusíadas», tal qual como presente envenenado legado para a nossa eternidade…

Da inveja por grosso refiro a da Rússia desde sempre, a da Alemanha desde Bismarck até Hitler se sumir, a de Castela desde que entrou na História; da inveja a retalho refiro com especial ênfase a que se estende a sul de Pas de Calais até ao Mediterrânio e, já com sotaque camoniano mas sem a sua pujança épica, a nossa, a invejinha lusitana, miudinha como os arrozinhos, as sopinhas e outras miudezas que tais…;da dose intermédia não posso citar um Partido em especial porque todos são invejosos mas uns há que o são por doutrina e outros apenas por estratégia. Cuidemos, pois, da inveja doutrinária e deixemos a outra no campo das coisas desprezíveis.

A inveja doutrinária é a que resulta da condição miserável a que os «servos da gleba industrial» no séc. XIX a que foram conduzidos. Miséria essa sobre que Marx construiu uma doutrina «salvadora» que acabou por levar à escravidão hordas de miseráveis que acreditaram em Lenine. E agora, passado mais de um século sobre a revolução russa e demostrada a substância falaciosa da receita marxista e da prática leninista, ainda há quem siga essa cartilha como se ela fosse a chave das portas celestiais. Contudo, é hoje sabido que é a das portas infernais.

Então, como se explica que, depois de tanta evidência de ruína, ainda haja gente inteligente a seguir esses ideais? Porque essa é a teorização do sentimento mais íntimo de quem «não pode ver uma camisa lavada a um pobre» e isto é a essência da inveja.

Eis como a instituição da inveja como fundamento de conceito político levou ao Inferno parte substancial da Humanidade.

Na hora em que Jerónimo de Sousa sai da liderança do PCP, não quero deixar de assinalar que a «débacle» do seu Partido não aconteceu apesar da sua óbvia simpatia pessoal, mas apenas porque o mundo já percebeu que essa não é a Via da Salvação.

E quem diz Marx e Lenine diz também todos os intérpretes dessa pauta da inveja.

Então, sonho por sonho, mais vale sonharmos com Camões e louvarmos «os barões assinalados» que, esses sim, deram novos mundo ao mundo.

Até porque esta é uma boa hora para, sem invejas nem complexos de superioridade, praticarmos a amizade entre todos os que já fizeram Portugal em qualquer parte do mundo.

Novembro de 2022

Henrique Salles da Fonseca

5 comentários

Comentar post

Mais sobre mim

foto do autor

Sigam-me

Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

Arquivo

  1. 2023
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2022
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2021
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2020
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D
  53. 2019
  54. J
  55. F
  56. M
  57. A
  58. M
  59. J
  60. J
  61. A
  62. S
  63. O
  64. N
  65. D
  66. 2018
  67. J
  68. F
  69. M
  70. A
  71. M
  72. J
  73. J
  74. A
  75. S
  76. O
  77. N
  78. D
  79. 2017
  80. J
  81. F
  82. M
  83. A
  84. M
  85. J
  86. J
  87. A
  88. S
  89. O
  90. N
  91. D
  92. 2016
  93. J
  94. F
  95. M
  96. A
  97. M
  98. J
  99. J
  100. A
  101. S
  102. O
  103. N
  104. D
  105. 2015
  106. J
  107. F
  108. M
  109. A
  110. M
  111. J
  112. J
  113. A
  114. S
  115. O
  116. N
  117. D
  118. 2014
  119. J
  120. F
  121. M
  122. A
  123. M
  124. J
  125. J
  126. A
  127. S
  128. O
  129. N
  130. D
  131. 2013
  132. J
  133. F
  134. M
  135. A
  136. M
  137. J
  138. J
  139. A
  140. S
  141. O
  142. N
  143. D
  144. 2012
  145. J
  146. F
  147. M
  148. A
  149. M
  150. J
  151. J
  152. A
  153. S
  154. O
  155. N
  156. D
  157. 2011
  158. J
  159. F
  160. M
  161. A
  162. M
  163. J
  164. J
  165. A
  166. S
  167. O
  168. N
  169. D
  170. 2010
  171. J
  172. F
  173. M
  174. A
  175. M
  176. J
  177. J
  178. A
  179. S
  180. O
  181. N
  182. D
  183. 2009
  184. J
  185. F
  186. M
  187. A
  188. M
  189. J
  190. J
  191. A
  192. S
  193. O
  194. N
  195. D
  196. 2008
  197. J
  198. F
  199. M
  200. A
  201. M
  202. J
  203. J
  204. A
  205. S
  206. O
  207. N
  208. D
  209. 2007
  210. J
  211. F
  212. M
  213. A
  214. M
  215. J
  216. J
  217. A
  218. S
  219. O
  220. N
  221. D
  222. 2006
  223. J
  224. F
  225. M
  226. A
  227. M
  228. J
  229. J
  230. A
  231. S
  232. O
  233. N
  234. D
  235. 2005
  236. J
  237. F
  238. M
  239. A
  240. M
  241. J
  242. J
  243. A
  244. S
  245. O
  246. N
  247. D
  248. 2004
  249. J
  250. F
  251. M
  252. A
  253. M
  254. J
  255. J
  256. A
  257. S
  258. O
  259. N
  260. D