Saltar para: Post [1], Comentar [2], Pesquisa e Arquivos [3]

A bem da Nação

DA PRIORIDADE AOS «PRIORITÁRIOS»

Mega carrinho de bébé.jpg

 

Querendo entrar no elevador de «Aquele sítio que todos conhecem», em Lisboa, diz a jovem mãe a empurrar um carrinho de bébé: - A Senhora tem que sair para eu entrar.

Respondeu a interpelada: - Ora essa, eu já cá estou dentro por direito próprio, a prioridade aos prioritários é no acesso e um carrinho de bébé não corresponde a qualquer urgência e muito menos a uma emergência.

Continua a jovem mãe: - A Senhora pode ir pelas escadas.

Responde a interpelada: - E a Senhora sabe se eu posso mesmo ir pelas escadas? Passo-lhe já a dôr neuropática e a catrefada de remédios que tenho que tomar diariamente.

 

Os demais passageiros puseram fim à conversa e a jovem mãe ficou à espera de exercer o seu direito de prioridade no acesso ao elevador na próxima vez que ele ali parasse com espaço suficiente para ela poder entrar.

 

  • Deve ser dada prioridade aos prioritários no acesso aos equipamentos de uso público (p. ex. elevadores, carruagens, autocarros, eléctricos, etc.);
  • Salvo casos de emergência evidente de um prioritário, quem já se encontra dentro do equipamento não tem que sair para que entre um prioritário não-emergente pois a presença dentro do equipamento consubstancia um direito adquirido pelo não-prioritário;
  • Havendo lugares reservados a prioritários, os utentes não-prioritários estão logicamente proibidos de ocupar esses lugares mas não têm que ceder lugares comuns a prioritários em demasia relativamente aos lugares que lhes estejam reservados;
  • Carrinhos de bébés e cadeiras de rodas são não-emergentes.

 

Se a lei não trata disto, deveria tratar.

 

Março de 2019

Rua mais estreita de Estocolmo.JPGHenrique Salles da Fonseca

Comentar:

Mais

Se preenchido, o e-mail é usado apenas para notificação de respostas.

Este blog tem comentários moderados.

Este blog optou por gravar os IPs de quem comenta os seus posts.

Mais sobre mim

foto do autor

Sigam-me

Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

Arquivo

  1. 2020
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2019
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2018
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2017
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D
  53. 2016
  54. J
  55. F
  56. M
  57. A
  58. M
  59. J
  60. J
  61. A
  62. S
  63. O
  64. N
  65. D
  66. 2015
  67. J
  68. F
  69. M
  70. A
  71. M
  72. J
  73. J
  74. A
  75. S
  76. O
  77. N
  78. D
  79. 2014
  80. J
  81. F
  82. M
  83. A
  84. M
  85. J
  86. J
  87. A
  88. S
  89. O
  90. N
  91. D
  92. 2013
  93. J
  94. F
  95. M
  96. A
  97. M
  98. J
  99. J
  100. A
  101. S
  102. O
  103. N
  104. D
  105. 2012
  106. J
  107. F
  108. M
  109. A
  110. M
  111. J
  112. J
  113. A
  114. S
  115. O
  116. N
  117. D
  118. 2011
  119. J
  120. F
  121. M
  122. A
  123. M
  124. J
  125. J
  126. A
  127. S
  128. O
  129. N
  130. D
  131. 2010
  132. J
  133. F
  134. M
  135. A
  136. M
  137. J
  138. J
  139. A
  140. S
  141. O
  142. N
  143. D
  144. 2009
  145. J
  146. F
  147. M
  148. A
  149. M
  150. J
  151. J
  152. A
  153. S
  154. O
  155. N
  156. D
  157. 2008
  158. J
  159. F
  160. M
  161. A
  162. M
  163. J
  164. J
  165. A
  166. S
  167. O
  168. N
  169. D
  170. 2007
  171. J
  172. F
  173. M
  174. A
  175. M
  176. J
  177. J
  178. A
  179. S
  180. O
  181. N
  182. D
  183. 2006
  184. J
  185. F
  186. M
  187. A
  188. M
  189. J
  190. J
  191. A
  192. S
  193. O
  194. N
  195. D
  196. 2005
  197. J
  198. F
  199. M
  200. A
  201. M
  202. J
  203. J
  204. A
  205. S
  206. O
  207. N
  208. D
  209. 2004
  210. J
  211. F
  212. M
  213. A
  214. M
  215. J
  216. J
  217. A
  218. S
  219. O
  220. N
  221. D