Saltar para: Post [1], Pesquisa e Arquivos [2]

A bem da Nação

DA POLÍTICA

 

Nem do Aristo nem do Teles

 

Não é qualquer novidade sabermos que toda a gente, TODA, ataca os políticos, xinga os políticos, chamam-lhes nomes “simpáticos”, que são uns isto... e mais aquilo... filhos de... etc. Inclusive os próprios, em público dizem o mesmo dos adversários.

 

Mas é curioso observar que no fundo são eles que têm razão. TODA.

 

Primeiro porque foi o povo que os escolheu e os elegeu. Segundo porque são eles que sabem como é a índole humana e jogam SEMPRE em seu próprio favor. São xingados, e a seguir, a maioria, reeleita, o que significa que estão certos.

 

O país para eles, o povo, é como dizia o rei D. Carlos, piolheira, ou como os judeus ortodoxos chamam aos prosélitos, sarna.

 

Aquilo a que se assiste nas sessões dos parlamentos é uma farsa, um teatro, porque tudo vem preparado dos bastidores. Previamente, de orelha a orelha, os ataques e defesas são preparados, para que o show pareça real. E tem mais: muitas vezes é no campo adverso que essa gente tem mais radicadas amizades. E o que se evidencia, claramente, e percebe até o mais intelectualmente diminuído é que todos obedecem a um só Senhor: grana. E como a grana está na mão de uns poucos, que a distribuem a seu belo contento, quando alguma coisa corre mal, a culpa é desses.

 

 

Mas alguma coisa, profunda, eles tiveram que aprender com Sun Tzu em “A Arte da Guerra” que diz deve estar-se preparado e evitar o confronto directo com um adversário destemido. Mestre Sun recomenda que, em vez de dominar o inimigo directamente, deve-se cansá-lo pela fuga, fomentar a intriga entre seus escalões, manipular seus sentimentos e usar sua ira e seu orgulho contra si próprio. Assim, em síntese, a proposição inicial de “A Arte da Guerra” introduz os três aspectos principais da arte do guerreiro: o social, o psicológico e o físico.

 

E assim aquilo que deveria chamar-se oposição, não passa de espantalhos comprados, desarticulados, implodidos.

 

Procurar, no Brasil, um líder na oposição é mais difícil do que procurar a tal agulha num palheiro. O dinheiro tudo pode: corrompe, desarticula e quem o tem uma vez na mão só larga dele depois de morto.

 

Hoje um partido ataca outro, no dia seguinte unem-se os dois para atacar um terceiro, depois chega uma graninha, representada por cargos chorudos na des-administração da “piolheira” e dificilmente se discutem assuntos de interesse nacional, porque “a política é a arte de mascarar de interesse geral o que afinal não passa de interesse particular” (Thiaudière, 1837-1930).

 

Disputa-se, suspira-se, conspira-se, simulam-se agonias e sobretudo controlam-se cuidadosamente as entradas de activos nas contas pessoais, e sempre que “cai o pano” o país ficou mais pobre.

 

Alain Fournier um escritor francês que morreu muito jovem (1886-1914) tem uma frase que sintetiza tudo isto: O que os partidos dizem uns dos outros é o que penso de todos eles. Voltaire com a sua verve aguda também dizia Será a política coisa diversa da arte de mentir a propósito?

 

O político só usa a palavra “sim” quando lhe perguntam se quer ganhar mais. A técnica é sempre o “talvez”, “vou ver o que posso fazer”, “deixa comigo”, mas nunca dizem “sim” nem “não” para manter a piolheira suspensa nas suas complexas actividades.

 

Nunca é prudente ajuizar da mentalidade dos homens pela impressão que eles nos dão na política. Enganamo-nos sempre. (Júlio Dantas).

 

E depois, os ingénuos, babacas, honestos, éticos, como eu e milhões de outros, reclamam muito, mas precisam de humildade para reconhecer que estão errados e sobretudo acomodados, mesmo quando os salários são de miséria, que o ensino seja de péssima qualidade, que o sistema de saúde funcione mal, que se assista a ininterruptas roubalheiras, etc., mas como escrevi num texto em Agosto de 2006:

 

“Maledetti voi que nos achincalham, nos roubam o bem-estar de hoje e o futuro dos jovens, que nos esmagam e maledetti noi porque continuamos a permitir que nos ponham os pés em cima.”

 

E, repicando aqui e além passagens do mestre grego de há 2.400 anos:

 

- O pior tipo de oligarquia é aquele no qual os cargos são hereditários (entre alguns países de África, Coreia do Norte, Maranhão e os aloprados do PT não há grande diferença);

 

- Os maiores crimes são causados pelo excesso e não pela necessidade;

 

- A avareza humana é insaciável; no princípio dois óbolos são o suficiente, mas quando essa quantia se torna costumeira, os homens passam a querer cada vez mais, sem limites;

 

- Aqueles que compram cargos certamente aprenderão com o tempo a tirar proveito para si mesmo;

 

- A fim de evitar que o tesouro público seja delapidado, a transferência de fundos deve ser feita na presença de todos os cidadãos (i. é, contas abertas);

 

- Meios considerados populares causam a ruína das democracias.

 

Por fim democracia só poderá sobreviver quando todos forem iguais e só o serão, independente dos meios de fortuna, quando a educação de qualidade puder chegar a todos; ninguém pode pôr em dúvida que a atenção do legislador deve estar centrada, acima de tudo, na educação da juventude. Negligenciar a educação é provocar grandes danos à constituição.

 

E aqui voltamos ao pensamento que diz que se os teus planos forem a cem anos, educa o povo.

 

Quantos anos o Brasil vai ainda esperar para chegar ao seu futuro em plena democracia? Não é certamente numa geração, nem duas.

 

Os ingleses diziam que para se fazer um gentleman eram precisas quatro gerações.

 

Infelizmente já não vou assistir a esse futuro, que pode ser maravilhoso.

 

O que vale é que a esperança é a última que morre com o homem, mesmo sabendo que é verdade o que o mesmo senhor Thiaudière nos deixou: Parece que a civilização se entende melhor a refinar o vício do que a aperfeiçoar a virtude.

 

Rio de Janeiro, 19.02.2014

 

 Francisco Gomes de Amorim

Mais sobre mim

foto do autor

Sigam-me

Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

Arquivo

  1. 2021
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2020
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2019
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2018
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D
  53. 2017
  54. J
  55. F
  56. M
  57. A
  58. M
  59. J
  60. J
  61. A
  62. S
  63. O
  64. N
  65. D
  66. 2016
  67. J
  68. F
  69. M
  70. A
  71. M
  72. J
  73. J
  74. A
  75. S
  76. O
  77. N
  78. D
  79. 2015
  80. J
  81. F
  82. M
  83. A
  84. M
  85. J
  86. J
  87. A
  88. S
  89. O
  90. N
  91. D
  92. 2014
  93. J
  94. F
  95. M
  96. A
  97. M
  98. J
  99. J
  100. A
  101. S
  102. O
  103. N
  104. D
  105. 2013
  106. J
  107. F
  108. M
  109. A
  110. M
  111. J
  112. J
  113. A
  114. S
  115. O
  116. N
  117. D
  118. 2012
  119. J
  120. F
  121. M
  122. A
  123. M
  124. J
  125. J
  126. A
  127. S
  128. O
  129. N
  130. D
  131. 2011
  132. J
  133. F
  134. M
  135. A
  136. M
  137. J
  138. J
  139. A
  140. S
  141. O
  142. N
  143. D
  144. 2010
  145. J
  146. F
  147. M
  148. A
  149. M
  150. J
  151. J
  152. A
  153. S
  154. O
  155. N
  156. D
  157. 2009
  158. J
  159. F
  160. M
  161. A
  162. M
  163. J
  164. J
  165. A
  166. S
  167. O
  168. N
  169. D
  170. 2008
  171. J
  172. F
  173. M
  174. A
  175. M
  176. J
  177. J
  178. A
  179. S
  180. O
  181. N
  182. D
  183. 2007
  184. J
  185. F
  186. M
  187. A
  188. M
  189. J
  190. J
  191. A
  192. S
  193. O
  194. N
  195. D
  196. 2006
  197. J
  198. F
  199. M
  200. A
  201. M
  202. J
  203. J
  204. A
  205. S
  206. O
  207. N
  208. D
  209. 2005
  210. J
  211. F
  212. M
  213. A
  214. M
  215. J
  216. J
  217. A
  218. S
  219. O
  220. N
  221. D
  222. 2004
  223. J
  224. F
  225. M
  226. A
  227. M
  228. J
  229. J
  230. A
  231. S
  232. O
  233. N
  234. D