Saltar para: Post [1], Comentários [2], Pesquisa e Arquivos [3]

A bem da Nação

CURTINHAS CXXXV

 

Rosa Luxemburg.jpg

 

A BARATINHA, O GATO DE DENG XIAOPING E A MALDIÇÃO DE  ROSA  LUXEMBOURG

 

  • Vai por aí uma escandaleira só porque uma ex-ministra, mal se livrou do cargo e do encargo, tratou de fazer pela vida. Como o vencimento de deputado lhe parecia parco, vá de aceitar o primeiro emprego que lhe apareceu. Para ir adiantando, está visto – que outros hão-de vir.

 

  • Não será, certamente, nem a primeira (quantos, antes dela, não fizeram o mesmo), nem a última (porque, na verdade, a vida está - e continuará a estar - pelas horas da morte).

 

  • Conflito de interesses descarado!, barafustam. Se fôr, também não será, nem o primeiro, nem o último caso – muito menos um caso raro. Ao nosso Parlamento não têm faltado candidatos que tecem delicadamente as teias que colam interesses particulares ao interesse público.

 

  • Pessoalmente, não vejo que mal daí possa advir. Sempre que se saiba de ciência certa quem defende o quê. Dito de outro modo. Posto que um deputado terá sempre interesses legítimos a defender (desde logo, o programa pelo qual tenha sido eleito - afinal, é para isso que marca o ponto), tudo se resumirá à verdade, à actualidade e à publicidade da sua declaração de interesses.

 

  • Agora, o que me parece descabido é serem os seus pares a vigiar para que essa declaração de interesses continue, a todo o momento, verdadeira, actual e do conhecimento público. Caber-lhes-á, sim, pronunciarem-se sobre a licitude dos interesses declarados. Violá-la, porém, configura um ilícito que deve pertencer aos tribunais apreciar. Sempre.

 

  • O que está mal, entre nós, é precisamente a despenalização dos conflitos de interesses em que deputados, à revelia das suas declarações de interesses, incorram. Como se a função de soberania que lhes está confiada não devesse ser mais protegida do que todas as outras.

 

  • Mas voltando ao caso da tal ex-ministra.

 

  • A empresa que a convidou dedica-se à meritória tarefa de libertar os Bancos (e outras Instituições Financeiras) do malparado que o destino (é sempre o destino, porque, nestas matérias, a responsabilidade morre invariavelmente solteira) lhes impôs. Para uns, será uma espécie de abutre. Para outros, um purgante assaz amargo. A sua utilidade para a saúde dos sistemas financeiros é, porém, inegável – e não vejo eu como possa colher frutos ínvios da contratação de um deputado.

 

  • Agora, tenham paciência! Eu esperaria que um ex-ministro nosso – mesmo com o fraquinho curriculum da dita Senhora, mesmo com aquela confusão de swaptions em que ela se envolveu (e envolveu a REFER) - tivesse, no mercado internacional, um rating, não diria AAA, mas, no mínimo BBB (o que é dizer: investment grade).

 

  • Tanto quanto sei, o grupo empresarial para onde vai não pertence à nata da finança internacional e as condições que ofereceu dir-se-ia mais do tipo speculative grade. Se não estiverem previstas nas entrelinhas outras mordomias, temo que a ex-ministra tenha de se alojar num hostel de Lancaster Gate de cada vez que o dever a chamar a Londres. Não deve dar para mais.

 

  • Na ânsia de opinar em inglês e de ostentar um cartão de Vice-President de uma empresa britânica, a pobre Senhora não soube fazer-se valer – é o que é. E isso não lhe perdoo, Que diabo! Estamos assim tão descredibilizados internacionalmente que os nossos ex-ministros não conseguem arranjar melhor?

 

  • Pode parecer estranho, mas este trivia tem, para mim, tudo a ver com a temida e diabolizada “espanholização” da Banca portuguesa.

 

  • Na verdade, preocupa-me mais o facto de a regulação e a supervisão do nosso sistema bancário ter sido entregue sem pestanejar a uma entidade supra-nacional (o BCE) do que ter os Bancos que por cá operam controlados por grupos empresariais estrangeiros. Porque é o BCE que dita que ratos caçar, quando e como. E nós nem sequer temos voz para escolher a côr dos gatos.

 

  • Mas preocupa-me acima de tudo que só os Bancos espanhóis demonstrem um módico de interesse pela economia portuguesa. Isto, sim, é para mim acabrunhante.

 

  • Indo mais fundo, vem-me à ideia Rosa Luxembourg: “Pior do que sermos explorados por capitalistas, é não haver capitalistas que queiram explorar-nos”.

 

ABRIL de 2016

António Palhinha MachadoA. Palhinha Machado

 

1 comentário

Comentar post

Mais sobre mim

foto do autor

Sigam-me

Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

Arquivo

  1. 2021
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2020
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2019
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2018
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D
  53. 2017
  54. J
  55. F
  56. M
  57. A
  58. M
  59. J
  60. J
  61. A
  62. S
  63. O
  64. N
  65. D
  66. 2016
  67. J
  68. F
  69. M
  70. A
  71. M
  72. J
  73. J
  74. A
  75. S
  76. O
  77. N
  78. D
  79. 2015
  80. J
  81. F
  82. M
  83. A
  84. M
  85. J
  86. J
  87. A
  88. S
  89. O
  90. N
  91. D
  92. 2014
  93. J
  94. F
  95. M
  96. A
  97. M
  98. J
  99. J
  100. A
  101. S
  102. O
  103. N
  104. D
  105. 2013
  106. J
  107. F
  108. M
  109. A
  110. M
  111. J
  112. J
  113. A
  114. S
  115. O
  116. N
  117. D
  118. 2012
  119. J
  120. F
  121. M
  122. A
  123. M
  124. J
  125. J
  126. A
  127. S
  128. O
  129. N
  130. D
  131. 2011
  132. J
  133. F
  134. M
  135. A
  136. M
  137. J
  138. J
  139. A
  140. S
  141. O
  142. N
  143. D
  144. 2010
  145. J
  146. F
  147. M
  148. A
  149. M
  150. J
  151. J
  152. A
  153. S
  154. O
  155. N
  156. D
  157. 2009
  158. J
  159. F
  160. M
  161. A
  162. M
  163. J
  164. J
  165. A
  166. S
  167. O
  168. N
  169. D
  170. 2008
  171. J
  172. F
  173. M
  174. A
  175. M
  176. J
  177. J
  178. A
  179. S
  180. O
  181. N
  182. D
  183. 2007
  184. J
  185. F
  186. M
  187. A
  188. M
  189. J
  190. J
  191. A
  192. S
  193. O
  194. N
  195. D
  196. 2006
  197. J
  198. F
  199. M
  200. A
  201. M
  202. J
  203. J
  204. A
  205. S
  206. O
  207. N
  208. D
  209. 2005
  210. J
  211. F
  212. M
  213. A
  214. M
  215. J
  216. J
  217. A
  218. S
  219. O
  220. N
  221. D
  222. 2004
  223. J
  224. F
  225. M
  226. A
  227. M
  228. J
  229. J
  230. A
  231. S
  232. O
  233. N
  234. D