Saltar para: Post [1], Pesquisa e Arquivos [2]

A bem da Nação

CURIOSIDADES ALIMENTARES

 

A batata branca nos Açores (Faial)

 

MEF-batatal.jpg

Plantação de batatas

Fonte: Wikipédia (enciclopédia livre)

 

Um dos alimentos mais produzidos e consumidos no mundo (4º), a batata branca ou inglesa, como se chama no Brasil, de origem sul-América (região dos Andes), chegou à Europa levada pelos espanhóis no século XVI. No início não apreciada, espalhou-se por esse continente através da Espanha, Itália e Inglaterra. No século XVIII já era cultivada intensamente em Portugal.

 

Na Ilha do Faial, o seu cultivo começou de forma produtiva em 1780 por ordem do Capitão-general dos Açores D. Antão de Almada, que seguia as instruções do então Ministro do Reino, o futuro Marquez do Pombal, no intuito de estimular a agricultura nas terras cultiváveis das ilhas. Já nessa época recomendava que evitassem “...o grande e prejudicial erro de se reduzirem a pastagens de gado terras úteis e capazes de produzir frutos”. Dava, inclusive, entre muitas outras providências as regras de manejo das terras.

 

Pelo pouco interesse inicial das gentes, que não apreciavam o tubérculo, a batata só era cultivada em terrenos baldios. Mas a autoridade se impôs e as sementes distribuídas à população geraram uma grande produção, que era vendida a baixos preços, nos primeiros tempos. Para estimular a plantação o governo não cobrava a dizima. No ano 1866 a produção no Faial chegou a 551.044 Kg.

 

Mudara-se o interesse e o gosto pela batata, agora um dos produtos mais consumidos na ilha.

 

Viajantes como Jacques Cook (1775) e Gustavo Hebbe (1800) escreveram sobre o Faial o seguinte:

 

CooK:

...achamos os campos bem cultivados e de belo aspecto: o trigo que os insulares semeiam é de espécie barbu (com barba); vimos junto às casas terrenos de abóboras, pepinos e melões; os pomares produzem limões, laranjas, ameixas, damascos, figos, peras e maçãs; há poucas couves e as cenouras degeneram, tornando-se brancas, vendo-se os habitantes na necessidade de importar todos os anos sementes novas. Plantam por ordem do Governador grande quantidade de batatas que vendem a baixo preço, pela razão de não gostarem delas. As cebolas e alho, legumes que os portugueses usam muito, abundam nesta ilha, assim como os morangos e o solanum lycopersicon a que dão o nome de tomate.

 

Gustavo Hebbe:

A terra é bem cultivada, produz milho e cevada, às vezes debaixo de soberbos castanheiros. Produz bom trigo, frutas, abóboras e batatas de excelente qualidade, em quantidade superior ao consumo local. Os pomares produzem com abundância várias espécies de laranjas e limões...os morangueiros abundam”

 

Isso foi o que viram esses viajantes no Faial dos séculos XVIII e XIX. Na actualidade os pastos tomaram conta das terras, raros são as hortas e pomares. Hoje, no século XXI, na era do conhecimento e da tecnologia, nada se planta, tudo se importa! Estamos evoluindo...na dependência!

 

Uberaba, 16/11/14

Maria Eduarda Fagundes.jpg

Maria Eduarda Fagundes

 

Dados compilados dos ANAIS DO MUNICIPIO DA HORTA (Marcelino Lima)

(História da Ilha do Faial) 1943 Oficinas Gráficas “Minerva”, Vila Nova de Famalicão

Mais sobre mim

foto do autor

Sigam-me

Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

Arquivo

  1. 2021
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2020
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2019
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2018
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D
  53. 2017
  54. J
  55. F
  56. M
  57. A
  58. M
  59. J
  60. J
  61. A
  62. S
  63. O
  64. N
  65. D
  66. 2016
  67. J
  68. F
  69. M
  70. A
  71. M
  72. J
  73. J
  74. A
  75. S
  76. O
  77. N
  78. D
  79. 2015
  80. J
  81. F
  82. M
  83. A
  84. M
  85. J
  86. J
  87. A
  88. S
  89. O
  90. N
  91. D
  92. 2014
  93. J
  94. F
  95. M
  96. A
  97. M
  98. J
  99. J
  100. A
  101. S
  102. O
  103. N
  104. D
  105. 2013
  106. J
  107. F
  108. M
  109. A
  110. M
  111. J
  112. J
  113. A
  114. S
  115. O
  116. N
  117. D
  118. 2012
  119. J
  120. F
  121. M
  122. A
  123. M
  124. J
  125. J
  126. A
  127. S
  128. O
  129. N
  130. D
  131. 2011
  132. J
  133. F
  134. M
  135. A
  136. M
  137. J
  138. J
  139. A
  140. S
  141. O
  142. N
  143. D
  144. 2010
  145. J
  146. F
  147. M
  148. A
  149. M
  150. J
  151. J
  152. A
  153. S
  154. O
  155. N
  156. D
  157. 2009
  158. J
  159. F
  160. M
  161. A
  162. M
  163. J
  164. J
  165. A
  166. S
  167. O
  168. N
  169. D
  170. 2008
  171. J
  172. F
  173. M
  174. A
  175. M
  176. J
  177. J
  178. A
  179. S
  180. O
  181. N
  182. D
  183. 2007
  184. J
  185. F
  186. M
  187. A
  188. M
  189. J
  190. J
  191. A
  192. S
  193. O
  194. N
  195. D
  196. 2006
  197. J
  198. F
  199. M
  200. A
  201. M
  202. J
  203. J
  204. A
  205. S
  206. O
  207. N
  208. D
  209. 2005
  210. J
  211. F
  212. M
  213. A
  214. M
  215. J
  216. J
  217. A
  218. S
  219. O
  220. N
  221. D
  222. 2004
  223. J
  224. F
  225. M
  226. A
  227. M
  228. J
  229. J
  230. A
  231. S
  232. O
  233. N
  234. D