Saltar para: Post [1], Comentários [2], Pesquisa e Arquivos [3]

A bem da Nação

CRIAR TRABALHO É PRIORITÁRIO

 

Laboratório de Química.jpg

  

Entre nós foi muito bom trazer o investimento da Auto-Europa, há já muitos anos. Haveria que atrair, com imaginação, outros de boa dimensão. Não seria de pensar numa operação de uma grande empresa de software[1], por exemplo indiana, que como norma emprega muitos, pondo-se aqui no epicentro dos mercados ricos? Ou uma multinacional farmacêutica para fazer investigação, aproveitando a qualidade dos nossos especialistas, muitos dos quais trabalham em outros países europeus? Tem de ser um esforço inteligente, paciente e perseverante...

 

Lia há poucos dias uns números muito expressivos. Desde o começo da programa Make in India, seguido do Skill India, com continuação no Start-up India, aquele demorou um tanto a arrancar e ganhar raízes. Por fim, fê-lo e há esperanças de continuar com rapidez e eficácia.

 

Nos tempos do ‘socialismo indiano’, o empreendedor era visto quase como um escroque; os tempos mudaram, felizmente, e hoje louva-se quem empreende e cria riqueza, pois também cria trabalho. Mas a verdade é que a estrutura da legislação e regulamentação, acompanhada da burocracia do tipo soviético, precisavam de ser desmanteladas, para se arejar o ambiente, e torná-lo realmente amigo do empreendedor, para ele começar a desenvolver ideias de fazer e pô-las em prática com rapidez, sem paralisações dos burocratas.

 

Que números expressivos são aqueles? Referidos unicamente à montagem de smatphones na Índia, que eram zero, alcançaram os valores seguintes: em menos de 3 anos há fábricas em 10 estados da Índia, 25 fabricantes com 35 linhas de montagem. Criaram-se no conjunto 37.500 empregos directos (e mais 120.000 indirectos), montando-se actualmente 20 milhões de aparelhos por mês, com uma receita prevista das vendas de $14.400 milhões em 2016/17. Espera-se montar 500 milhões em 2019/20.       

 

Algo parecido está a dar-se no sector têxtil, no do automóvel, no farmacêutico, no da saúde, da construção civil, da energia solar e eólica, etc.

                                                                                                     

A batalha de produção é acompanhada pela da capacitação (skilling). No ano passado foram 10,4 milhões as pessoas treinadas, por cerca de 2 a 3 meses cada uma, para desenvolverem uma tarefa prática, na construção civil, na mecânica, nas montagens electrónicas e outros trabalhos técnicos ou de informática. E quer-se ampliar o processo de treino para aumentar o número dos que cada ano têm acesso a ele.

 

As startups estão a tomar balanço. A India é o 3º país em startups tecnológicas, a seguir aos EUA (com 47.000) e Reino Unido (4.500) está a Índia com 4.200. Considerando o conjunto das start-ups, tecnológicas e não, a Índia ocupa o 5º lugar com cerca de 10.000 (ano 2015/16). São números animadores para um país destruído pelo colonialismo e com 43 anos pós-independência de estagnação económica até 1991. Esta tendência parece acelerar-se, dado o grande ímpeto empreendedor indiano e a vontade de alcançar níveis de rendimento mais altos e comparáveis aos dos países desenvolvidos.

 

Com disse, a montagem dos smartphones criou 37.000 postos directos, que é algo importante para qualquer país; mas é-o também para as empresas que fabricavam noutros países: agora, têm custos mais baixos, pelos salários inferiores pagos e terão outros benefícios fiscais e uma atenção muito focada das entidades governamentais para não se emperrarem em armadilhas burocráticas.

 

Há novas políticas e correcção da legislação para atrair fabricantes, criando-lhes condições ajustadas. Poder-se-ia pensar se tais condições, nomeadamente de tipo fiscal, não seriam uma distorção do funcionamento do mercado. A fiscalidade está ao alcance de todos os países e não é a única condição de atracção; os salários mais baixos não são simples de se conseguir e a Índia é o maior mercado para aqueles produtos, que têm uma taxa de 10,5% sobre os importados, e isso é vantagem de peso para os fabricar localmente.

 

Eugénio Viassa Monteiro

Eugénio Viassa Monteiro

Professor da AESE-Business School e

Dirigente da AAPI-Associação de Amizade Portugal-Índia

 

Também publicado no Diário de Notícias, 04-IX-2016

 

[1] As maiores empresas de IT indianas empregam: a TCS, 360.000, a INFOSYS, 199.000 e a WIPRO, 175.000

1 comentário

Comentar post

Mais sobre mim

foto do autor

Sigam-me

Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

Arquivo

  1. 2021
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2020
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2019
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2018
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D
  53. 2017
  54. J
  55. F
  56. M
  57. A
  58. M
  59. J
  60. J
  61. A
  62. S
  63. O
  64. N
  65. D
  66. 2016
  67. J
  68. F
  69. M
  70. A
  71. M
  72. J
  73. J
  74. A
  75. S
  76. O
  77. N
  78. D
  79. 2015
  80. J
  81. F
  82. M
  83. A
  84. M
  85. J
  86. J
  87. A
  88. S
  89. O
  90. N
  91. D
  92. 2014
  93. J
  94. F
  95. M
  96. A
  97. M
  98. J
  99. J
  100. A
  101. S
  102. O
  103. N
  104. D
  105. 2013
  106. J
  107. F
  108. M
  109. A
  110. M
  111. J
  112. J
  113. A
  114. S
  115. O
  116. N
  117. D
  118. 2012
  119. J
  120. F
  121. M
  122. A
  123. M
  124. J
  125. J
  126. A
  127. S
  128. O
  129. N
  130. D
  131. 2011
  132. J
  133. F
  134. M
  135. A
  136. M
  137. J
  138. J
  139. A
  140. S
  141. O
  142. N
  143. D
  144. 2010
  145. J
  146. F
  147. M
  148. A
  149. M
  150. J
  151. J
  152. A
  153. S
  154. O
  155. N
  156. D
  157. 2009
  158. J
  159. F
  160. M
  161. A
  162. M
  163. J
  164. J
  165. A
  166. S
  167. O
  168. N
  169. D
  170. 2008
  171. J
  172. F
  173. M
  174. A
  175. M
  176. J
  177. J
  178. A
  179. S
  180. O
  181. N
  182. D
  183. 2007
  184. J
  185. F
  186. M
  187. A
  188. M
  189. J
  190. J
  191. A
  192. S
  193. O
  194. N
  195. D
  196. 2006
  197. J
  198. F
  199. M
  200. A
  201. M
  202. J
  203. J
  204. A
  205. S
  206. O
  207. N
  208. D
  209. 2005
  210. J
  211. F
  212. M
  213. A
  214. M
  215. J
  216. J
  217. A
  218. S
  219. O
  220. N
  221. D
  222. 2004
  223. J
  224. F
  225. M
  226. A
  227. M
  228. J
  229. J
  230. A
  231. S
  232. O
  233. N
  234. D