Saltar para: Post [1], Comentar [2], Pesquisa e Arquivos [3]

A bem da Nação

CRAVOS MURCHOS – 3

 

 

 

Como ia dizendo, «uma das mentiras que a propaganda propala é a relativa à guerra do Ultramar pois a verdade histórica é a de que Portugal ganhou as guerras em Angola e em Moçambique e perdeu a da Guiné. E não será por muito repetirem a mentira de que “Portugal perdeu a guerra do Ultramar” que isso passa a ser verdade. É mentira!»

 

* *

 

 

Assentei praça em Abril de 1970 na Escola Prática de Infantaria, em Mafra e para não me sentir isolado, deram-me 799 companheiros, desses a que na tropa se chama camaradas. Dentre eles, houve cerca de 150 que cumpriram o sentido etimológico do termo, «o que usa a mesma camarata». Não tive, pois, razões para me sentir anacoreta.

 

Cada Pelotão era comandado por um Aspirante tirocinante da Academia Militar. O meu Comandante de então é hoje um respeitado e medalhado Coronel de Infantaria reformado.

 

Nessa trintena de homens, muitos éramos licenciados com destaque para dois ou três médicos (é sempre bom ter dessa gente à mão de semear), dois ou três engenheiros, três ou quatro economistas, um ou dois juristas, sete ou oito contabilistas e cerca de uma dezena que não tinha concluído as respectivas formaturas. E é destes últimos que colhe referir serem eles quase todos retornados da emigração europeia com um «semblante» algo silencioso que de princípio não deu para percebermos completamente. Até que o rolar do tempo e caídas as máscaras trazidas da rua paisana, a solidariedade militar (estarmos quase sempre em contacto uns com os outros e passarmos pelas mesmas peripécias) nos fez abrir a compreensão para o que cada um era na realidade. E salvo uma ou outra excepção, todos eles orbitavam muito próximo do PCP, então clandestino. E se não eram comunistas filiados, dava para nós, os outros, lhes estranharmos os silêncios às nossas conversas sobre a necessidade de mudanças políticas, de aceleração do desenvolvimento, de abertura do Regime no sentido da democracia ocidental. Tinham medo de falar e o máximo que deixavam entrever não passava de meias palavras, hesitações, absolutamente nada que os pudesse incriminar. E o que se passava no nosso Pelotão passava-se muito provavelmente nos outros que constituíam a nossa Companhia e quiçá nos outros Pelotões das outras Companhias. Admitida a extrapolação, eis um Batalhão com uma grande parcela de retornados do exílio que por artes de berliques e berloques decidiram regressar a Portugal todos ao mesmo tempo para se integrarem no Exército e irem dar luta para onde os mandassem. Patriotismo comovente...

 

Nós, os outros, não vimos nada disso com a clareza que hoje, passados mais de 40 anos, o cenário apresenta mas dá para estranhar que a 2ª Repartição do Quartel General (a das Informações) não tenha logo na altura detectado esse tão volumoso e síncrono «voluntarismo». Estranha ineficácia para não dizer opacidade.

 

Ouvi há poucos dias num dos canais da rádio pública um reformado que recebe a pensão de General dando uma entrevista em que relatou o que se passou com ele na Guiné: tendo morrido perto de si um inimigo, ele ficou chocado e, uma vez regressado ao quartel, reuniu com os seus Quadros para debaterem a razão de ser da luta que vinham travando; a conclusão a que chegaram foi a de que eles, militares portugueses, eram os agressores de nacionalistas que estavam a dar a vida por valores superiores; decidiram a partir de então deixar de os combater.

 

Para esse grupo de gente fardada, os valores portugueses, afinal, não eram superiores.

 

Felizmente, em Angola e Moçambique havia mesmo militares e não apenas gente fardada.

 

Lisboa, Maio de 2014

 

 Henrique Salles da Fonseca

Comentar:

Mais

Se preenchido, o e-mail é usado apenas para notificação de respostas.

Este blog tem comentários moderados.

Este blog optou por gravar os IPs de quem comenta os seus posts.

Mais sobre mim

foto do autor

Sigam-me

Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

Arquivo

  1. 2020
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2019
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2018
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2017
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D
  53. 2016
  54. J
  55. F
  56. M
  57. A
  58. M
  59. J
  60. J
  61. A
  62. S
  63. O
  64. N
  65. D
  66. 2015
  67. J
  68. F
  69. M
  70. A
  71. M
  72. J
  73. J
  74. A
  75. S
  76. O
  77. N
  78. D
  79. 2014
  80. J
  81. F
  82. M
  83. A
  84. M
  85. J
  86. J
  87. A
  88. S
  89. O
  90. N
  91. D
  92. 2013
  93. J
  94. F
  95. M
  96. A
  97. M
  98. J
  99. J
  100. A
  101. S
  102. O
  103. N
  104. D
  105. 2012
  106. J
  107. F
  108. M
  109. A
  110. M
  111. J
  112. J
  113. A
  114. S
  115. O
  116. N
  117. D
  118. 2011
  119. J
  120. F
  121. M
  122. A
  123. M
  124. J
  125. J
  126. A
  127. S
  128. O
  129. N
  130. D
  131. 2010
  132. J
  133. F
  134. M
  135. A
  136. M
  137. J
  138. J
  139. A
  140. S
  141. O
  142. N
  143. D
  144. 2009
  145. J
  146. F
  147. M
  148. A
  149. M
  150. J
  151. J
  152. A
  153. S
  154. O
  155. N
  156. D
  157. 2008
  158. J
  159. F
  160. M
  161. A
  162. M
  163. J
  164. J
  165. A
  166. S
  167. O
  168. N
  169. D
  170. 2007
  171. J
  172. F
  173. M
  174. A
  175. M
  176. J
  177. J
  178. A
  179. S
  180. O
  181. N
  182. D
  183. 2006
  184. J
  185. F
  186. M
  187. A
  188. M
  189. J
  190. J
  191. A
  192. S
  193. O
  194. N
  195. D
  196. 2005
  197. J
  198. F
  199. M
  200. A
  201. M
  202. J
  203. J
  204. A
  205. S
  206. O
  207. N
  208. D
  209. 2004
  210. J
  211. F
  212. M
  213. A
  214. M
  215. J
  216. J
  217. A
  218. S
  219. O
  220. N
  221. D