Saltar para: Post [1], Comentários [2], Pesquisa e Arquivos [3]

A bem da Nação

CRAVOS MURCHOS – 3

 

 

 

Como ia dizendo, «uma das mentiras que a propaganda propala é a relativa à guerra do Ultramar pois a verdade histórica é a de que Portugal ganhou as guerras em Angola e em Moçambique e perdeu a da Guiné. E não será por muito repetirem a mentira de que “Portugal perdeu a guerra do Ultramar” que isso passa a ser verdade. É mentira!»

 

* *

 

 

Assentei praça em Abril de 1970 na Escola Prática de Infantaria, em Mafra e para não me sentir isolado, deram-me 799 companheiros, desses a que na tropa se chama camaradas. Dentre eles, houve cerca de 150 que cumpriram o sentido etimológico do termo, «o que usa a mesma camarata». Não tive, pois, razões para me sentir anacoreta.

 

Cada Pelotão era comandado por um Aspirante tirocinante da Academia Militar. O meu Comandante de então é hoje um respeitado e medalhado Coronel de Infantaria reformado.

 

Nessa trintena de homens, muitos éramos licenciados com destaque para dois ou três médicos (é sempre bom ter dessa gente à mão de semear), dois ou três engenheiros, três ou quatro economistas, um ou dois juristas, sete ou oito contabilistas e cerca de uma dezena que não tinha concluído as respectivas formaturas. E é destes últimos que colhe referir serem eles quase todos retornados da emigração europeia com um «semblante» algo silencioso que de princípio não deu para percebermos completamente. Até que o rolar do tempo e caídas as máscaras trazidas da rua paisana, a solidariedade militar (estarmos quase sempre em contacto uns com os outros e passarmos pelas mesmas peripécias) nos fez abrir a compreensão para o que cada um era na realidade. E salvo uma ou outra excepção, todos eles orbitavam muito próximo do PCP, então clandestino. E se não eram comunistas filiados, dava para nós, os outros, lhes estranharmos os silêncios às nossas conversas sobre a necessidade de mudanças políticas, de aceleração do desenvolvimento, de abertura do Regime no sentido da democracia ocidental. Tinham medo de falar e o máximo que deixavam entrever não passava de meias palavras, hesitações, absolutamente nada que os pudesse incriminar. E o que se passava no nosso Pelotão passava-se muito provavelmente nos outros que constituíam a nossa Companhia e quiçá nos outros Pelotões das outras Companhias. Admitida a extrapolação, eis um Batalhão com uma grande parcela de retornados do exílio que por artes de berliques e berloques decidiram regressar a Portugal todos ao mesmo tempo para se integrarem no Exército e irem dar luta para onde os mandassem. Patriotismo comovente...

 

Nós, os outros, não vimos nada disso com a clareza que hoje, passados mais de 40 anos, o cenário apresenta mas dá para estranhar que a 2ª Repartição do Quartel General (a das Informações) não tenha logo na altura detectado esse tão volumoso e síncrono «voluntarismo». Estranha ineficácia para não dizer opacidade.

 

Ouvi há poucos dias num dos canais da rádio pública um reformado que recebe a pensão de General dando uma entrevista em que relatou o que se passou com ele na Guiné: tendo morrido perto de si um inimigo, ele ficou chocado e, uma vez regressado ao quartel, reuniu com os seus Quadros para debaterem a razão de ser da luta que vinham travando; a conclusão a que chegaram foi a de que eles, militares portugueses, eram os agressores de nacionalistas que estavam a dar a vida por valores superiores; decidiram a partir de então deixar de os combater.

 

Para esse grupo de gente fardada, os valores portugueses, afinal, não eram superiores.

 

Felizmente, em Angola e Moçambique havia mesmo militares e não apenas gente fardada.

 

Lisboa, Maio de 2014

 

 Henrique Salles da Fonseca

12 comentários

Comentar post

Mais sobre mim

foto do autor

Sigam-me

Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

Arquivo

  1. 2020
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2019
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2018
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2017
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D
  53. 2016
  54. J
  55. F
  56. M
  57. A
  58. M
  59. J
  60. J
  61. A
  62. S
  63. O
  64. N
  65. D
  66. 2015
  67. J
  68. F
  69. M
  70. A
  71. M
  72. J
  73. J
  74. A
  75. S
  76. O
  77. N
  78. D
  79. 2014
  80. J
  81. F
  82. M
  83. A
  84. M
  85. J
  86. J
  87. A
  88. S
  89. O
  90. N
  91. D
  92. 2013
  93. J
  94. F
  95. M
  96. A
  97. M
  98. J
  99. J
  100. A
  101. S
  102. O
  103. N
  104. D
  105. 2012
  106. J
  107. F
  108. M
  109. A
  110. M
  111. J
  112. J
  113. A
  114. S
  115. O
  116. N
  117. D
  118. 2011
  119. J
  120. F
  121. M
  122. A
  123. M
  124. J
  125. J
  126. A
  127. S
  128. O
  129. N
  130. D
  131. 2010
  132. J
  133. F
  134. M
  135. A
  136. M
  137. J
  138. J
  139. A
  140. S
  141. O
  142. N
  143. D
  144. 2009
  145. J
  146. F
  147. M
  148. A
  149. M
  150. J
  151. J
  152. A
  153. S
  154. O
  155. N
  156. D
  157. 2008
  158. J
  159. F
  160. M
  161. A
  162. M
  163. J
  164. J
  165. A
  166. S
  167. O
  168. N
  169. D
  170. 2007
  171. J
  172. F
  173. M
  174. A
  175. M
  176. J
  177. J
  178. A
  179. S
  180. O
  181. N
  182. D
  183. 2006
  184. J
  185. F
  186. M
  187. A
  188. M
  189. J
  190. J
  191. A
  192. S
  193. O
  194. N
  195. D
  196. 2005
  197. J
  198. F
  199. M
  200. A
  201. M
  202. J
  203. J
  204. A
  205. S
  206. O
  207. N
  208. D
  209. 2004
  210. J
  211. F
  212. M
  213. A
  214. M
  215. J
  216. J
  217. A
  218. S
  219. O
  220. N
  221. D