Saltar para: Post [1], Pesquisa e Arquivos [2]

A bem da Nação

CORROBORANDO

 

 

Em “A pobreza do discurso” João César das Neves põe o dedo na chaga do nosso statu de encardimento social cristalizado num genérico de pobreza, caridade e reclamação, numa envolvência de disparidade social cada vez mais ténue, mas com bolsas de despreocupação mundividente, a cargo dos que seguem a eito no bem-estar sem preconceito.

 

Pobreza: eis um estado social que prevaleceu ao longo da nossa história nacional, estabelecida nos parâmetros dos que governaram a nação, chamando a si e às classes da sua envolvência mais próxima, a riqueza e a dissipação, deixando à classe proletária trabalhadora o encargo da manutenção do status nobiliárquico, por meio da imposição de impostos onerosos e rebaixantes.

 

Mas enquanto os outros povos ocidentais se foram libertando do afundamento ou marginalização, porque do povo surgiu uma burguesia que trabalhou e se diferençou culturalmente, e alargou a sua influência esclarecida, no nosso país a grande massa popular permaneceu atolada e envilecida na inércia do atraso cultural, de hábil conveniência superior, ciente de que as luzes do esclarecimento cultural a breve trecho conduziriam a reclamação de direitos despropositados, já que o mundo afinal sempre se regeu segundo os parâmetros da superioridade e da inferioridade, esta última confundida, naturalmente, com escravatura e/ou servilismo.

 

Vem de longa data o apontar desses males entre nós, quer em temática de desconcerto, quer na acusação feita pelo próprio povo explorado, na pena desafiadora de Gil Vicente, caso do seu Lavrador com a sua extraordinária autodefesa da acusação feita pelo Diabo e o Anjo, que não é demais repetir:

 

Bofá, Senhor, mal pecado,

Sempre é morto quem do arado

Há-de viver.

Nós somos vida das gentes

E morte das nossas vidas;

A tiranos – pacientes

Que a unhas e a dentes

Nos têm as almas roídas.

Para que é parouvelar?

Que queira ser pecador

O Lavrador;

Não tem tempo nem lugar

Nem somente d’alimpar

As gotas do seu suor.

Na igreja bradam com ele,

Porque assobiou a um cão;

E logo excomunhão na pele.

O fidalgo maçar nele

Até o mais triste rascão.

Se não levam torta a mão,

Não lhe acham nenhum direito.  

Muito atribulados são!

Cada um pela o vilão

Por seu jeito.

 

Os poetas e outros escritores mais recentes fizeram também da miséria motivos do seu discurso piedoso, revoltado e impotente o de Cesário, referente, entre outros exemplos, ao cantarolar da engomadeira tísica, de paradoxo ambíguo e superior o de Pessoa, referente ao canto da “pobre ceifeira”, de intuito politicamente interventivo o dos escritores neo realistas.

 

Mas, afirma César das Neves, “Hoje fala-se muito mais de pobreza do que antes, o que é normal, dada a crise”, esclarecendo bem a questão, na sua análise dos vários atributos que definem o povo português, generoso por natureza, sabendo, por experiência própria dar valor à escassez de recursos, e praticando facilmente a solidariedade ou a caridade que lhe eleva a estima própria.

 

As filosofias políticas têm igualmente contribuído para o alargar das referências à pobreza, como temática por excelência para afundar de vez com o governo – seja ele qual for, mas sobretudo este – como bem explica o texto de César das Neves.

 

De qualquer forma, o tabu estabelecido a esse respeito dantes, provinha de que as desigualdades sociais eram dado adquirido que não perturbava as consciências – aliás educadas nos princípios bíblicos dos pobrezinhos merecedores do Reino dos Céus, segundo dado consensual dos cinismos aristocráticos, além de que as temáticas dos escritores tinham mais a ver com as clássicas do amor, da beleza, da natureza, da juventude, da morte, das espiritualidades… E isso pertencia às mentes esclarecidas, dum modo geral conotadas com a nobreza, a democratização trazida mais tarde, pelos espíritos aburguesados que lutaram pelas igualdades sociais.

 

E são essas de que mais se fala entre nós, não só por causa da crise, mas porque andamos sempre atrasados nos estudos. A Revolução Francesa foi há mais de dois séculos, os outros povos estabilizaram há muito as suas mudanças sociais e temáticas. Nós continuamos à deriva, nas temáticas do nosso descontentamento repetidas à exaustão, na pobreza do nosso discurso.

 

 Berta Brás

Mais sobre mim

foto do autor

Sigam-me

Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

Arquivo

  1. 2021
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2020
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2019
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2018
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D
  53. 2017
  54. J
  55. F
  56. M
  57. A
  58. M
  59. J
  60. J
  61. A
  62. S
  63. O
  64. N
  65. D
  66. 2016
  67. J
  68. F
  69. M
  70. A
  71. M
  72. J
  73. J
  74. A
  75. S
  76. O
  77. N
  78. D
  79. 2015
  80. J
  81. F
  82. M
  83. A
  84. M
  85. J
  86. J
  87. A
  88. S
  89. O
  90. N
  91. D
  92. 2014
  93. J
  94. F
  95. M
  96. A
  97. M
  98. J
  99. J
  100. A
  101. S
  102. O
  103. N
  104. D
  105. 2013
  106. J
  107. F
  108. M
  109. A
  110. M
  111. J
  112. J
  113. A
  114. S
  115. O
  116. N
  117. D
  118. 2012
  119. J
  120. F
  121. M
  122. A
  123. M
  124. J
  125. J
  126. A
  127. S
  128. O
  129. N
  130. D
  131. 2011
  132. J
  133. F
  134. M
  135. A
  136. M
  137. J
  138. J
  139. A
  140. S
  141. O
  142. N
  143. D
  144. 2010
  145. J
  146. F
  147. M
  148. A
  149. M
  150. J
  151. J
  152. A
  153. S
  154. O
  155. N
  156. D
  157. 2009
  158. J
  159. F
  160. M
  161. A
  162. M
  163. J
  164. J
  165. A
  166. S
  167. O
  168. N
  169. D
  170. 2008
  171. J
  172. F
  173. M
  174. A
  175. M
  176. J
  177. J
  178. A
  179. S
  180. O
  181. N
  182. D
  183. 2007
  184. J
  185. F
  186. M
  187. A
  188. M
  189. J
  190. J
  191. A
  192. S
  193. O
  194. N
  195. D
  196. 2006
  197. J
  198. F
  199. M
  200. A
  201. M
  202. J
  203. J
  204. A
  205. S
  206. O
  207. N
  208. D
  209. 2005
  210. J
  211. F
  212. M
  213. A
  214. M
  215. J
  216. J
  217. A
  218. S
  219. O
  220. N
  221. D
  222. 2004
  223. J
  224. F
  225. M
  226. A
  227. M
  228. J
  229. J
  230. A
  231. S
  232. O
  233. N
  234. D