Saltar para: Post [1], Comentários [2], Pesquisa e Arquivos [3]

A bem da Nação

CONVERSAS DE ALDEIA – 4

A melhor maneira de chagar à aldeia era pelo mar mas a praia era a via mais usada. A vereda pela falésia era muito íngreme e as mulas tinham que a descer com as cargas à frente para poderem puxar para trás e não vir tudo de roldão por ali a baixo. Mas o Faustino da taberna não queria nada com as mulas e contratava os miúdos para descerem os barris que os fornecedores deixavam lá no cimo. Só que, se a descida dos barris cheios podia ser uma festa, subi-los vazios era um suplício e vá de pensar noutra solução. Foi assim que se começou a procurar modo de descer e subir a falésia em diagonal em vez de na quase vertical. Foi assim que nasceu a rampa, que a antiga vereda íngreme foi transformada em escada e em que a fonte de água doce ali logo à ilharga foi aprimorada com uma «bica» que, à falta de melhor, foi uma telha que de algures sobrara - a fonte da telha.

Dirá quem me lê que a água doce foi a razão determinante para o assentamento da aldeia no local em que se encontra ao que respondo que a água doce surge ao longo de toda a arriba fóssil proveniente dos lençóis freáticos que ela, arriba, corta pelo que, não fora a calmaria do mar e o assentamento poderia ter acontecido em qualquer outro ponto da praia.

E, apesar da rampa (de início estreita e agreste), a «rua» principal da aldeia foi naturalmente orientada em paralelo ao mar, direita à Caparica e não ao topo da falésia. Com toda a naturalidade, foi ao longo dessa «rua» que cada família pioneira foi construindo cada palhota. Ponto central, a «Taberna do Faustino» (established since 1942) à frente da qual acabou por se fazer um espaço que logo foi baptizado de «Largo dos Pescadores». Até hoje, tanto o largo quanto a taberna. A diferença é que hoje o largo está empedrado e tem uma construção central que há quem julgue ser um coreto (mas não, é a sede da Associação das Festas dos Santos) e a taberna perdeu a rusticidade primitiva sendo que actualmente anima as hostes locais e forasteiras com sessões de karaoke. E tem uns gelados magníficos. Creio que não vende vinho, sequer. Mas, verdade, verdadinha, nunca perguntei.

Outra diferença em relação aos tempos primitivos: a antiga estrada para a Caparica (ao longo da praia e no sopé da falésia) perde-se logo ali à frente numa picada florestal que, à boa maneira pública, parece ser intransitável. Dizem. Nunca lá fui.

Até que as palhotas de telhados feitos com a palha da praia entrelaçada em molhos muito apertados que garantiam protecção contra a chuva e paredes de caniço se começaram a pouco e pouco a transformar em casas. Começou a técnica do «pau a pique», lá foi aparecendo um tijolo ou outro, sempre à custa de muito trabalho e grande sentido de pioneirosmo. Telhado de telha (passe o pleonasmo) foi coisa relativamente recente, lá pelos anos 50 e tal…

Tudo feito por cada um, com total sentido de propriedade.

Está o Leitor a perceber por que é que os vermelhos do dogma não entram aqui?

Não entraram esses mas entraram aqueles de quem politicamente menos se esperava, os do camartelo que só a muito custo foram impedidos de levar tudo pela frente. Até ver, sobreviveram os pescadores mas já ninguém confia nos da política.

Ou será que é a democracia que não gosta de gente independente, de espírito pioneiro, de trabalho, não grevista e dona do seu próprio património desde há praticamente um século?

Julho de 2019

TABERNA DO FAUSTINO-2019-07-10.jpg

Henrique Salles da Fonseca

1 comentário

Comentar post

Mais sobre mim

foto do autor

Sigam-me

Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

Arquivo

  1. 2023
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2022
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2021
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2020
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D
  53. 2019
  54. J
  55. F
  56. M
  57. A
  58. M
  59. J
  60. J
  61. A
  62. S
  63. O
  64. N
  65. D
  66. 2018
  67. J
  68. F
  69. M
  70. A
  71. M
  72. J
  73. J
  74. A
  75. S
  76. O
  77. N
  78. D
  79. 2017
  80. J
  81. F
  82. M
  83. A
  84. M
  85. J
  86. J
  87. A
  88. S
  89. O
  90. N
  91. D
  92. 2016
  93. J
  94. F
  95. M
  96. A
  97. M
  98. J
  99. J
  100. A
  101. S
  102. O
  103. N
  104. D
  105. 2015
  106. J
  107. F
  108. M
  109. A
  110. M
  111. J
  112. J
  113. A
  114. S
  115. O
  116. N
  117. D
  118. 2014
  119. J
  120. F
  121. M
  122. A
  123. M
  124. J
  125. J
  126. A
  127. S
  128. O
  129. N
  130. D
  131. 2013
  132. J
  133. F
  134. M
  135. A
  136. M
  137. J
  138. J
  139. A
  140. S
  141. O
  142. N
  143. D
  144. 2012
  145. J
  146. F
  147. M
  148. A
  149. M
  150. J
  151. J
  152. A
  153. S
  154. O
  155. N
  156. D
  157. 2011
  158. J
  159. F
  160. M
  161. A
  162. M
  163. J
  164. J
  165. A
  166. S
  167. O
  168. N
  169. D
  170. 2010
  171. J
  172. F
  173. M
  174. A
  175. M
  176. J
  177. J
  178. A
  179. S
  180. O
  181. N
  182. D
  183. 2009
  184. J
  185. F
  186. M
  187. A
  188. M
  189. J
  190. J
  191. A
  192. S
  193. O
  194. N
  195. D
  196. 2008
  197. J
  198. F
  199. M
  200. A
  201. M
  202. J
  203. J
  204. A
  205. S
  206. O
  207. N
  208. D
  209. 2007
  210. J
  211. F
  212. M
  213. A
  214. M
  215. J
  216. J
  217. A
  218. S
  219. O
  220. N
  221. D
  222. 2006
  223. J
  224. F
  225. M
  226. A
  227. M
  228. J
  229. J
  230. A
  231. S
  232. O
  233. N
  234. D
  235. 2005
  236. J
  237. F
  238. M
  239. A
  240. M
  241. J
  242. J
  243. A
  244. S
  245. O
  246. N
  247. D
  248. 2004
  249. J
  250. F
  251. M
  252. A
  253. M
  254. J
  255. J
  256. A
  257. S
  258. O
  259. N
  260. D