Saltar para: Post [1], Comentários [2], Pesquisa e Arquivos [3]

A bem da Nação

CONVERSAS DE ALDEIA - 2

A outra grande novidade – mas desta vez para a aldeia - foi a minha ambliopia.

- A sua quê, Senhor?

E lá tive que explicar… mas decidi encurtar explicações e passar a dizer que estou quase cego. Então, é aqui que aparece a grande diferença entre as pessoas da cidade a quem informo de chofre da minha situação que julgam – não sei por que motivo – que eu esteja a fazer humor e se põem a rir e as pessoas daqui, da aldeia, que de imediato se apercebem do meu problema e assumem a gravidade apropriada. Não há dúvida, as pessoas daqui são muito directas e as da cidade muito complicadas – sofisticadas, dirão elas próprias.

Para além da afabilidade dos anos anteriores, esta gente simples desdobra-se agora em manifestações de solidariedade comigo e lá vêm todas as histórias da saúde de todos e de cada um… o Zé está com um mialoma múltiplo, a mulher do hortelão já foi operada duas vezes aos olhos, a Ana anda às voltas com o bócio, o irmão da minha senhoria… um festival de maleitas distribuídas adrede e sem grande parcimónia. Como é que estas doenças estavam todas tão escondidas e só vieram à tona quando lhes contei da minha ambliopia? Deve ser como com as granadas que explodem por simpatia. E isto, já para não falar da mulher do Márinho que está toda tolhida com a ciática.

E assim começou a ronda dos jantares em que não podemos falhar um único restaurante sem que alguém imagine uma zanga que não existiu.

Ontem estava prevista uma chuvada mas, afinal, esteve um magnífico dia de praia e acabámos a jantar na esplanada do Bininho - as sardinhas estavam óptimas e o pôr-do-Sol anunciava-se deslumbrante mas as Senhoras da mesa a trás de mim estavam eufóricas com a aguardente velha com que fecharam a sessão delas e captaram a atenção de todas as mesas à volta da delas. Avó, mãe e neta a falarem como se não houvesse mais ninguém por ali e dizia a avó que a prima ou tia delas, a Alda, tinha casado aos 12 anos.

- Aos 12 anos, avó?

- Sim, aos 12 anos. Mas o marido era bem mais velho e adorava-a pelo que só consumou o casamento quando ela tinha 14 anos. O Xi nasceu quando ela tinha 15 anos.

- Tanto tempo casados para só consumarem o casamento dois anos depois…

- Ele sabia que tinha ali uma criança, não propriamente uma mulher.

- E casar com essa idade, era legal nessa época?

-Parece que sim, nunca ouvi dizer que tivesse havido algum problema. E foram muito felizes até que morreram.

- Morreram de quê?

- De gordos. Ele pesava 160 quilos e ela chegou aos 140.

- Credo! A mãe conheceu-os com esses pesos?

- Só os conheci mesmo com esses pesos. Não me lembro deles antes de serem umas avantesmas. Somavam «só» 300 quilos e depois de partirem não sei quantas camas, mandaram fazer uma de alvenaria. E já que passavam para os tijolos e argamassa, mandaram também fazer as mesas de cabeceira de tijolo e cimento, não fosse alguma coisa desconjuntar-se. Diziam que tinham regressado à Idade da Pedra e fartavam-se de rir com a ideia. Viviam numa gruta, eram trogloditas. E riam, riam…

E a cada explicação da senhora, a risota da filha e da neta contagiava as mesas à volta e a magnificência do pôr-do-Sol… foi-se.

- Oh mãe! E como é que eles chegaram a esses pesos?

- Gula, filha, gula! Parece que tinham um vizinho lá ao lado da quinta deles que era comerciante de porcos e quando era da matança, o tio reservava logo duas dúzias de chouriço de sangue para comer ao pequeno almoço.

Bem, aqui, com esta tirada, a esplanada do Bininho veio a baixo com a gargalhada geral. Mas o Sol pusera-se e nem todos tínhamos bebido aguardente velha. Começámos a sentir frio e tivemos que pedir a conta para regressarmos a penates. Com pena por perdermos a continuação… Já vínhamos perto do assador, à saída da esplanada, ainda andava risota lá para trás. O que teria sido que a avó contara?

Julho de 2019

Henrique Salles da Fonseca

7 comentários

Comentar post

Mais sobre mim

foto do autor

Sigam-me

Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

Arquivo

  1. 2021
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2020
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2019
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2018
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D
  53. 2017
  54. J
  55. F
  56. M
  57. A
  58. M
  59. J
  60. J
  61. A
  62. S
  63. O
  64. N
  65. D
  66. 2016
  67. J
  68. F
  69. M
  70. A
  71. M
  72. J
  73. J
  74. A
  75. S
  76. O
  77. N
  78. D
  79. 2015
  80. J
  81. F
  82. M
  83. A
  84. M
  85. J
  86. J
  87. A
  88. S
  89. O
  90. N
  91. D
  92. 2014
  93. J
  94. F
  95. M
  96. A
  97. M
  98. J
  99. J
  100. A
  101. S
  102. O
  103. N
  104. D
  105. 2013
  106. J
  107. F
  108. M
  109. A
  110. M
  111. J
  112. J
  113. A
  114. S
  115. O
  116. N
  117. D
  118. 2012
  119. J
  120. F
  121. M
  122. A
  123. M
  124. J
  125. J
  126. A
  127. S
  128. O
  129. N
  130. D
  131. 2011
  132. J
  133. F
  134. M
  135. A
  136. M
  137. J
  138. J
  139. A
  140. S
  141. O
  142. N
  143. D
  144. 2010
  145. J
  146. F
  147. M
  148. A
  149. M
  150. J
  151. J
  152. A
  153. S
  154. O
  155. N
  156. D
  157. 2009
  158. J
  159. F
  160. M
  161. A
  162. M
  163. J
  164. J
  165. A
  166. S
  167. O
  168. N
  169. D
  170. 2008
  171. J
  172. F
  173. M
  174. A
  175. M
  176. J
  177. J
  178. A
  179. S
  180. O
  181. N
  182. D
  183. 2007
  184. J
  185. F
  186. M
  187. A
  188. M
  189. J
  190. J
  191. A
  192. S
  193. O
  194. N
  195. D
  196. 2006
  197. J
  198. F
  199. M
  200. A
  201. M
  202. J
  203. J
  204. A
  205. S
  206. O
  207. N
  208. D
  209. 2005
  210. J
  211. F
  212. M
  213. A
  214. M
  215. J
  216. J
  217. A
  218. S
  219. O
  220. N
  221. D
  222. 2004
  223. J
  224. F
  225. M
  226. A
  227. M
  228. J
  229. J
  230. A
  231. S
  232. O
  233. N
  234. D