Saltar para: Post [1], Pesquisa e Arquivos [2]

A bem da Nação

COLISEU

 

coliseu-palhaço.jpg

 

Entre os nomes dos recreantes do Coliseu dos Recreios, citados por Alberto Gonçalves, na sua Crónica de 22/3/15 – Agitação Social - que ali foram para se exprimirem e exibirem as suas competências, em função de uma causa comum – desfeitearem o Governo para uma possível substituição por eles próprios - encontro um nome – Carlos Mendes – que tenho visto num programa musical de António Victorino de AlmeidaPianíssimo - intercalando umas dicas que pretendem ser cultas, e não passam de mastigações snobes sobre arte, acompanhado de uma senhora de idade no papel de pateta ignorante, recebendo as interpelações trocistas do seu cicerone, ignorante farfalhudo que nada explica, muito à maneira portuguesa, pretendendo ser engraçada e sendo apenas de uma gesticulação e elocução reles e atrevida. Não compreendo como se pôde macular de sketches grotescos os programas de um maestro e compositor de valor, nas deambulações acompanhadas que faz às cidades dos grandes compositores austríacos ou outros, contando da sua arte, dos seus destinos, das suas biografias e não raro exemplificando os seus ensinamentos com breves concertos demonstrativos ou mesmo com os magníficos concertos dados por uma excelente pianista austríaca. Se tal esquema programático partiu do próprio maestro português, que todos vêem como folgazão, parece-me um erro grave, que ofende a arte e os espectadores que não compreendem a ordinarice da segunda deambulação - a de Carlos Mendes e da sua acompanhante “doméstica” – aviltante e burlesca, sem respeito nem graça, não sei se para o compositor se elevar aos olhos do público, pelo contraste, se para rebaixar o próprio público português, na mistura indiferente de bom gosto e de ausência dele. Não me admira, contudo, que seja mais uma graça deste homem de valor mas ressabiado, a quem, nos idos da revolução de Abril, ouvi explicar que o hino nacional devia ser substituído, o que me chocou muito na altura, apesar de o meu pai lhe seguir religiosamente os programas de então, também itinerantes e de bengala, e ainda sem Carlos Mendes.

 

Troça, sim, merecida, é a do texto de Alberto Gonçalves a respeito de mais uma das reuniões feitas pela esquerda, no Coliseu dos Recreios, em demonstração de que o país não dorme, atento aos desmandos, com o pensamento nos que sofrem e instigando-os no sentido de revoltas que definitivamente apeiem o Governo. E aponta as figuras salientes dos participantes, que lá foram discursar ou recitar poemas ou cantar tristes baladas ou outros cânticos condizentes com a seriedade dos protestos, nos trocadilhos do mais baixo nível como esse do “Não TAP os olhos”, na mediocridade de doestos há muito repetidos, instigando ao ódio, numa prova de falso amor.

 

Riamos com Alberto Gonçalves, não só no artigo sobre a consciência cívica dos portugueses, mas nos seguintes, sobre a participação nas claques ou sobre a vasta história do mundo da esquerda com a respectiva ambição da nossa:

 

Agitação social

Alberto Gonçalves.png

 22 Março 2015

 

Exagera-se muito quando se acusa os portugueses de falta de consciência cívica. Só esta semana houve três admiráveis exemplos da nossa apetência para colocar o dedo na ferida, pôr os pontos nos is e repetir clichés. O primeiro foi o Congresso da Cidadania, Ruptura e Utopia, organizado pela Associação 25 de Abril, para pensar o estado do país. Naturalmente, pensou-se que o país vai mal. Entre os participantes, brilharam nomes como Marinho e Pinto (é um único indivíduo), Sampaio da Nóvoa (autodesignado "presidenciável"), o Sr. César dos Açores, o penteado de Paulo Morais e aquele rapaz do partido Livre. Melhor é difícil. Mas não impossível: o tal Dr. Nóvoa confessou dever a Abril tudo o que é (?) e declarou chegado "o tempo da coragem e acção". Garcia Pereira, aplaudido com entusiasmo, mostrou-se contra a prisão de José Sócrates. E Vasco Lourenço, promotor da coisa, exigiu a "autoridade moral de quem nos dirige" e prometeu pela enésima ocasião nova insurgência, armada ou não. Em suma, ou o povo desata a votar nas sugestões deixadas pelo Congresso da Cidadania, Ruptura e Etc., ou o povo será endireitado à força. Se a democracia não aprendeu os democráticos valores de Abril, a democracia precisa assaz compreensivelmente de uma lição.

 

O segundo exemplo de indignação justa prende-se com o movimento Não Tap os Olhos, trocadilho que diz tudo e que só por si merecia um prémio de criatividade. O movimento juntou no Coliseu dos Recreios artistas que se opõem à privatização da companhia aérea. Uma fadista explicou que a TAP não pode ser privatizada porque é um "valor de bandeira". Um fadista esclareceu que a TAP não pode ser privatizada porque um cunhado dele trabalhou lá. Carlos Mendes, Jorge Palma e Sérgio Godinho desfilaram sucessos. Maria do Céu Guerra cometeu a leitura de um poema. António-Pedro Vasconcelos falou em "delapidação do património", ficando por apurar se se referia ao património da TAP ou ao dos contribuintes que a financiam indirectamente e ao dos passageiros que directamente pagam várias vezes o preço de um bilhete low cost. Certo é que cabe a cada português assegurar que os artistas citados não descem à ignomínia de viajar em empresas estrangeiras. Caso contrário, os artistas juntam-se aos restantes e hipotéticos 75 mil subscritores de uma petição à AR e, de modo a provar que não brincam com o dinheiro alheio, compram a TAP só para eles.

 

Porém, o maior exemplo de levantamento popular e espontâneo, até pela grandeza da causa, é o menos noticiado. Falo evidentemente do Movimento Cívico José Sócrates, Sempre, com vírgula e tudo. O MCJS,S foi fundado por um reformado da PSP, uma funcionária autárquica, uma antiga professora e o inevitável empresário da Covilhã, cujos filhos andaram, julgo que de livre vontade, ao colo do ex-primeiro-ministro. O grupo convenceu-se de que Sócrates é um "preso político", encarcerado por um "plano da direita" e mantido fechado por "forças ocultas". Nem de propósito, respondem com um hino de apoio que inclui versos tão belos quanto: "Liberdade não morre/Nem silêncio pesado/De um povo a entristecer/Por te saber tão magoado".

Afinal, sob as grilhetas da troika e a opressão reaccionária, Portugal agita-se. E só um desmancha-prazeres diria que, para isto, mais valia estar quieto.

 

Domingo, 15 de Março

Claques

Ao comentar os comentários de um comentador da bola, o treinador do Porto garantiu que, "se fosse português, estaria preocupado, porque esse senhor foi ministro". Não conheço as circunstâncias de Espanha e, evidentemente, o Sr. Lopetegui não conhece o nosso país, já que inúmeros sujeitos que andam pelas televisões e pela imprensa a passear o estatuto de adeptos fanáticos foram ou são ministros, secretários de Estado, deputados, juízes, advogados, médicos, etc. Todos acham normalíssimo acumular uma profissão de alegada responsabilidade com um discurso próprio dos Super Dragões, dos No Name Boys ou, em prol da equidade, da Juve Leo. E nenhum português se preocupa.

 

Sexta-feira, 20 de Março

O poder da fé

Se não contarmos com a Revolução Francesa, ou os joviais tempos do Terror, no princípio foi a URSS. Depois, todo o Leste Europeu. De seguida, Cuba, China e outros pedacinhos da Ásia. Nos anos 1960 e 1970, eram os movimentos de "libertação" africanos. Mais recentemente, a Venezuela e o Brasil. Agora, a Grécia. A extrema-esquerda passa a vida com esperanças de que desta vez é que o comunismo vai ser um sucesso. E é sempre um fracasso catastrófico, por regra coroado com genocídios e, nos casos moderados, com ópera bufa e abundante miséria. Mas se as recorrentes derrotas do comunismo no confronto com a realidade teriam o efeito de convencer pessoas normais de que a realidade talvez esteja certa, a extrema-esquerda não desanima à primeira. Nem à trigésima, de facto. Neste exacto momento, as atenções da rapaziada começam a voltar-se da comédia grega para Espanha, à espera do Podemos. Então não haviam de poder?

 

Berta Brás 2.jpg Berta Brás

Mais sobre mim

foto do autor

Sigam-me

Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

Arquivo

  1. 2019
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2018
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2017
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2016
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D
  53. 2015
  54. J
  55. F
  56. M
  57. A
  58. M
  59. J
  60. J
  61. A
  62. S
  63. O
  64. N
  65. D
  66. 2014
  67. J
  68. F
  69. M
  70. A
  71. M
  72. J
  73. J
  74. A
  75. S
  76. O
  77. N
  78. D
  79. 2013
  80. J
  81. F
  82. M
  83. A
  84. M
  85. J
  86. J
  87. A
  88. S
  89. O
  90. N
  91. D
  92. 2012
  93. J
  94. F
  95. M
  96. A
  97. M
  98. J
  99. J
  100. A
  101. S
  102. O
  103. N
  104. D
  105. 2011
  106. J
  107. F
  108. M
  109. A
  110. M
  111. J
  112. J
  113. A
  114. S
  115. O
  116. N
  117. D
  118. 2010
  119. J
  120. F
  121. M
  122. A
  123. M
  124. J
  125. J
  126. A
  127. S
  128. O
  129. N
  130. D
  131. 2009
  132. J
  133. F
  134. M
  135. A
  136. M
  137. J
  138. J
  139. A
  140. S
  141. O
  142. N
  143. D
  144. 2008
  145. J
  146. F
  147. M
  148. A
  149. M
  150. J
  151. J
  152. A
  153. S
  154. O
  155. N
  156. D
  157. 2007
  158. J
  159. F
  160. M
  161. A
  162. M
  163. J
  164. J
  165. A
  166. S
  167. O
  168. N
  169. D
  170. 2006
  171. J
  172. F
  173. M
  174. A
  175. M
  176. J
  177. J
  178. A
  179. S
  180. O
  181. N
  182. D
  183. 2005
  184. J
  185. F
  186. M
  187. A
  188. M
  189. J
  190. J
  191. A
  192. S
  193. O
  194. N
  195. D
  196. 2004
  197. J
  198. F
  199. M
  200. A
  201. M
  202. J
  203. J
  204. A
  205. S
  206. O
  207. N
  208. D