Saltar para: Post [1], Comentários [2], Pesquisa e Arquivos [3]

A bem da Nação

CLAUSURA – 7

Quando, há anos, ouvi o então Ministro do Trabalho (curiosamente, o mesmo que actualmente ocupa o dito cargo) dizer que tínhamos que voltar à produção de bens transaccionáveis, não acreditei que aquela declaração produzisse a mais pequena alteração nos procedimentos até ali em curso. Lastimo ter que dizer o mesmo das declarações que ontem ou anteontem o Primeiro Ministro proferiu de que «temos que voltar a produzir o que nos habituámos a mandar vir da China». Eu bem queria que assim fosse mas não vejo como os políticos conseguirão dar conteúdo às suas virtuosas declarações. Claro está que Vieira da Silva já então se quedou pelas pias declarações e agora vai acontecer o mesmo em relação ao que disse o Dr. Costa.

E porquê? Porque vivemos numa economia dita liberal em que é suposto o Governo não dar ordens do género «Agora Você vai deixar de mandar vir isso lá de fora e vai passar a fabricar cá»; como também não é suposto o Banco de Portugal dizer ao banco A, B ou C que não pode fazer esta ou aquela operação sobre o estrangeiro inviabilizando importações. Pois se nem sequer se pode definir plafonds de crédito à banca… Num Estado democrático com políticas de inspiração liberal, as Autoridades apenas podem emitir políticas genéricas, supervisionar e, no máximo, actuar a posteriori: quem de direito legisla que se circula pela direita, o Governo produz os regulamentos inerentes, a Polícia vigia e, nas prevaricações, pune-se o infractor. É assim em praticamente todas as circunstâncias da actual governação no primeiro mundo.

Mas quando uma política não existe, nada se legisla sobre ela. É o caso da transparência dos mercados e da garantia da racionalidade dos preços, temas sobre os quais raros serão os políticos portugueses que alguma vez ouviram falar. E se ouviram, não perceberam ou fingiram não ter sequer ouvido.

E o que resulta desta ausência de políticas e da surdez dos nossos políticos?

Pois bem, resulta que a maior parte dos produtos de consumo corrente têm preços definidos por dois ou três Chefes de Compras das empresas proprietárias de grandes superfícies (não sei se combinados ou não entre si) esmifrando ao máximo a produção interna e deixando-a «pendurada» se ela não acompanha os preços da Bolsa de Chicago ou das ordens de Xi Jin Ping no que respeita à quinquilharia e demais produtos chineses. E ai dos bancos que não lhes abram os créditos inerentes! Arrasam a agricultura, as indústrias alimentares e os bancos mas esse é o lado para que dormem melhor. O negócio deles é fazerem boas compras (leia-se, aos preços que entendem mais lhes convir) e não zelar pelos interesses de quem os serve como fornecedores de bens ou de divisas. Quanto ao interesse nacional, que se lixe!

Solução?

Uma, principalmente: criação em Portugal de uma Bolsa de Mercadorias para a carne e para os cereais (necessariamente com operações sobre futuros) e se o legislador não souber por onde começar e não souber estudar por livros estrangeiros, peça ajuda à Bolsa de São Paulo que ensina tudo em português.

Mas é claro que o lobby do comércio não vai querer nada disto e vai ser necessária muita perseverança para conseguir defender os interesses da produção nacional.

A alternativa é mais uma Grande Falência Nacional – ao que já vamos estando habituados, aliás.

Recado ao Dr. Costa: - Ministros e quejandos mandam menos na economia portuguesa do que os Chefes de Compras das grandes superfícies.

E assim vou passando a clausura…

(continua)

Abril de 2020

Henrique Salles da Fonseca

3 comentários

Comentar post

Mais sobre mim

foto do autor

Sigam-me

Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

Arquivo

  1. 2021
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2020
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2019
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2018
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D
  53. 2017
  54. J
  55. F
  56. M
  57. A
  58. M
  59. J
  60. J
  61. A
  62. S
  63. O
  64. N
  65. D
  66. 2016
  67. J
  68. F
  69. M
  70. A
  71. M
  72. J
  73. J
  74. A
  75. S
  76. O
  77. N
  78. D
  79. 2015
  80. J
  81. F
  82. M
  83. A
  84. M
  85. J
  86. J
  87. A
  88. S
  89. O
  90. N
  91. D
  92. 2014
  93. J
  94. F
  95. M
  96. A
  97. M
  98. J
  99. J
  100. A
  101. S
  102. O
  103. N
  104. D
  105. 2013
  106. J
  107. F
  108. M
  109. A
  110. M
  111. J
  112. J
  113. A
  114. S
  115. O
  116. N
  117. D
  118. 2012
  119. J
  120. F
  121. M
  122. A
  123. M
  124. J
  125. J
  126. A
  127. S
  128. O
  129. N
  130. D
  131. 2011
  132. J
  133. F
  134. M
  135. A
  136. M
  137. J
  138. J
  139. A
  140. S
  141. O
  142. N
  143. D
  144. 2010
  145. J
  146. F
  147. M
  148. A
  149. M
  150. J
  151. J
  152. A
  153. S
  154. O
  155. N
  156. D
  157. 2009
  158. J
  159. F
  160. M
  161. A
  162. M
  163. J
  164. J
  165. A
  166. S
  167. O
  168. N
  169. D
  170. 2008
  171. J
  172. F
  173. M
  174. A
  175. M
  176. J
  177. J
  178. A
  179. S
  180. O
  181. N
  182. D
  183. 2007
  184. J
  185. F
  186. M
  187. A
  188. M
  189. J
  190. J
  191. A
  192. S
  193. O
  194. N
  195. D
  196. 2006
  197. J
  198. F
  199. M
  200. A
  201. M
  202. J
  203. J
  204. A
  205. S
  206. O
  207. N
  208. D
  209. 2005
  210. J
  211. F
  212. M
  213. A
  214. M
  215. J
  216. J
  217. A
  218. S
  219. O
  220. N
  221. D
  222. 2004
  223. J
  224. F
  225. M
  226. A
  227. M
  228. J
  229. J
  230. A
  231. S
  232. O
  233. N
  234. D