Saltar para: Post [1], Comentar [2], Pesquisa e Arquivos [3]

A bem da Nação

CLAUSURA – 5

João Gaspar Simões (1903 – 1987)[i] tinha um cão, setter irlandês, chamado «Hallali»[ii] que, na minha tenra infância, me pareceu a materialização do que mais tarde viria a chamar o «conceito do belo». «Et pour cause», muito mais tarde ainda, ao ler «Uma Investigação Filosófica Acerca da Origem das Nossas Ideias do Sublime e do Belo»[iii], acabei por associar a minha memória daquele cão a Edmund Burke (1729 – 1797). Nada me admiraria que um dia, no futuro, venha a saber que o filósofo tinha daqueles cães.

Então, se, como dizem os linguistas, o sublime é o óptimo, excelente, elevado, eminente, excelso, excepcional, extraordinário, incomparável, inigualável, insigne, superior, supremo, transcendente e o belo é o  bonito, lindo, atraente, encantador, formoso, airoso, elegante, esbelto, garboso, galante, bem-apessoado, apolíneo, donairoso, harmonioso, gracioso, jeitoso, venusto, perfeito, bem-feito, bem-acabado, bem-proporcionado, catita, mais vale resumirmos tudo no que o filósofo disse: sublime é o inultrapassável e o belo é aquilo que nos agrada.

E os filósofos é que têm a fama de serem chatos.

Vai daqui, a clausura levou-me hoje a pensar que também Burke não era filósofo profissional mas sim político e orador, membro do Parlamento pelo Partido Whig e que até tinha fama de ser um tipo divertido e «bon vivant». E se muitos dos grandes filósofos tinham outras formações de base, também fui levado a lembrar-me de que os filósofos profissionais sabem tanto sobre o que outros pensaram que ficam sem tempo para pensarem por si próprios e nos trazerem algo de inovador.

Pelo mesmo tipo de razões, acho que a verdadeira cultura é feita por amadores, os que pagam as suas próprias criações; os profissionais têm tanto que estudar a obra alheia que ficam sem tempo para a actividade criativa – por exemplo, são intérpretes musicais. Contudo, na pintura, se não têm obra própria, são por certo copistas de vocação falsária.

Veja-se assim onde, em clausura, me leva um cão. Onde me levará um cavalo?

Pois é, há clausura para além do vírus.

(continua)

Abril de 2020

Henrique Salles da Fonseca

 

[i] - Novelista, dramaturgo, biógrafo, historiador da literatura portuguesa, ensaísta, memorialista, crítico literário, editor e tradutor português (Wikipédia)

[ii] - Toque da trompa de caça aquando da morte do veado

[iii] - Edições 70

Comentar:

Mais

Se preenchido, o e-mail é usado apenas para notificação de respostas.

Este blog tem comentários moderados.

Este blog optou por gravar os IPs de quem comenta os seus posts.

Mais sobre mim

foto do autor

Sigam-me

Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

Arquivo

  1. 2020
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2019
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2018
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2017
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D
  53. 2016
  54. J
  55. F
  56. M
  57. A
  58. M
  59. J
  60. J
  61. A
  62. S
  63. O
  64. N
  65. D
  66. 2015
  67. J
  68. F
  69. M
  70. A
  71. M
  72. J
  73. J
  74. A
  75. S
  76. O
  77. N
  78. D
  79. 2014
  80. J
  81. F
  82. M
  83. A
  84. M
  85. J
  86. J
  87. A
  88. S
  89. O
  90. N
  91. D
  92. 2013
  93. J
  94. F
  95. M
  96. A
  97. M
  98. J
  99. J
  100. A
  101. S
  102. O
  103. N
  104. D
  105. 2012
  106. J
  107. F
  108. M
  109. A
  110. M
  111. J
  112. J
  113. A
  114. S
  115. O
  116. N
  117. D
  118. 2011
  119. J
  120. F
  121. M
  122. A
  123. M
  124. J
  125. J
  126. A
  127. S
  128. O
  129. N
  130. D
  131. 2010
  132. J
  133. F
  134. M
  135. A
  136. M
  137. J
  138. J
  139. A
  140. S
  141. O
  142. N
  143. D
  144. 2009
  145. J
  146. F
  147. M
  148. A
  149. M
  150. J
  151. J
  152. A
  153. S
  154. O
  155. N
  156. D
  157. 2008
  158. J
  159. F
  160. M
  161. A
  162. M
  163. J
  164. J
  165. A
  166. S
  167. O
  168. N
  169. D
  170. 2007
  171. J
  172. F
  173. M
  174. A
  175. M
  176. J
  177. J
  178. A
  179. S
  180. O
  181. N
  182. D
  183. 2006
  184. J
  185. F
  186. M
  187. A
  188. M
  189. J
  190. J
  191. A
  192. S
  193. O
  194. N
  195. D
  196. 2005
  197. J
  198. F
  199. M
  200. A
  201. M
  202. J
  203. J
  204. A
  205. S
  206. O
  207. N
  208. D
  209. 2004
  210. J
  211. F
  212. M
  213. A
  214. M
  215. J
  216. J
  217. A
  218. S
  219. O
  220. N
  221. D