Saltar para: Post [1], Pesquisa e Arquivos [2]

A bem da Nação

CHEIRO A MAR – 2

 

Não esqueças, nunca,

Que é ficar para trás não ir avante.

Ramon de Campoamor- Poeta espanhol, 1817-1910

 

  1. Por África e não só

Como seria África? Igual ao que víamos nos filmes do Tarzan? O tempo iria desvendar-nos muito desse continente magnífico, que tanto nos marcou pela vida fora.

 

Por estas terras, muitas foram as andanças por cima das águas. Logo de entrada, quando em Angola só havia dois pedaços de estradas asfaltadas, 60 km entre Luanda e Catete, que parecia uma montanha russa, tantos os altos e baixos, e mais 30 entre Benguela e Lobito, tudo mais naquela extensa terra era mesmo de terra, e pontes... nem me lembro já se havia, ou quantas, de modo que o cruzar os rios era feito em toscas, mas fortes jangadas de madeira. Um cabo de aço preso nas duas margens, homens fortes, troncos nus, a ximbicarem, e na travessia do Quanza, na estrada para a Quibala, cantavam:

 

Vai, não vai / vira, não vira / mata-bicho... cem angolares”

 

para “comoverem” os motoristas a não esquecerem de lhes dar o musendu, ou o matabisu, uma gorjeta suplementar! Sempre recebiam.

 

E havia jangadas em muitas estradas. Na estrada para a reserva da Quissama, no Cubango, e muito mais.

 

FGA-MAR 2-JANGADA.jpg

 

A caminho da Quissama, já com jangada a motor.

Ali está o Fusca do meu grande amigo Armando Avillez

 

Em alguns ribeiros se as chuvas não tivessem sido muito fortes, passava-se com o carro por dentro da água. No tempo em que perguntar pelo estado da estrada a resposta era simples: se não tivesse chovido, “passa” se tivesse caído uma boa chuvarada, “não passa”! E quando não passava, à espera de baixarem as águas, às vezes mais de um dia, dormia-se dentro do carro! Tudo era aventura!

 

FGA-MAR 2-AUTO-ESTRADA.jpg

 

Pelas «auto-estrada»s de Angola

 

Por mares, muitas viagens de navios: de volta a Lisboa, saído do Lobito, primeiro no velho “Quanza”, que parou em Luanda, Pointe Noire, ex-Congo Belga, onde entrou um casal que se tornou um dos mais fortes amigos que tive: a Arlete e o Zé Neto! A seguir um dia na Madeira para descarregar 1.500 toneladas de milho que Angola mandava para aquela terra (hoje não manda nada!) e nos proporcionou visitar aquela maravilhosa ilha. Regresso a Angola, de avião e mais uma vez no “Niassa”, do Lobito para Lisboa. Sempre sozinho nestes percursos. Finalmente, desta vez levando junto a família, ainda só com dois filhos, de volta a Angola no “Pátria”. Muito mar cruzado!

 

Vivendo em Luanda e tendo que me deslocar com frequência, e com receio de enjoar nos aviões, os brilhantes DC3, algumas idas a São Tomé no “Moçambique” e no “Vera Cruz”, e alguns passeios especiais neste último, convidados pelo comandante, saudoso primo, fazendo, em dois dias Luanda-Lobito-Luanda. Tudo isto misturado com muito voo para a Europa e dentro de Angola, nos aviões de carreira e em teco-tecos alugados em serviço da Cuca.

 

No meio de estudos e estágios em fábricas, na Europa, um dia, depois de tantas vezes ter visto um risco vermelho num mapa da Europa que guardava havia muitos anos, entendi que aquele risco indicava uma ligação marítima entre Harwich na Inglaterra e Esbjerg na Dinamarca. Uma vez em Londres, 1961, fui informar-me. Havia! Comprei a passagem para o casal e mais o nosso belo carro na altura, um Simca Aronde. Saímos de Harwich ao meio-dia, um inabitual calor de verão nas terras de suas majestades, o Hide Park cheio de londoners estendidos ao sol, à noite já navegando no Mar do Norte um mau tempo incrível fez o barco balançar como louco. Parte da viagem incluía jantar, típico de dinamarquês – smorrebrod com arenque fumado, que achámos mais ou menos intragável – a minha mulher cheia de medo do temporal não comeu nem dormiu e eu quase cai várias vezes do beliche com os balanços, para chegarmos à Dinamarca no dia seguinte às sete da manhã e zero graus de temperatura! Foi barato. Ainda hoje esse trajecto para dois adultos e um carro médio custa £ 150,0.

 

Mas o mar lá estava sempre, sempre, a banhar Angola, convidando a que o gozássemos, tentador, lindo, e começa a doença da vela roendo-me as ideias desde a mais tenra idade, a vela, que me fez cair apaixonado pelo Argus, que acabei por comprar, além dum pequeno Moth Europa para um dos filhos se ir iniciando.

 

Com muita animação e vontade, organizou-se o 1° curso de Patrão de Costa (no Brasil, Mestre Amador) e mais tarde, sozinho, em Moçambique, com o auxílio de um jovem oficial da Marinha, a difícil Carta de Patrão de Alto Mar (Capitão Amador no Brasil), no tempo em que não havia GPS, e tudo era feito na base do sextante, cálculos matemáticos, consulta de “cartas de altura”, perto da costa a orientação pela rádio, uma boa canseira de que o próprio jovem oficial já nem se lembrava!

 

Mas tinha o MEU barco! Agora sim, podia gozar a independência, o horizonte infinito, a calma e o chuá-chuá da água a roçar pelo casco, os fins-de-semana a navegar em mar aberto ou no Mussulo, sem ter que ficar espalmado na praia a apanhar sol como um lagarto e ficar a semana toda incomodado com a queimadura!...

 

Não falhava um fim-de-semana! Marinheiros “auxiliares” os filhos: um, dois ou todos conforme a disposição deles!

 

FGA-MAR 2-TIAGO.jpg

 

Um dos “auxiliares”: Tiago com pouco mais de um ano

 

O Sonho de um dia fazer uma navegação a sério, correndo o mundo, levava-me a sonhar...

 

Transferido para Moçambique, não podia levar o Argus. Calhou, no meio das viagens pela Europa ir a Londres onde aproveitei para comprar os planos dum catamaran polinésio de 40’, sem cabine central, simplesmente um estrado unindo os dois cascos, que considerava ideal para passear pelas costas africanas e arribar às praias sem dificuldade. Procura em Lourenço Marques um bom construtor naval, discutimos o projecto, ele diz que tem que encomendar as madeiras de qualidade que teriam de esperar pelo menos um ano para não empenarem depois de cortadas. Se tem que ser assim, é. Quando um dia, uns dois anos depois, ele me avisa que poderia começar a obra, tudo pronto, madeiras em condições,... o “glorioso” vintecincobarraquatro com cravos vermelhos antecipadamente encomendados pelo partido dos comunas, que estava a par de tudo, acabou de vez com o meu barato e o de milhares de outros.

 

Até uma prancha de surf à vela que tinha encomendado em França nunca recebi!

 

Entretanto só tivemos ocasião de comprar um Optimist para os filhos menores e um Vaurien para os outros, que ainda conseguiram chegar connosco de volta a Luanda.

 

Mas já era tarde para gozar o mar!

 

Pouco depois... acabou-se África. Refúgio no Brasil, com a mulher e sete filhos no lombo. E aqui não houve mais dinheiro para fantasias desportivas!

 

Ficaram os sonhos dos mares, as saudades, dos rios, das savanas e muito das gentes das terras africanas!

 

Só a assinaturas de algumas revistas de vela onde, feito criança, ia “estudando” e definindo o barco que melhor se adaptaria para um dia... um dia... o sonhado cruzeiro à volta do mundo, feito Joshua Slocum, por milagre, se tornar realidade!

 

(continua)

 

FGA-Mar 3-o homem do leme.jpg

Francisco Gomes de Amorim, o homem do leme

Mais sobre mim

foto do autor

Sigam-me

Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

Arquivo

  1. 2021
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2020
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2019
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2018
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D
  53. 2017
  54. J
  55. F
  56. M
  57. A
  58. M
  59. J
  60. J
  61. A
  62. S
  63. O
  64. N
  65. D
  66. 2016
  67. J
  68. F
  69. M
  70. A
  71. M
  72. J
  73. J
  74. A
  75. S
  76. O
  77. N
  78. D
  79. 2015
  80. J
  81. F
  82. M
  83. A
  84. M
  85. J
  86. J
  87. A
  88. S
  89. O
  90. N
  91. D
  92. 2014
  93. J
  94. F
  95. M
  96. A
  97. M
  98. J
  99. J
  100. A
  101. S
  102. O
  103. N
  104. D
  105. 2013
  106. J
  107. F
  108. M
  109. A
  110. M
  111. J
  112. J
  113. A
  114. S
  115. O
  116. N
  117. D
  118. 2012
  119. J
  120. F
  121. M
  122. A
  123. M
  124. J
  125. J
  126. A
  127. S
  128. O
  129. N
  130. D
  131. 2011
  132. J
  133. F
  134. M
  135. A
  136. M
  137. J
  138. J
  139. A
  140. S
  141. O
  142. N
  143. D
  144. 2010
  145. J
  146. F
  147. M
  148. A
  149. M
  150. J
  151. J
  152. A
  153. S
  154. O
  155. N
  156. D
  157. 2009
  158. J
  159. F
  160. M
  161. A
  162. M
  163. J
  164. J
  165. A
  166. S
  167. O
  168. N
  169. D
  170. 2008
  171. J
  172. F
  173. M
  174. A
  175. M
  176. J
  177. J
  178. A
  179. S
  180. O
  181. N
  182. D
  183. 2007
  184. J
  185. F
  186. M
  187. A
  188. M
  189. J
  190. J
  191. A
  192. S
  193. O
  194. N
  195. D
  196. 2006
  197. J
  198. F
  199. M
  200. A
  201. M
  202. J
  203. J
  204. A
  205. S
  206. O
  207. N
  208. D
  209. 2005
  210. J
  211. F
  212. M
  213. A
  214. M
  215. J
  216. J
  217. A
  218. S
  219. O
  220. N
  221. D
  222. 2004
  223. J
  224. F
  225. M
  226. A
  227. M
  228. J
  229. J
  230. A
  231. S
  232. O
  233. N
  234. D