Saltar para: Post [1], Comentar [2], Pesquisa e Arquivos [3]

A bem da Nação

CATURRICES XLI

depósitos bancários.jpg

 

DEPOSITA-SE O QUÊ, NUM BANCO?

 

  • Reza a lenda que, há muitos, muitos anos já, um velho, mais velho que sábio, respondia a qualquer pergunta que lhe fizessem, a todas as questões com que o confrontassem, sempre com a mesma sentença, repetida até à exaustão: “Quem não fala como pensa, acaba a pensar como fala”.

 

  • Tanta circunspecção, tamanha obsessão, só poderiam ser sinal de inspiração divina – e a sua fama espalhava-se, espalhava-se…até hoje.

 

  • Muitas vezes me vem à ideia a sentença do velho da lenda. Então, quando ouço falar de “depósitos bancários”, é logo.

 

  • Tempos houve, no alvor dos Fugger, dos Medici, dos Gonzaga, que o dinheiro (e outras preciosidades que não vêm agora ao caso) era confiado à guarda de quem tinha fama, por junto, de poderoso e de probo. Gente d’algo com banca, banqueiros, como se dizia.

 

  • Poder, para manter em segurança os valores recebidos; probidade, para que ninguém duvidasse de que teria de volta, intactos, os objectos que entregasse em depósito. Um serviço que implicava grandes custos para ser prestado – e que se fazia pagar caro por quem o quisesse aproveitar.

 

  • Depósito, no pleno sentido da palavra – como se depositavam então, e se depositam ainda hoje, cereais, armas, peles, alimentos e tantas outras mercadorias.

 

  • Mas o dinheiro desses tempos nada tem a ver com o dinheiro de hoje. Então, era um objecto palpável – peças (moedas, barras) de metal precioso (ouro e prata) que serviam, antes do mais:

(i) para salvar o corpo (pagamento de extorsões e de resgates);

(ii) para salvar a alma (doações a igrejas, mosteiros e conventos);

(iii) para comprar fidelidades (bem não menos escasso que o dinheiro nas barafundas políticas dessas épocas).

Era este o dinheiro dos banqueiros. O dinheiro usado nas trocas mercantis correntes era, por esses dias, coisa diferente.

 

  • E ser banqueiro, nesses recuados tempos, não era modo de vida que se abraçasse de ânimo leve. Não restituisse ele, prontamente, o que lhe fora entregue em confiança, e sofreria na própria carne - o mais provável era, zut!, perder (literalmente) a cabeça.

 

  • Mesmo os banqueiros mais poderosos, se desonestos, não escapavam por muito tempo a essa justiça imanente: uma punhalada pelas costas, umas gotas de veneno – e estava reposta a ordem no agitado mundo dos negócios de então.

 

  • Justiça cada vez mais necessária, porque cedo os banqueiros descobriram que podiam usar em proveito próprio o dinheiro que recebiam em depósito. Importante, importante mesmo, para manterem a cabeça no lugar e poderem continuar a contar moedas, era não falharem nenhuma restituição.

 

  • Tanto mais que, se tudo fosse feito a preceito, os depositantes nunca iriam distinguir o dinheiro que lhes era restituído do dinheiro que tinham depositado. (É isso, Leitor. Já nesses tempos distantes o dinheiro era coisa fungível - o que dava aos banqueiros grande satisfação). Mas não poucas vezes houve quem trocasse as mãos, perdesse o controlo do jogo – e, com isso, a vida.

 

  • Ora é ainda como depósito de coisa fungível que, segundo parece, o BdP continua a ver os “depósitos bancários”: um serviço (de guarda de dinheiro) que os Bancos prestam aos seus clientes e pelo qual eles, Bancos, são credores de uma remuneração. Pois não estamos a falar de “depósitos”? Não é a palavra dita ou escrita que desenha a realidade e comanda o pensamento?

 

  • No seu afã de mimar os Bancos, esquece o BdP estas três realidades insofismáveis:

- Tratando-se de depósito de coisa fungível de que o depostário possa dispor:

(i) o depositante, além de pagar o serviço de guarda, deve autorizar expressamente o uso do objecto depositado, podendo mesmo fixar condições e limites a esse uso;

(ii) o depositário, por sua parte, deve remunerar o depositante pelo permitido uso. Alguém ouviu já falar disto, a propósito dos “depósitos bancários”?

 

- Já o Código Comercial de Seabra (1888), que não se deixava iludir por palavras, qualificava o depósito de coisa fungível como “depósito irregular”, mandando aplicar-lhe o regime jurídico dos “empréstimos mercantis”. Empréstimos, não depósitos - logo, devedores, não depositários.

 

  • Os “depósitos bancários” têm, hoje, natureza escritural, meros registos que não correspondem à entrega de nenhum objecto, mas à transmissão de créditos:

(i) as notas (moeda fiduciária) depositadas são dívida de um Banco Central;

(ii) os cheques depositados (e as transferências bancárias) são créditos sobre um qualquer Banco Comercial;

(iii) até o crédito em conta de empréstimos corresponde à divida do respectivo mutuário.

         Em suma, nenhum objecto é depositado, num “depósito bancário” - são, sim, transmitidos créditos a favor

         do Banco depositário, que vai exercê-los como legítimo titular.

 

  • Se num “depósito bancário” nenhum serviço de guarda é verdadeiramente prestado - antes, é o Banco depositário que assim se financia - por mor de quê vem o BdP defender que os Bancos devem ser remunerados por contrairem voluntariamente uma dívida? De ora em diante, quem faça o favor de pedir dinheiro emprestado a um Banco também vai passar a ter direito a ser remunerado por isso?

 

  • É claro que há “depósitos bancários” e “depósitos bancários” - e ninguém, nem mesmo o BdP, nega que um “depósito a prazo” é, na realidade, dívida do Banco que o aceita (apesar da designação tradicional). O problema são os “depósitos à ordem”.

 

  • Que “depósitos à ordem” são dívida de Bancos, não restam dúvidas. Mas são também a componente principal do sistema de pagamentos: em qualquer economia desenvolvida, mais de 90% da liquidez que lá circula é moeda escritural (dito de outro modo: “depósitos à ordem”). São assim os Bancos que asseguram o funcionamento do sistema de pagamentos - logo, da economia. Devem eles ser remunerados por isso?

 

  • Devem - e são, de facto. São:

(i) quando, sem sobressalto, podem seguir operando com níveis de endividamento que levariam outras quaisquer empresas (mesmo as Seguradoras) à insolvência;

(ii) quando têm acesso, permanente e em exclusivo, à liquidez proporcionada por Bancos Centrais, com taxas de juro que não estão ao alcance de mais nenhuma empresa;

(iii) quando, graças à garantia implícita de liquidez subscrita pelo Banco Central, podem financiar com “depósitos à ordem” (leia-se: dívida à vista) investimentos pouco líquidos e com prazos dilatados, sem que ninguém se assuste.

 

  • Para mais, nenhum Banco é obrigado a “receber depósitos à ordem”. Fazem-no porque lhes convém. E só mantêm a ficção medieval de que há objecto depositado, porque nisso têm interesse - e o BdP alinha, já, quando dá cobertura à ficção, já, quando dá cobertura à cartelização.

ABRIL de 2015

Palhinha Machado.jpg A. Palhinha Machado

 

Comentar:

CorretorEmoji

Se preenchido, o e-mail é usado apenas para notificação de respostas.

Este blog tem comentários moderados.

Este blog optou por gravar os IPs de quem comenta os seus posts.

Mais sobre mim

foto do autor

Sigam-me

Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

Arquivo

  1. 2019
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2018
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2017
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2016
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D
  53. 2015
  54. J
  55. F
  56. M
  57. A
  58. M
  59. J
  60. J
  61. A
  62. S
  63. O
  64. N
  65. D
  66. 2014
  67. J
  68. F
  69. M
  70. A
  71. M
  72. J
  73. J
  74. A
  75. S
  76. O
  77. N
  78. D
  79. 2013
  80. J
  81. F
  82. M
  83. A
  84. M
  85. J
  86. J
  87. A
  88. S
  89. O
  90. N
  91. D
  92. 2012
  93. J
  94. F
  95. M
  96. A
  97. M
  98. J
  99. J
  100. A
  101. S
  102. O
  103. N
  104. D
  105. 2011
  106. J
  107. F
  108. M
  109. A
  110. M
  111. J
  112. J
  113. A
  114. S
  115. O
  116. N
  117. D
  118. 2010
  119. J
  120. F
  121. M
  122. A
  123. M
  124. J
  125. J
  126. A
  127. S
  128. O
  129. N
  130. D
  131. 2009
  132. J
  133. F
  134. M
  135. A
  136. M
  137. J
  138. J
  139. A
  140. S
  141. O
  142. N
  143. D
  144. 2008
  145. J
  146. F
  147. M
  148. A
  149. M
  150. J
  151. J
  152. A
  153. S
  154. O
  155. N
  156. D
  157. 2007
  158. J
  159. F
  160. M
  161. A
  162. M
  163. J
  164. J
  165. A
  166. S
  167. O
  168. N
  169. D
  170. 2006
  171. J
  172. F
  173. M
  174. A
  175. M
  176. J
  177. J
  178. A
  179. S
  180. O
  181. N
  182. D
  183. 2005
  184. J
  185. F
  186. M
  187. A
  188. M
  189. J
  190. J
  191. A
  192. S
  193. O
  194. N
  195. D
  196. 2004
  197. J
  198. F
  199. M
  200. A
  201. M
  202. J
  203. J
  204. A
  205. S
  206. O
  207. N
  208. D