Saltar para: Post [1], Comentários [2], Pesquisa e Arquivos [3]

A bem da Nação

CARACÓIS

 

caracois-a-portuguesa.jpg

 

Nunca consegui engraçar com o Nouveau Roman que me pareceu antes uma escola de rebuscamento pedante, no artificioso da ausência de uma intriga, rejeitada a favor de um discurso quantas vezes desconexo, no acaso dos acessos da intelectualidade frásica e dos simbolismos apetecidos, o homem convertido no insecto humano de que o Novo Teatro igualmente se apoderaria, na equiparação dos seres e das coisas, numa filosofia de negação das regras preconceituosas dos clássicos, por conta do absurdo existencial. Técnica para intelectuais que se revêem na especificidade dos seus espíritos de alto coturno, como se dizia a respeito da tragédia grega, cujos actores calçavam sandálias altas para melhor expressarem, no corpo alteado, a dignidade dos heróis mitológicos, que eles protagonizavam. Também por isso nunca comi caracóis, por não engraçar com eles, mesmo sem os provar, por muito que mos gabem, como petisco excelente.

 

Com os filmes de Manoel de Oliveira, que mal conheço, contudo, por um fenómeno de sonolificência, como aquela de que fala o Eça na sua carta a Ramalho a respeito do Primo Basílio – segundo ele, “uma obra falsa, ridícula, afectada, disforme, piegas e papoilosa, isto é, tendo a propriedade da papoila – sonolificente.” - (Modéstias de Eça, é claro, mas também uma consciência sã das suas limitações relativamente aos mestres da literatura que o influenciaram a ele e a quem soube reconhecer a superioridade de efabulações transmitindo a vida em traços fundos) – com os tais filmes, repito, passa-se idêntico repúdio. Mas o meu estado, quase direi de catalepsia, na tentativa de levar ao fim qualquer peregrinação pelos filmes de Oliveira e logo estacando no início, as pálpebras descaídas de sono, tal como sucedeu à malfadada Branca de Neve, com a maçã envenenada da madrasta, que felizmente só lhe ficou entalada na garganta e pôde ser desentalada logo que o príncipe a beijou, assim a ressuscitando. Bem melhor destino do que aconteceria com a Bela que se picou no fuso, por conta da fada má e que teve que esperar um século na floresta até ao ósculo despertador do príncipe, certamente que já por via do défice aristocrático, as democracias dando os primeiros passos na refundição social.

 

Quanto à minha alergia aos filmes de Manoel de Oliveira, exceptuando o Aniki-Bobó sobre a infância da nossa ternura, não julgo que, por muito que eu possa ser criticada na minha ignorância real a respeito dos outros filmes do meu descontentamento, hibernoso agora, mas também dos tempos primaveris de outrora, não julgo, repito, que um conhecimento menos ensonado modificasse o conceito que sempre me mereceram os tais filmes pateticamente xaroposos, a cujo autor provavelmente a idade avançada, juntamente com a consagração exterior – talvez por igual motivo etário – fizeram ir lesando os cofres dum Estado temeroso de desfeitear o ancião do nosso respeito, que no fundo se riu sempre de nós, brincando aos filmes.

 

Só um filme – entre tantas obras primas cinematográficas, para justificar, como confronto, estes dizeres da minha indignação: “Casablanca” – um filme tão real quanto de ficção – que explora sobriamente paixões e amizades, aparências cínicas encobrindo grandeza de sentimentos, revoltas e patriotismos, ciúmes, engano e dedicações, num contexto de guerra, de medo, e de coragem. Vários espaços – Paris, Casablanca, o avião que parte para a América, por Lisboa, nobres sacrifícios e gestos ousados a merecer fuzilamento, salvos por inesperados gestos de amizade. E uma canção de saudade – (“As time goes bye”) – sobre os amores verdadeiros do tempo que passou e aparentemente mudou. E personagens representadas por gente bonita, capaz de desempenhar os seus papéis com tanta autenticidade… Um filme da grandeza humana criadora.

 

Vêm estes considerandos a propósito de diversas artigos no Jornal Público que, na sexta-feira, 13 de Abril de 2015, prestou homenagem póstuma a Manoel de Oliveira, em páginas de escrita laudatória, frisando a sua longevidade de par com o seu génio de cineasta, que houve quem comparasse a Pessoa, apesar das bilheteiras vazias a contestar-lhe o génio, servindo em todo o caso para as classes intelectuais se repoltrearem nas suas análises feitas de preciosidades linguísticas mas sem descrição objectiva, reconhecendo quanto o cinema de Manoel de Oliveira é isso mesmo que não se atrevem a revelar: indescritível.

 

Berta Brás.jpg Berta Brás

2 comentários

Comentar post

Mais sobre mim

foto do autor

Sigam-me

Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

Arquivo

  1. 2021
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2020
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2019
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2018
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D
  53. 2017
  54. J
  55. F
  56. M
  57. A
  58. M
  59. J
  60. J
  61. A
  62. S
  63. O
  64. N
  65. D
  66. 2016
  67. J
  68. F
  69. M
  70. A
  71. M
  72. J
  73. J
  74. A
  75. S
  76. O
  77. N
  78. D
  79. 2015
  80. J
  81. F
  82. M
  83. A
  84. M
  85. J
  86. J
  87. A
  88. S
  89. O
  90. N
  91. D
  92. 2014
  93. J
  94. F
  95. M
  96. A
  97. M
  98. J
  99. J
  100. A
  101. S
  102. O
  103. N
  104. D
  105. 2013
  106. J
  107. F
  108. M
  109. A
  110. M
  111. J
  112. J
  113. A
  114. S
  115. O
  116. N
  117. D
  118. 2012
  119. J
  120. F
  121. M
  122. A
  123. M
  124. J
  125. J
  126. A
  127. S
  128. O
  129. N
  130. D
  131. 2011
  132. J
  133. F
  134. M
  135. A
  136. M
  137. J
  138. J
  139. A
  140. S
  141. O
  142. N
  143. D
  144. 2010
  145. J
  146. F
  147. M
  148. A
  149. M
  150. J
  151. J
  152. A
  153. S
  154. O
  155. N
  156. D
  157. 2009
  158. J
  159. F
  160. M
  161. A
  162. M
  163. J
  164. J
  165. A
  166. S
  167. O
  168. N
  169. D
  170. 2008
  171. J
  172. F
  173. M
  174. A
  175. M
  176. J
  177. J
  178. A
  179. S
  180. O
  181. N
  182. D
  183. 2007
  184. J
  185. F
  186. M
  187. A
  188. M
  189. J
  190. J
  191. A
  192. S
  193. O
  194. N
  195. D
  196. 2006
  197. J
  198. F
  199. M
  200. A
  201. M
  202. J
  203. J
  204. A
  205. S
  206. O
  207. N
  208. D
  209. 2005
  210. J
  211. F
  212. M
  213. A
  214. M
  215. J
  216. J
  217. A
  218. S
  219. O
  220. N
  221. D
  222. 2004
  223. J
  224. F
  225. M
  226. A
  227. M
  228. J
  229. J
  230. A
  231. S
  232. O
  233. N
  234. D