Saltar para: Post [1], Comentários [2], Pesquisa e Arquivos [3]

A bem da Nação

CAMINHO DA INFELICITAÇÃO – I

 

Viagem a fases pretéritas do nosso (de)crescimento económico

em companhia do

Prof. José da Silva Lopes

 

 

LESO-José Silva Lopes.jpg

 

O professor José da Silva Lopes, falecido em 2 de Abril último, deixou-nos pouca coisa impressa: dois livros de história económica portuguesa no período 1960-95 escritos em bom português, sintéticos no tratamento das matérias, escorreitos nas opiniões emitidas e umas poucas entrevistas pluritemáticas que concedeu à imprensa. Que eu saiba, mais nada. Todavia, como Silva Lopes tem por hábitos a autenticidade, a objectividade e a correspondente indiferença ao «discurso correcto», e esteve envolvido como nenhum outro nos fenómenos que descreve e analisa, este pouco que nos legou permite-nos visitar o passado com toda a segurança e ajuda a compreender o caminho que nos levou ao estado de infelicitação socio-económica presente.

 

A precocidade de Silva Lopes permitiu-lhe exercer cargos importantes na condução da política económica desde os seus vinte e poucos anos (na época salazarina), enquanto o seu espírito cordato e aberto a novidades, o manteve na ribalta na época histórica imediata, inaugurada com uma rajada de G3, disparada pelo capitão de Salgueiro Maia, no Largo do Carmo, em Lisboa, ás 17,45, do dia 25 de Abril de 1974. Proponho pois uma viagem, em sua companhia, aos períodos do salazarismo, do cunhalismo e do europeísmo. Antes, porém, permitam-me uma breve apresentação do nosso cicerone.

 

Tive o privilégio de o conhecer pessoalmente e de o acompanhar em reuniões de trabalho realizadas no Foreign Office, em Londres, em 1970/71. O que dele conheci permite-me secundar Paul Krugman quando este, em artigo no NY Times escrito no dia do falecimento, o descreveu como "a great, good, and incredibly likable man". Ao relê-lo agora, o que imediatamente me impressionou foi o cuidado por ele demonstrado de tratar em paralelo o enunciado dos programas propostos pelos sucessivos governantes e a realidade da prática que os mesmos seguiam. Tal tratamento permite-nos ab initio avaliar aquilo que eu chamo o grau de mentira (já é tempo de darmos os nomes aos bois) dos sucessivos discursos. A mentira política revela-nos as idiossincrasias do governante. Ideologias, sistemas e regimes existem mas quem toma as decisões são as pessoas e ninguém se esquiva à sua forma própria de sentir os fenómenos. Em caso de conflito entre lógica e sentimento, entre imagem projectada e prática seguida, a idiossincrasia leva sempre a melhor: supera a lógica, descarta o rigor e cria a mentira. Por seu turno, a mentira ilude o próprio e nela devemos procurar a origem e explicação do erro sistemático.

 

(continua)

 

Estoril, 10 de Maio de 2015

Luís Soares de Oliveira.jpg

Luís Soares de Oliveira

3 comentários

Comentar post

Mais sobre mim

foto do autor

Sigam-me

Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

Arquivo

  1. 2021
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2020
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2019
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2018
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D
  53. 2017
  54. J
  55. F
  56. M
  57. A
  58. M
  59. J
  60. J
  61. A
  62. S
  63. O
  64. N
  65. D
  66. 2016
  67. J
  68. F
  69. M
  70. A
  71. M
  72. J
  73. J
  74. A
  75. S
  76. O
  77. N
  78. D
  79. 2015
  80. J
  81. F
  82. M
  83. A
  84. M
  85. J
  86. J
  87. A
  88. S
  89. O
  90. N
  91. D
  92. 2014
  93. J
  94. F
  95. M
  96. A
  97. M
  98. J
  99. J
  100. A
  101. S
  102. O
  103. N
  104. D
  105. 2013
  106. J
  107. F
  108. M
  109. A
  110. M
  111. J
  112. J
  113. A
  114. S
  115. O
  116. N
  117. D
  118. 2012
  119. J
  120. F
  121. M
  122. A
  123. M
  124. J
  125. J
  126. A
  127. S
  128. O
  129. N
  130. D
  131. 2011
  132. J
  133. F
  134. M
  135. A
  136. M
  137. J
  138. J
  139. A
  140. S
  141. O
  142. N
  143. D
  144. 2010
  145. J
  146. F
  147. M
  148. A
  149. M
  150. J
  151. J
  152. A
  153. S
  154. O
  155. N
  156. D
  157. 2009
  158. J
  159. F
  160. M
  161. A
  162. M
  163. J
  164. J
  165. A
  166. S
  167. O
  168. N
  169. D
  170. 2008
  171. J
  172. F
  173. M
  174. A
  175. M
  176. J
  177. J
  178. A
  179. S
  180. O
  181. N
  182. D
  183. 2007
  184. J
  185. F
  186. M
  187. A
  188. M
  189. J
  190. J
  191. A
  192. S
  193. O
  194. N
  195. D
  196. 2006
  197. J
  198. F
  199. M
  200. A
  201. M
  202. J
  203. J
  204. A
  205. S
  206. O
  207. N
  208. D
  209. 2005
  210. J
  211. F
  212. M
  213. A
  214. M
  215. J
  216. J
  217. A
  218. S
  219. O
  220. N
  221. D
  222. 2004
  223. J
  224. F
  225. M
  226. A
  227. M
  228. J
  229. J
  230. A
  231. S
  232. O
  233. N
  234. D