Saltar para: Post [1], Comentários [2], Pesquisa e Arquivos [3]

A bem da Nação

«BANQUÊS»

 

 

 

«Banquês» é um dialecto do «economês».

 

No «tempo em que os animais falavam», os bancos (não centrais) dividiam-se em três categorias, a saber: os comerciais, os de investimento e os prediais. Tratava-se de uma especialização no crédito concedido que tinha sobretudo a ver com os prazos de reembolso e com as taxas de juro. Pelo menos, era isto que aprendíamos nas escolas em que se ensinavam estas coisas. Mas agora já não há especialização nenhuma, é tudo à molhada e que haja muita fé em Deus.

 

Com o golpe de Estado comunista em 25 de Abril de 1974, os políticos portugueses não comunistas pensaram – e muito bem, na minha opinião – que não há comunismo que resista à propriedade privada. Sim, exactamente assim e não o contrário em que é habitual dizer-se que não há propriedade privada que resista ao comunismo.

 

Então, a melhor forma de combater o comunismo foi fazer um contra-golpe militar, o que aconteceu em 25 de Novembro de 1975. Mas logo de seguida havia que consolidar a situação levando os cidadãos a repudiarem veementemente o comunismo. Assim nasceu a política de habitação própria pois quem tem de seu deixa automaticamente de ser revolucionário. O princípio fundamental do raciocínio é o de que quem tem algo a perder, não alinha em revoluções nem na ideia da propriedade colectiva. Foi Mário Soares que «deu a cara» inaugurando esta política e foi a banca que a financiou. Ambos tiveram lucros: um, de índole política; os outros, de índole financeira.

Passados mais de 30 anos, chegámos a uma situação de comunismo politicamente marginalizado e de grande percentagem de portugueses com casa própria mesmo nos rankings internacionais e já estávamos a dar nas vistas com a segunda casa, nomeadamente a de férias. E como se tratava de ganhar dinheiro, os bancos mandaram as especializações às urtigas e todos passaram a fazer crédito à habitação. Diz o Banco de Portugal que o crédito à habitação alcançou mais de 80% do crédito emitido a favor de particulares e assim se tem mantido durantes anos a fio.

 

CRÉDITO A PRIVADOS

                       

Foi por «fas e por nefas»[1] que o crédito começou a ser emitido a todos os que se acercavam de um qualquer balcão sobretudo quando o tipo de análise de risco (ou a falta dessa análise) passou a fazer parte da política americana ao ritmo da batuta de Bill Clinton. Foi com este Presidente americano que começou a vingar o princípio de que o crédito é um direito universal e não apenas um merecimento dos abastados e ricos. E como havia espaço muito amplo para a venda de créditos ao estilo de «carteiras tóxicas por carteiras de boa cobrança», o que, traduzido do «banquês» significa «gato por lebre», no futuro tudo se resolveria com alguma consolidação contabilística por fundos e reservas entretanto constituídas. Alguns gatos por cá, em Portugal, miaram mas não o suficiente para que imediatamente se arrepiasse caminho e o crédito voltasse a ser concedido com base em critérios menos demagógicos. Até porque o lobby da construção não estava nada interessado numa tal revisão de critérios.

 

Paralelamente, a farta liquidez nos mercados de capitais facilitou o crescente endividamento público permitindo muita prodigalidade na construção do Estado Social e esbanjamento em obras de muito duvidosa utilidade pública mas de claríssima vantagem para os que se diz serem os financiadores dos Partidos.

 

Mas houve mais: inspirados na ideia de que o crédito é um direito, os políticos apostaram no consumo como motor do desenvolvimento. E a banca esfregou as mãos de contente com o financiamento dessa instigada aspiração popular.

 

Análise «democrática» de risco, «tutti buona gente», tudo com pés de barro, tudo uma mentira pegada: consumir é que é bom, da produção que se encarreguem os chineses e outros escravos.

 

A ilusão do progresso espelhada num endividamento das famílias que ultrapassava os mais liberais níveis da razoabilidade. O povo satisfeito com os políticos que tanta fartura permitiam, os políticos satisfeitos com o povo que os eternizava no poder.

 

Só que a certa altura os credores externos começaram a ver que isto não podia continuar assim. A hecatombe instalou-se no falso «modelo de desenvolvimento» com milhares de despedimentos e os fundos e reservas revelaram-se insuficientes quando o castelo de mentiras se desmoronou e tudo foi ao fundo.

 

O primeiro a ir ao fundo foi o consumo pela via dos cortes nos vencimentos dos funcionários públicos ao que se seguiu uma molhada de empresas que tudo importava pois a banca tinha esgotado o crédito que tinha lá fora e deixara de poder financiar as ditas importações.

Com o encerramento das empresas que se moldavam à economia de consumo e dos bens não transacionáveis (construção e obras públicas, p. ex.), o desemprego aumentou e o consumo interno mais se retraiu. Entretanto, os empresários que produziam bens transacionáveis de qualidade não perderam tempo à espera que o Governo lhes dissesse o que deveriam fazer e quando viram a procura interna a desmoronar, atiraram-se para a exportação. Quem de tudo isto gostou foi a Balança Comercial pois viu as importações a caírem e as exportações a subirem.

 

E quem estava super endividado e ficou sem emprego, deixou de pagar as dívidas e, quiçá, passou a dormir debaixo das pontes pois a casa, hipotecada, foi parar às mãos da banca que a financiara. E a banca começou a coleccionar casas sem saber o que fazer a tanta falsa «fartura». Mas os próprios construtores civis passaram a dar as casas não vendidas em pagamento à banca e a falsa «fartura» continuou a crescer…

 

Só que a prestação da casa terá sido a última a ser incumprida pois antes dela foi a da viagem, a da televisão, a do frigorífico, a do carro… Em «banquês», o crédito mal parado a crescer para níveis inimaginados antes.

 

O crédito ao consumo a ruir com o crédito imobiliário em estado de moribundez.

 

CRÉDITO A PRIVADOS MAL PARADO

 

Se a isto tudo juntarmos os jeitos feitos ao poder político na compra de dívida da República quando os mercados internacionais de capitais fecharam a torneira ao despesismo português, podemos facilmente não invejar hoje a profissão de banqueiro em Portugal. Sobretudo quando a «máquina de lavar» avaria…

 

Só me espanto com o facto de tanta gente inteligente nada ter visto e nada ter feito para atempadamente redefinir o azimute. Ou será que de tanto repetirem a mentira a ela se habituaram e a tomaram por verdade?

 

Sim, o que está em curso é o enterramento de um pernicioso «modelo de desenvolvimento» baseado no consumo e nos bens não transacionáveis e a edificação de um virtuoso modelo baseado na produção de bens e serviços transacionáveis.

 

E se não passarmos a produzir o que comemos e demais consumimos, não será por muito falarmos em «economês» e em «banquês» que aceleramos o ritmo de pagamento do que devemos. E quem não paga o que deve, vai ter que esperar por nova encarnação para voltar a ser alguém.

 

Eis por que se torna imperioso regressarmos à fisiocracia. Mas isso só se poderá fazer com mercados transparentes e métodos lógicos de formação dos preços. Caso contrário, será o ludíbrio de mais uns quantos «anjinhos». E para mentiras, já basta!

 

Julho de 2014

 

 Henrique Salles da Fonseca



[1] - «Em dias fastos e nefastos»

3 comentários

Comentar post

Mais sobre mim

foto do autor

Sigam-me

Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

Arquivo

  1. 2019
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2018
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2017
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2016
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D
  53. 2015
  54. J
  55. F
  56. M
  57. A
  58. M
  59. J
  60. J
  61. A
  62. S
  63. O
  64. N
  65. D
  66. 2014
  67. J
  68. F
  69. M
  70. A
  71. M
  72. J
  73. J
  74. A
  75. S
  76. O
  77. N
  78. D
  79. 2013
  80. J
  81. F
  82. M
  83. A
  84. M
  85. J
  86. J
  87. A
  88. S
  89. O
  90. N
  91. D
  92. 2012
  93. J
  94. F
  95. M
  96. A
  97. M
  98. J
  99. J
  100. A
  101. S
  102. O
  103. N
  104. D
  105. 2011
  106. J
  107. F
  108. M
  109. A
  110. M
  111. J
  112. J
  113. A
  114. S
  115. O
  116. N
  117. D
  118. 2010
  119. J
  120. F
  121. M
  122. A
  123. M
  124. J
  125. J
  126. A
  127. S
  128. O
  129. N
  130. D
  131. 2009
  132. J
  133. F
  134. M
  135. A
  136. M
  137. J
  138. J
  139. A
  140. S
  141. O
  142. N
  143. D
  144. 2008
  145. J
  146. F
  147. M
  148. A
  149. M
  150. J
  151. J
  152. A
  153. S
  154. O
  155. N
  156. D
  157. 2007
  158. J
  159. F
  160. M
  161. A
  162. M
  163. J
  164. J
  165. A
  166. S
  167. O
  168. N
  169. D
  170. 2006
  171. J
  172. F
  173. M
  174. A
  175. M
  176. J
  177. J
  178. A
  179. S
  180. O
  181. N
  182. D
  183. 2005
  184. J
  185. F
  186. M
  187. A
  188. M
  189. J
  190. J
  191. A
  192. S
  193. O
  194. N
  195. D
  196. 2004
  197. J
  198. F
  199. M
  200. A
  201. M
  202. J
  203. J
  204. A
  205. S
  206. O
  207. N
  208. D