Saltar para: Post [1], Comentar [2], Pesquisa e Arquivos [3]

A bem da Nação

BAFORDO

Bafordo do Vez.jpg

 

“Bafordo” deve ser a palavra portuguesa, dentre todas as que conheço, aquela que foneticamente é mais desagradável ao meu ouvido; pelo contrário, “alguidar” soa-me lindamente.

 

E se toda a gente sabe o que é um alguidar, já serão menos os que sabem o que é um bafordo.

 

Pois bem, foi com um desses que Portugal preparou a conquista da sua própria independência.

 

Com o quê?

 

Exactamente, com um bafordo que ocorreu no vale do Vez.

 

E se o meu leitor já estava confundido, com esta particularidade geográfica, mais baralhado deve ter ficado.

 

Mas se eu lhe disser que a «bafordo» é mais comum chamar «torneio», então já o esclarecimento assoma ao horizonte. Mas não é exactamente o mesmo. O torneio era um entretenimento dos cortesãos em tempo de paz; o bafordo era à séria.

 

Então, era assim: quando as relações internacionais se azedavam lá pela Idade Média e os Senhores decidiam «ir às ventas» do antagonista - mas constatando que havia um grande desequilíbrio de forças putativamente beligerantes - nomeavam interlocutores que combinavam a substituição duma batalha por uma peleja em que um determinado número de cavaleiros se batia individualmente com igual número da contraparte; os juízes - todo poderosos e sem apelo - eram clérigos em igual número de ambas as facções a quem competia determinar qual a parte vencedora. E Deus era testemunha.

 

Como se pode constatar, a «coisa» era a sério. Mais: sem apelo. Até porque divinamente testemunhada por interpostas pessoas, os clérigos.

 

E foi no vale do Vez que D. Afonso Henriques convenceu o seu primo D. Qualquer Coisa[i] a substituir uma batalha por um bafordo como o descrito acima.

 

E ganhámos!

 

Ora, como pouco antes deste episódio também ganháramos o confronto travado em Ourique no regresso do fossado sobre Sevilha, o entusiasmo era grande e o nosso futuro rei fundador logo confirmou que por aqui era ele a mandar e não esse tal D. Qualquer Coisa.

 

Passados mais de 15 dias sobre estas ocorrências, eis-nos metidos em novas pelejas a que ninguém chama bafordos porque não há testemunha divina. Mas a tenacidade é equivalente e a alienação muito maior.

 

Hoje, começamos o bafordo moscovita. A diferença está em que o do Vez foi importante e este é só alienante.

 

A ver quem ganha…

 

15 de Junho de 2018

Tetrapylon - Afrodisias.JPG

Henrique Salles da Fonseca

 

[i] - Afonso VII de Leão e Castela

Comentar:

Mais

Se preenchido, o e-mail é usado apenas para notificação de respostas.

Este blog tem comentários moderados.

Este blog optou por gravar os IPs de quem comenta os seus posts.

Mais sobre mim

foto do autor

Sigam-me

Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

Arquivo

  1. 2020
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2019
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2018
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2017
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D
  53. 2016
  54. J
  55. F
  56. M
  57. A
  58. M
  59. J
  60. J
  61. A
  62. S
  63. O
  64. N
  65. D
  66. 2015
  67. J
  68. F
  69. M
  70. A
  71. M
  72. J
  73. J
  74. A
  75. S
  76. O
  77. N
  78. D
  79. 2014
  80. J
  81. F
  82. M
  83. A
  84. M
  85. J
  86. J
  87. A
  88. S
  89. O
  90. N
  91. D
  92. 2013
  93. J
  94. F
  95. M
  96. A
  97. M
  98. J
  99. J
  100. A
  101. S
  102. O
  103. N
  104. D
  105. 2012
  106. J
  107. F
  108. M
  109. A
  110. M
  111. J
  112. J
  113. A
  114. S
  115. O
  116. N
  117. D
  118. 2011
  119. J
  120. F
  121. M
  122. A
  123. M
  124. J
  125. J
  126. A
  127. S
  128. O
  129. N
  130. D
  131. 2010
  132. J
  133. F
  134. M
  135. A
  136. M
  137. J
  138. J
  139. A
  140. S
  141. O
  142. N
  143. D
  144. 2009
  145. J
  146. F
  147. M
  148. A
  149. M
  150. J
  151. J
  152. A
  153. S
  154. O
  155. N
  156. D
  157. 2008
  158. J
  159. F
  160. M
  161. A
  162. M
  163. J
  164. J
  165. A
  166. S
  167. O
  168. N
  169. D
  170. 2007
  171. J
  172. F
  173. M
  174. A
  175. M
  176. J
  177. J
  178. A
  179. S
  180. O
  181. N
  182. D
  183. 2006
  184. J
  185. F
  186. M
  187. A
  188. M
  189. J
  190. J
  191. A
  192. S
  193. O
  194. N
  195. D
  196. 2005
  197. J
  198. F
  199. M
  200. A
  201. M
  202. J
  203. J
  204. A
  205. S
  206. O
  207. N
  208. D
  209. 2004
  210. J
  211. F
  212. M
  213. A
  214. M
  215. J
  216. J
  217. A
  218. S
  219. O
  220. N
  221. D