Saltar para: Post [1], Comentários [2], Pesquisa e Arquivos [3]

A bem da Nação

ATEU, TEÓLOGO E FILÓSOFO

 

Amon Ra.png

 

Tem gente para tudo. Os que acreditam em Aúra-Masda, ou em Sang Ti, ou em Amon Ra, em Adonai, em Alá, em Cristo, no Pai ou no Espírito Santo, e em muitas outras formas, indefinidas, espirituais. Até em Maomé! Maomé, o indefinido, o que não se pode ver, nem reproduzir a imagem. Como Deus.

 

O homem tem que acreditar em qualquer coisa. Menos o ateu!

O ateu acredita na ciência. É o que ele diz. Esquece que Algo, alguma coisa, terá criado o Universo, seja a partir de uma molécula, dum átomo de carbono ou hidrogénio ou de uma ameba! E como para isso não encontra explicação, como ninguém, prefere ficar do lado mais cómodo e falar mal de tudo e todos, chamando-os de ingénuos.

 

É como aqueles que não votam. Para quê? Eles já sabem quem vai ganhar! São sempre os mesmos, os políticos, os corruptos. Então fica em casa, sentadão a ver na TV se ganha algum amigalhaço para depois lhe facilitar a vida. Não ganha. Bom, nem todos são assim!

 

Não votam e fica o poder na mão dos que lutam. Os tais que o ateu acha que são uns idiotas, e que acabam por se revelarem os únicos espertos.

E porque se discute, universalmente, a “ciência” das religiões, ele encontra defeitos e enigmas em todas e prefere abster-se de, igualmente, ser alvo de qualquer crítica. Creio que se pode chamar a isto covardia.

 

Lembro dois grandes actores teatrais de Portugal: Chaby Pinheiro (1873-1933) que fazia rir todo o teatro e brincava com um belíssimo poema de Guerra Junqueiro, O Melro, – O Melro, eu conheci-o, era negro, vibrante luzidio – mas que ele começava assim:

“O melro? Eu conheci-o. Era um pobre cão vadio...”

 

Ou a famosa Teresa Gomes (1882-1962), com uma graça imensa: “Se aquilo que a gente sente/ Cá dentro tivesse voz / E falasse às multidões / Seria muito indecente / Estar alguém ao pé de nós / Em certas ocasiões.”

 

Qualquer destas situações me lembra o ateu. Estranho!

 

O primeiro porque disfarça, brinca com o romântico poema, sem ofender, só para fazer rir. Teresa Gomes é mais objectiva, quando quer dizer: saiam de perto que eu vou malhar!

Ninguém se atreve a conhecer Deus. Só os falsos, os pretensiosos, os que usam a religião, não como dogma mas como ideologia de poder, e à sombra d’Ele cometem todas as atrocidades possíveis.

 

Isso tem-se visto desde a mais remota antiguidade, em todas as religiões, porque à sombra delas se fixava e fixa o poder.

 

O mais espantoso é verificar que em pleno século XXI continuem a existir extremistas, assassinos, que alegam estarem a matar em nome de Alá!

Agora os “doutores” islâmicos também declararam – ou determinaram? – que é blasfémia tirar os retratos que passaram a chamar-se “selfies”! Insanidade total.

 

Os ateus evitam falar sobre teologia, uma vez que para eles Deus é inexistente. Então filosofam. Talvez não conheçam conclusões como esta de Pascal: “A impossibilidade em que me vejo de provar que Deus não existe, revela-me a sua existência.”

 

E o que fazem os “grandes teólogos”? Procuram interpretar as palavras nos escritos sagrados. E cada um interpreta como lhe apetece ou entende, e como NINGUÉM entende coisa alguma de Deus, acabam por dar razão aos ateus que somente filosofam.

 

Camilo Castelo Branco, sempre mordaz, disse: “Deus não se deixa entender justamente para não sofrer confronto com estes miseráveis que nós somos”.

 

Ou Camões: “O que é Deus ninguém o entende / Que a tanto o engenho humano não se estende.”

 

Stephen Hawking, o grande matemático: “Agora a ciência oferece uma explicação mais convincente. O que eu quis dizer quando disse que conheceríamos ‘a mente de Deus’ [no seu livro “Breve História do Tempo”] era que compreenderíamos tudo o que Deus seria capaz de compreender se por acaso existisse. Mas não há nenhum Deus. Sou ateu. A religião acredita em milagres, mas estes são incompatíveis com a ciência”.

 

É evidente que os milagres são incompatíveis com a ciência! Se fossem compatíveis não seriam milagres! Mas e os tantos milagres que, todos os dias acontecem?

 

Os milagres saem de dentro de cada um na proporção do tamanho da sua Fé. Quem não tem fé faz como o ateu: ficar sentado à espera para ver o que acontece! Muito mais cómodo.

 

Um indivíduo não precisa de ser religioso para alcançar a felicidade. Mesmo nesta terra. Basta combater o próprio Ego e deixar o seu Eu espiritual dirigir a sua vida.

 

Que reconheça que a Natureza é a representação perfeita de Deus e a respeite, sem esquecer que a natureza não é somente um pôr-do-sol nos trópicos, as paisagens bonitas, os passarinhos coloridos, mas tudo, realmente tudo que a compõe, incluindo aquilo que se convencionou chamar de ser superior, o homem. Não superior à natureza, jamais. Superior só porque lhe foi insuflado um Sofhos, o espírito.

 

E o espírito, mesmo que ninguém acredite, não morre. Não pode morrer. Não veio da terra, para onde voltará “a embalagem para viagem”, como lhe chamou Nei Lopes. “Ao pó voltarás”, mas o espírito não é pó.

Libertando-se do corpo ele se reunirá ao Espírito Universal, infinito, ou voltará, como pensam alguns povos, para reencarnar outro corpo e tentar conduzi-lo pelo bom caminho.

 

Se Deus é a própria natureza, há que respeitá-la, respeitar o meio ambiente. Claro. Quando não este morre ou prepara a morte das gerações futuras.

Mas tem que começar por respeitar o seu próximo, o seu igual, alto, baixo, gordo ou magro, azul, verde, preto, branco ou amarelo.

 

Há quem insista em manter o racismo no seu DNA. Talvez nunca tenham visto um africano, de pele bem escura, que tenha sofrido uma queimadura grave. A epiderme vai embora e ele fica mais branco do que um finlandês.

 

E os idiotas são racistas por um problema de epiderme! Não sabem que eles têm a pele escura porque a natureza os presenteou com essa defesa contra o calor e sol.

 

A natureza sabe o que faz e o que é preciso. Mas quem criou uma natureza assim? A ciência? Algum ateu? Na natureza nada há supérfluo! (Averrois)

Aristóteles: “A nossa inteligência está tão apta para compreender as coisas altíssimas e claríssimas da natureza, como os olhos da coruja para ver o sol.”

 

Morre-se pela família e pela pátria, mas só um Deus morre pela humanidade.

 

Mahatma Gandhi constatava: “Cristo é a maior fonte de força espiritual que a humanidade conheceu.”

 

Não sei já quem escreveu: “O cristianismo é o milagre da normalidade.”

Imaginem só por um momento a vida de Francisco de Assis, o Poverello.

Completamente desligado da vida mundana, do ego, pobre, generoso, pregando o bem e o entendimento entre os tais “seres superiores”, e vejam como se comportam na Índia os jainistas, que insistem até em andar nus para que ao confeccionar roupas não matem um só insecto que a natureza ali tenha deixado.

 

Algum ateu se atreverá a criticar?

 

Pobre Poverello se hoje fosse apanhado pelos extremistas.

 

E pelos ateus. Sobretudo aqueles que dizem: “Sou ateu, graças a Deus!”

 

31/01/2015

 

Francisco Gomes de Amorim, Junho 2013, Lisboa.jpg 

Francisco Gomes de Amorim

 

 

1 comentário

Comentar post

Mais sobre mim

foto do autor

Sigam-me

Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

Arquivo

  1. 2021
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2020
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2019
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2018
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D
  53. 2017
  54. J
  55. F
  56. M
  57. A
  58. M
  59. J
  60. J
  61. A
  62. S
  63. O
  64. N
  65. D
  66. 2016
  67. J
  68. F
  69. M
  70. A
  71. M
  72. J
  73. J
  74. A
  75. S
  76. O
  77. N
  78. D
  79. 2015
  80. J
  81. F
  82. M
  83. A
  84. M
  85. J
  86. J
  87. A
  88. S
  89. O
  90. N
  91. D
  92. 2014
  93. J
  94. F
  95. M
  96. A
  97. M
  98. J
  99. J
  100. A
  101. S
  102. O
  103. N
  104. D
  105. 2013
  106. J
  107. F
  108. M
  109. A
  110. M
  111. J
  112. J
  113. A
  114. S
  115. O
  116. N
  117. D
  118. 2012
  119. J
  120. F
  121. M
  122. A
  123. M
  124. J
  125. J
  126. A
  127. S
  128. O
  129. N
  130. D
  131. 2011
  132. J
  133. F
  134. M
  135. A
  136. M
  137. J
  138. J
  139. A
  140. S
  141. O
  142. N
  143. D
  144. 2010
  145. J
  146. F
  147. M
  148. A
  149. M
  150. J
  151. J
  152. A
  153. S
  154. O
  155. N
  156. D
  157. 2009
  158. J
  159. F
  160. M
  161. A
  162. M
  163. J
  164. J
  165. A
  166. S
  167. O
  168. N
  169. D
  170. 2008
  171. J
  172. F
  173. M
  174. A
  175. M
  176. J
  177. J
  178. A
  179. S
  180. O
  181. N
  182. D
  183. 2007
  184. J
  185. F
  186. M
  187. A
  188. M
  189. J
  190. J
  191. A
  192. S
  193. O
  194. N
  195. D
  196. 2006
  197. J
  198. F
  199. M
  200. A
  201. M
  202. J
  203. J
  204. A
  205. S
  206. O
  207. N
  208. D
  209. 2005
  210. J
  211. F
  212. M
  213. A
  214. M
  215. J
  216. J
  217. A
  218. S
  219. O
  220. N
  221. D
  222. 2004
  223. J
  224. F
  225. M
  226. A
  227. M
  228. J
  229. J
  230. A
  231. S
  232. O
  233. N
  234. D