Saltar para: Post [1], Pesquisa e Arquivos [2]

A bem da Nação

AS “PRIMAVERAS” DO MUNDO

 

 

Começaram há pouco as “primaveras” no mundo árabe e em vez do desabrochar duma vida nova, mais decente e livre para aqueles povos, só ontem a Tunísia deu, com grande sufoco, o primeiro passo. E foi um passo enorme. Que Alá os proteja.

 

Sobre a Líbia paira o espectro da continuação de guerra civil, o Egipto parece que vai demorar mais tempo a estabilizar-se do que as pirâmides a desmoronarem e, na Síria, de entrada o mundo aplaudiu os revoltosos e esconjurou o Bashar que agora pensa até em apoiá-lo, sabendo que o Al-Qaeda já tomou conta da parte mais rica do país, o norte, onde estão os poços de petróleo, obrigando o tal Bashar a negociar com eles!

 

E com a aproximação dos EUA ao Irão, o mundo sunita tremeu de medo, decidiu formar um exército unificado e continua a sair dinheiro para as mais estranhas e opostas situações: por um lado os sauditas, de onde saiu a Al-Qaeda, simplesmente odeiam o estado monárquico, e para não caírem do cavalo, os “nobres” enchem de dinheiro os oposicionistas que aguardam o momento para transformar a Arábia em mais um Estado teocrático, e entretanto vão espalhando madraças pelo mundo todo, incentivando as “irmandades muçulmanas” e a “Jihad”. Ao mesmo tempo financiam os generais egípcios, ferozes adversários dos tais “irmãos”, sem deixar de mandar dinheiro também para estes.

 

O chamado equilíbrio desequilibrado cujo tombo parece prever-se, mas não se imagina quando.

 

Outra primavera infernal atinge agora a Ucrânia, encravada e sob a pata dos sovietes (os mesmos que foram da KGB), a quem está a ser negada a sua liberdade.

 

País, povo sofrido, que só se tornou uma “república”, satélite da URSS, em 1922, para, teoricamente adquirir independência em 1991, após o colapso (?) bolchevique.

 

 Kiev, Janeiro de 2014 - manifestantes barricados e acampados

 

Mais um país com fronteiras feitas a martelo, diferentes línguas, ucraniana e russa, uma região industrial que desenvolvida pela URSS e a área agrícola, onde os mesmos bolcheviques praticaram o que deve ser sido o maior genocídio de toda a história da humanidade, conhecido pelo genocídio de Holodomor.

 

Nem Mao, nem Hitler conseguiram dizimar tanta gente!

 

Não faz muito tempo. Foi no início dos anos trinta do século passado e o povo, o que sobrou, não esqueceu, nem jamais pode esquecer, o assassinato consentido, determinado, de muitos milhões de ucranianos por ordem do soviete supremo, na altura sob a ferocidade do famigerado Iossif Vissarionovitch Djugashvili, o Stalin de triste, tristíssima, asquerosa, memória.

 

Depois de lhes nacionalizarem as terras, roubado gado e máquinas, deixaram-nos morrer ou de fome porque lhes confiscaram até 90% dos alimentos que produziram, ou assassinados, fuzilados, enviados para a Sibéria, etc., não se sabe ao certo quantos, mas os historiadores calculam que tenham sido entre 4 a10 ou mais milhões. Além das duas ondas de expurgos (1929-1934 e 1936-1938) que resultaram na eliminação de quatro-quintos da elite cultural da Ucrânia.

 

Como é de se esperar, esta parte do povo ucraniano, e os ucranianos natos são 78% da população, não “engole” a Rússia, nem jamais vai aceitar de bom grado, uma vez mais, a pata do urso nas suas cabeças. Ao mesmo tempo há a população da parte oriental, de língua russa, sendo ucraniana – os russos são 17% da população total – que vive da indústria, da exploração de carvão, etc., e aceita a tutela. Um país dividido, onde jamais o bom entendimento vai acontecer.

 

Além de mais, a Rússia não largará mão das suas bases navais no Mar Negro.

 

E como complicador – ? – final, a principal igreja da Ucrânia é a Ortodoxa Ucraniana vinculada ao Patriarcado de Moscovo, com 7.540 paróquias, mas só com 27% dos cristãos e a segunda, Igreja Ortodoxa Ucraniana do Patriarcado de Kiev, com 1.977 paróquias congregando 55% dos cristãos.

UCRÂNIA

 

E todos sabem que quando a religião entra nestes problemas de cidadania, independência, etc., o seu peso é grande, porque a fé do povo tem muita força.

 

Assunto a acompanhar e, quem sabe, ver surgir mais um país na Europa.

 

Pergunta final: como é possível que ainda haja idiotas que se dizem, ou são, comunistas? Tais como as donas madamas e os donos do Brasil que financiam – pagam, pagam mesmo, não é empréstimo, e com dinheiro do povo brasileiro – um porto de mar em Cuba, vão lá para o inaugurar e beijar a mão ao fidelíssimo!

 

Doença mortal e incurável.

 

29/01/2014

 

 Francisco Gomes de Amorim

Mais sobre mim

foto do autor

Sigam-me

Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

Arquivo

  1. 2019
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2018
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2017
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2016
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D
  53. 2015
  54. J
  55. F
  56. M
  57. A
  58. M
  59. J
  60. J
  61. A
  62. S
  63. O
  64. N
  65. D
  66. 2014
  67. J
  68. F
  69. M
  70. A
  71. M
  72. J
  73. J
  74. A
  75. S
  76. O
  77. N
  78. D
  79. 2013
  80. J
  81. F
  82. M
  83. A
  84. M
  85. J
  86. J
  87. A
  88. S
  89. O
  90. N
  91. D
  92. 2012
  93. J
  94. F
  95. M
  96. A
  97. M
  98. J
  99. J
  100. A
  101. S
  102. O
  103. N
  104. D
  105. 2011
  106. J
  107. F
  108. M
  109. A
  110. M
  111. J
  112. J
  113. A
  114. S
  115. O
  116. N
  117. D
  118. 2010
  119. J
  120. F
  121. M
  122. A
  123. M
  124. J
  125. J
  126. A
  127. S
  128. O
  129. N
  130. D
  131. 2009
  132. J
  133. F
  134. M
  135. A
  136. M
  137. J
  138. J
  139. A
  140. S
  141. O
  142. N
  143. D
  144. 2008
  145. J
  146. F
  147. M
  148. A
  149. M
  150. J
  151. J
  152. A
  153. S
  154. O
  155. N
  156. D
  157. 2007
  158. J
  159. F
  160. M
  161. A
  162. M
  163. J
  164. J
  165. A
  166. S
  167. O
  168. N
  169. D
  170. 2006
  171. J
  172. F
  173. M
  174. A
  175. M
  176. J
  177. J
  178. A
  179. S
  180. O
  181. N
  182. D
  183. 2005
  184. J
  185. F
  186. M
  187. A
  188. M
  189. J
  190. J
  191. A
  192. S
  193. O
  194. N
  195. D
  196. 2004
  197. J
  198. F
  199. M
  200. A
  201. M
  202. J
  203. J
  204. A
  205. S
  206. O
  207. N
  208. D