Saltar para: Post [1], Comentar [2], Pesquisa e Arquivos [3]

A bem da Nação

AS FASES HISTÓRICAS DO PROFETA MAOMÉ

 

Islão.png

 

(...) a cronologia das suras, de acordo com o estudo de Theodor Nöldete, apresentado em 1864 e tornado clássico nos meios dos teólogos muçulmanos, [são] distribuídas em quatro períodos históricos de Maomé: os três primeiros no tempo de Maomé e de Meca, o primeiro entre os anos 610 e 615, o segundo entre os anos 615 e 619, o terceiro entre os anos 619 e 622 e o quarto, já em Medina, entre os anos 622 e 632. O autor aprecia as suras, misturadas compulsivamente pela redacção final, de acordo com a literatura intrínseca à língua árabe, número de versículos, dados históricos e revelação contínua confrontada com o mundo politeísta, judaico e cristão com quem Maomé se confrontou.

 

A página que descreve o último período, o de Medina, é deveras ilustrativa: «O quarto grupo de suras pertence ao período de Medina e resulta facilmente identificável. Os versículos são menos fluidos e a prosa mais discursiva. Quanto aos conteúdos, devemos ter em conta que Maomé já não é apenas Profeta mas exerce a “chefia do Estado”. Há uma mudança nos temas; aparecem novas leis para a organização da sociedade, formação de alianças entre tribos e redacção de contratos; normas sobre o matrimónio e as heranças, sobre a pureza ritual e a forma de praticar o culto; novas prescrições para o pagamento do imposto para atender às pessoas necessitadas dentro da comunidade, a prática do Ramadão, a peregrinação a Meca no caso de se dispor de meios para o fazer e a sexta-feira como o dia dedicado à oração comunitária. O aspecto jurídico tem uma importância especial e a normativa torna-se cada vez mais complexa e minuciosa. Apresento três exemplos: a redacção de contratos no caso de dívidas (2, 282), os impedimentos para se poder casar (4, 23) e a herança (4, 11).

 

As suras do período medinense caracterizam-se pela rigidez no tratamento dos muçulmanos que renunciam à fé. Uma vez que se abraçou o Islão, nunca mais se pode abandonar. Quem o fizer, é considerado definitivamente perdido (3, 85-91) e “incorrerá na ira de Deus e terá um castigo terrível” (16, 106): será atirado para a geena (4, 115). Deus não perdoa a quem morrer como infiel (47, 34). Contra eles penderá um castigo doloroso.

 

Há uma mudança de atitude para com os judeus e, em parte, também para [com] os cristãos. Agudizam-se as diferenças. O Alcorão acusa-os de terem modificado as Escrituras (2, 42. 75. 146. 159. 174; 3, 78, 4, 46). Isto explica as mudanças que se produzem em determinadas práticas religiosas, como seja a direcção da oração (2, 142 e ss.) e o mês do jejum (2,183). Depois da Hégira, os muçulmanos rezavam voltados para Jerusalém, como faziam os judeus de Medina de acordo com as normas veterotestamentárias (1Rs 8, 44; Dn 6, 11). Porém, um ano depois, devido às discussões com os judeus, os muçulmanos decidiram, como alkibla, rezarem voltados para a Kaaba (2, 142. 177). Determina-se com precisão a moral muçulmana e critica-se o apego excessivo aos bens terrenos.

 

Nem sempre resulta fácil identificar o período em que foi revelada cada sura. Nalguns casos há desacordo entre os especialistas. E também deveremos dizer que nem todos os versículos duma mesma sura pertencem necessariamente ao mesmo período.»

 

 

InDEUS EXISTE? – Uma viagem pelas religiões”,

P. Joaquim Carreira das Neves.png P. Carreira das Neves, Editorial Presença, 4ª edição, Setembro de 2013, pág. 312 e seg.

Comentar:

CorretorEmoji

Se preenchido, o e-mail é usado apenas para notificação de respostas.

Este blog tem comentários moderados.

Este blog optou por gravar os IPs de quem comenta os seus posts.

Mais sobre mim

foto do autor

Sigam-me

Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

Arquivo

  1. 2019
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2018
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2017
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2016
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D
  53. 2015
  54. J
  55. F
  56. M
  57. A
  58. M
  59. J
  60. J
  61. A
  62. S
  63. O
  64. N
  65. D
  66. 2014
  67. J
  68. F
  69. M
  70. A
  71. M
  72. J
  73. J
  74. A
  75. S
  76. O
  77. N
  78. D
  79. 2013
  80. J
  81. F
  82. M
  83. A
  84. M
  85. J
  86. J
  87. A
  88. S
  89. O
  90. N
  91. D
  92. 2012
  93. J
  94. F
  95. M
  96. A
  97. M
  98. J
  99. J
  100. A
  101. S
  102. O
  103. N
  104. D
  105. 2011
  106. J
  107. F
  108. M
  109. A
  110. M
  111. J
  112. J
  113. A
  114. S
  115. O
  116. N
  117. D
  118. 2010
  119. J
  120. F
  121. M
  122. A
  123. M
  124. J
  125. J
  126. A
  127. S
  128. O
  129. N
  130. D
  131. 2009
  132. J
  133. F
  134. M
  135. A
  136. M
  137. J
  138. J
  139. A
  140. S
  141. O
  142. N
  143. D
  144. 2008
  145. J
  146. F
  147. M
  148. A
  149. M
  150. J
  151. J
  152. A
  153. S
  154. O
  155. N
  156. D
  157. 2007
  158. J
  159. F
  160. M
  161. A
  162. M
  163. J
  164. J
  165. A
  166. S
  167. O
  168. N
  169. D
  170. 2006
  171. J
  172. F
  173. M
  174. A
  175. M
  176. J
  177. J
  178. A
  179. S
  180. O
  181. N
  182. D
  183. 2005
  184. J
  185. F
  186. M
  187. A
  188. M
  189. J
  190. J
  191. A
  192. S
  193. O
  194. N
  195. D
  196. 2004
  197. J
  198. F
  199. M
  200. A
  201. M
  202. J
  203. J
  204. A
  205. S
  206. O
  207. N
  208. D