Saltar para: Post [1], Pesquisa e Arquivos [2]

A bem da Nação

ARCOBALENO

 

BB-arcobaleno.jpg

 

Um breve texto, antes diria comentário, de António da Cunha Duarte Justo que me pôs a pensar na densidade do pensamento que pretende atingir uma santa perfeição, na sua posição intermédia, a virar neutralidade, ao analisar os fanatismos da direita e os da esquerda, mais os primeiros do que os últimos, todavia, merecendo, os extremistas daquela, um rigor crítico mais castigador, conotados, ao que parece, com a cor preta – se é que o preto constitui cor – o vermelho sendo marca há muito definida para simbolizar a esquerda, além de enfurecer os touros.

 

Na sua posição de compreensão infinita, a sugerir as santas palavras do papa Francisco, que abre os braços a todos os humanos, como já fazia Cristo, mas mais com as criancinhas, pois até foi duro com outros pecadores, como os vendilhões do templo, Duarte Justo lembra aos extremistas de direita – os tais conotados com o negro temeroso – que não devem ser tão densamente fanáticos nas suas acusações à esquerda, devem abrir os braços e aceitar todas as cores, e sobretudo as do arco-íris. Creio que foi nessa referência inspirado na canção cantada pela Judy Garland no “Feiticeiro de Oz”, menina sonhando com um lugar onde a felicidade existe, coloridamente, por trás do arco-íris, que transponho da Internet, por via de uma demonstração exemplificativa do meu pensamento sem fanatismos de cor nenhuma:

BB-Judy Garland.jpg

 https://www.youtube.com/watch?v=Kn8-oaj7wG0

 

Somewhere over the rainbow
Way up high
There's a land that I heard of
Once in a lullaby

Somewhere over the rainbow
Skies are blue
And the dreams that you dare to dream
Really do come true

Some day I'll wish upon a star
And wake up where the clouds are far behind me
Where troubles melt like lemondrops
Away above the chimney tops
That's where you'll find me

Somewhere over the rainbow
Bluebirds fly
Birds fly over the rainbow
Why then, oh why can't I?
Some day I'll wish upon a star
And wake up where the clouds are far behind me
Where troubles melt like lemon drops
Away above the chimney tops
That's where you'll find me

Somewhere over the rainbow
Bluebirds fly
Birds fly over the rainbow
Why then, oh why can't I?

If happy little bluebirds fly
Beyond the rainbow
Why, oh why can't I? 

 

A tese de Duarte Justo, para além de se centrar no colorido do tal arco, simbólico de beatitude, e desfazer no fanatismo, avalia este na sua densidade – o da esquerda, muito esbatido, em confronto com o da extrema-direita, mais avivado, pela pobreza própria do pensamento que carrega em si e atribui aos outros, com presunção e sem nenhum pudor.

 

É uma tese como qualquer outra, mas a demonstração, partindo de uma hipótese já maculada de parti pris, ou seja de subjectividade, não parece atingir o grau de racionalidade necessário a uma perfeita análise, que parece, em nome das cores da solidariedade e da paz, querer pôr-nos a esperar a abertura de braços fraternos a todos os jihads de cutelo em punho ou aos poderosos rebentando a Terra à bomba, ou assando os homens nas câmaras de gás para apuramento das raças e outros desígnios. Deles também é o reino dos céus, segundo a bondosa tese.

 

Quanto a mim, Salles da Fonseca apresenta a melhor resposta para ela, através da citação que nele se faz do discurso do sábio Dante Alighieri, o autor da “Divina Comédia” que, esse sim, revela um perfeito saber humanista, conhecedor dos homens e das mulheres de todas as cores do seu tempo:

Os lugares mais quentes do Inferno estão reservados para aqueles que, em tempos de crise moral, mantêm a sua neutralidade.

 

Berta Brás.jpgBerta Brás

Mais sobre mim

foto do autor

Sigam-me

Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

Arquivo

  1. 2021
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2020
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2019
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2018
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D
  53. 2017
  54. J
  55. F
  56. M
  57. A
  58. M
  59. J
  60. J
  61. A
  62. S
  63. O
  64. N
  65. D
  66. 2016
  67. J
  68. F
  69. M
  70. A
  71. M
  72. J
  73. J
  74. A
  75. S
  76. O
  77. N
  78. D
  79. 2015
  80. J
  81. F
  82. M
  83. A
  84. M
  85. J
  86. J
  87. A
  88. S
  89. O
  90. N
  91. D
  92. 2014
  93. J
  94. F
  95. M
  96. A
  97. M
  98. J
  99. J
  100. A
  101. S
  102. O
  103. N
  104. D
  105. 2013
  106. J
  107. F
  108. M
  109. A
  110. M
  111. J
  112. J
  113. A
  114. S
  115. O
  116. N
  117. D
  118. 2012
  119. J
  120. F
  121. M
  122. A
  123. M
  124. J
  125. J
  126. A
  127. S
  128. O
  129. N
  130. D
  131. 2011
  132. J
  133. F
  134. M
  135. A
  136. M
  137. J
  138. J
  139. A
  140. S
  141. O
  142. N
  143. D
  144. 2010
  145. J
  146. F
  147. M
  148. A
  149. M
  150. J
  151. J
  152. A
  153. S
  154. O
  155. N
  156. D
  157. 2009
  158. J
  159. F
  160. M
  161. A
  162. M
  163. J
  164. J
  165. A
  166. S
  167. O
  168. N
  169. D
  170. 2008
  171. J
  172. F
  173. M
  174. A
  175. M
  176. J
  177. J
  178. A
  179. S
  180. O
  181. N
  182. D
  183. 2007
  184. J
  185. F
  186. M
  187. A
  188. M
  189. J
  190. J
  191. A
  192. S
  193. O
  194. N
  195. D
  196. 2006
  197. J
  198. F
  199. M
  200. A
  201. M
  202. J
  203. J
  204. A
  205. S
  206. O
  207. N
  208. D
  209. 2005
  210. J
  211. F
  212. M
  213. A
  214. M
  215. J
  216. J
  217. A
  218. S
  219. O
  220. N
  221. D
  222. 2004
  223. J
  224. F
  225. M
  226. A
  227. M
  228. J
  229. J
  230. A
  231. S
  232. O
  233. N
  234. D