Saltar para: Post [1], Comentar [2], Pesquisa e Arquivos [3]

A bem da Nação

ANDA COMIGO – 7

De San Sebastian à fronteira foram cerca de 25 quilómetros numa estrada simpática por meio duma paisagem variada e com influência marítima. Lembro-me de termos que esperar numa longa fila de carros e camiões mas a certa altura os pesados foram para um lado e nós, os ligeiros, para outro. E tudo se aligeirou. Até porque a fronteira ferroviária era do lado de lá da fila dos pesados e a confusão não quis nada connosco.

Naquela época, os comboios na Península tinham uma bitola mais larga que a do resto europeu como forma de dificultar uma putativa invasão vinda do lado de lá dos Pirinéus sob as ordens de algum tonto que não conhecesse a opinião de Napoleão. E que opinião era essa? A de que ele próprio nunca arriscaria uma batalha cá nestas paragens temendo algum vexame e por isso enviou sempre algum general que o representasse. O general que se humilhasse, ele, Napoleão, que se safasse. Portanto, ali, naquela fronteira, os passageiros dos comboios tinham que fazer o transbordo e isso, à mistura com as formalidades aduaneiras, fazia um burburinho muito grande. Mas a nossa «porta» era outra e passámos tranquilamente.

Em Hendaia houve um hospital português. Não o vislumbrei. Não, não foi que os franceses precisassem da nossa ajuda sanitária, foi uma acção pontual de apoio ao Contingente Militar Português que se bateu na guerra de 14-18. Da cidade, não me lembro de qualquer coisa que mereça citação ao fim destes 59 anos. Queríamos chegar a Biarritz dali a 40 quilómetros por uma estrada relativamente boa em que, pela primeira vez, vi uma faixa central para ultrapassagens. Enquanto por ali andámos, não vimos dois teimosos a quererem ultrapassar ao mesmo tempo mas em sentidos opostos. Durante muitos anos, o meu pai assinou o AutoJournal que sistematicamente blasfemava contra esta terceira faixa e publicava desenhos dramáticos de choques frontais um pouco por toda a França. Devem ter sido muitas centenas de mortos enquanto aquela imbecilidade persistiu. Mas chegámos sãos e salvos a Biarritz sem termos que fazer qualquer pega de caras a um desembestado que viesse lá da frente.

Por qualquer razão, não parámos em Saint Jean de Luz e, chagados a Biarritz, passámos perto da praia à hora da enchente. Fiquei encantado com a descontração das pessoas. Nada do formalismo circunspecto ibérico, registei na memória um grupo de três ou quatro veraneantes loiras de shorts quase «à cava» e com toalhas ao ombro. Uma delas tinha uma blusa às riscas azuis e brancas. Se eu hoje tenho 75 anos, ela deve ter quase 100 mas se ler estas linhas, fique sabendo que há 59 anos aquela blusa e respectivo conteúdo chamaram a atenção de quem passava num «pão de forma». E, por incrível que possa parecer, esta foi a imagem que retive de Biarritz.

Bordéus, a cerca de 200 quilómetros, próxima etapa. É óbvio que pernoitámos algures pois visitámos Bordéus pela manhãzinha. E se da cidade – onde nunca mais voltei – me resta apenas uma vaga ideia (nada que a Internet não resolva), há outra curiosidade que dá para contar com prejuízo da extensão deste escrito.

O meu avô materno era industrial de conservas no Algarve e em Marrocos pelo que instalou um escritório em Bordéus e outro em Londres para fazerem a comercialização das ditas conservas em França e Inglaterra, respectivamente. Foi então que o meu avô decidiu acrescentar um «L» ao Sales original para distinguir do «sales» francês (sujos) e do «sales» inglês (saldos). E assim passámos a ser Salles em vez de Sales.

Eis como, para mim, Bordéus se escreve com mais um «L».

E hoje fico-me por aqui pois, à custa de banalidades, o texto já vai longo. Amanhã há mais.

(continua)

Abril de 2020

Henrique Salles da Fonseca

Comentar:

Mais

Se preenchido, o e-mail é usado apenas para notificação de respostas.

Este blog tem comentários moderados.

Este blog optou por gravar os IPs de quem comenta os seus posts.

Mais sobre mim

foto do autor

Sigam-me

Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

Arquivo

  1. 2021
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2020
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2019
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2018
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D
  53. 2017
  54. J
  55. F
  56. M
  57. A
  58. M
  59. J
  60. J
  61. A
  62. S
  63. O
  64. N
  65. D
  66. 2016
  67. J
  68. F
  69. M
  70. A
  71. M
  72. J
  73. J
  74. A
  75. S
  76. O
  77. N
  78. D
  79. 2015
  80. J
  81. F
  82. M
  83. A
  84. M
  85. J
  86. J
  87. A
  88. S
  89. O
  90. N
  91. D
  92. 2014
  93. J
  94. F
  95. M
  96. A
  97. M
  98. J
  99. J
  100. A
  101. S
  102. O
  103. N
  104. D
  105. 2013
  106. J
  107. F
  108. M
  109. A
  110. M
  111. J
  112. J
  113. A
  114. S
  115. O
  116. N
  117. D
  118. 2012
  119. J
  120. F
  121. M
  122. A
  123. M
  124. J
  125. J
  126. A
  127. S
  128. O
  129. N
  130. D
  131. 2011
  132. J
  133. F
  134. M
  135. A
  136. M
  137. J
  138. J
  139. A
  140. S
  141. O
  142. N
  143. D
  144. 2010
  145. J
  146. F
  147. M
  148. A
  149. M
  150. J
  151. J
  152. A
  153. S
  154. O
  155. N
  156. D
  157. 2009
  158. J
  159. F
  160. M
  161. A
  162. M
  163. J
  164. J
  165. A
  166. S
  167. O
  168. N
  169. D
  170. 2008
  171. J
  172. F
  173. M
  174. A
  175. M
  176. J
  177. J
  178. A
  179. S
  180. O
  181. N
  182. D
  183. 2007
  184. J
  185. F
  186. M
  187. A
  188. M
  189. J
  190. J
  191. A
  192. S
  193. O
  194. N
  195. D
  196. 2006
  197. J
  198. F
  199. M
  200. A
  201. M
  202. J
  203. J
  204. A
  205. S
  206. O
  207. N
  208. D
  209. 2005
  210. J
  211. F
  212. M
  213. A
  214. M
  215. J
  216. J
  217. A
  218. S
  219. O
  220. N
  221. D
  222. 2004
  223. J
  224. F
  225. M
  226. A
  227. M
  228. J
  229. J
  230. A
  231. S
  232. O
  233. N
  234. D