Saltar para: Post [1], Pesquisa e Arquivos [2]

A bem da Nação

ANDA COMIGO – 7

De San Sebastian à fronteira foram cerca de 25 quilómetros numa estrada simpática por meio duma paisagem variada e com influência marítima. Lembro-me de termos que esperar numa longa fila de carros e camiões mas a certa altura os pesados foram para um lado e nós, os ligeiros, para outro. E tudo se aligeirou. Até porque a fronteira ferroviária era do lado de lá da fila dos pesados e a confusão não quis nada connosco.

Naquela época, os comboios na Península tinham uma bitola mais larga que a do resto europeu como forma de dificultar uma putativa invasão vinda do lado de lá dos Pirinéus sob as ordens de algum tonto que não conhecesse a opinião de Napoleão. E que opinião era essa? A de que ele próprio nunca arriscaria uma batalha cá nestas paragens temendo algum vexame e por isso enviou sempre algum general que o representasse. O general que se humilhasse, ele, Napoleão, que se safasse. Portanto, ali, naquela fronteira, os passageiros dos comboios tinham que fazer o transbordo e isso, à mistura com as formalidades aduaneiras, fazia um burburinho muito grande. Mas a nossa «porta» era outra e passámos tranquilamente.

Em Hendaia houve um hospital português. Não o vislumbrei. Não, não foi que os franceses precisassem da nossa ajuda sanitária, foi uma acção pontual de apoio ao Contingente Militar Português que se bateu na guerra de 14-18. Da cidade, não me lembro de qualquer coisa que mereça citação ao fim destes 59 anos. Queríamos chegar a Biarritz dali a 40 quilómetros por uma estrada relativamente boa em que, pela primeira vez, vi uma faixa central para ultrapassagens. Enquanto por ali andámos, não vimos dois teimosos a quererem ultrapassar ao mesmo tempo mas em sentidos opostos. Durante muitos anos, o meu pai assinou o AutoJournal que sistematicamente blasfemava contra esta terceira faixa e publicava desenhos dramáticos de choques frontais um pouco por toda a França. Devem ter sido muitas centenas de mortos enquanto aquela imbecilidade persistiu. Mas chegámos sãos e salvos a Biarritz sem termos que fazer qualquer pega de caras a um desembestado que viesse lá da frente.

Por qualquer razão, não parámos em Saint Jean de Luz e, chagados a Biarritz, passámos perto da praia à hora da enchente. Fiquei encantado com a descontração das pessoas. Nada do formalismo circunspecto ibérico, registei na memória um grupo de três ou quatro veraneantes loiras de shorts quase «à cava» e com toalhas ao ombro. Uma delas tinha uma blusa às riscas azuis e brancas. Se eu hoje tenho 75 anos, ela deve ter quase 100 mas se ler estas linhas, fique sabendo que há 59 anos aquela blusa e respectivo conteúdo chamaram a atenção de quem passava num «pão de forma». E, por incrível que possa parecer, esta foi a imagem que retive de Biarritz.

Bordéus, a cerca de 200 quilómetros, próxima etapa. É óbvio que pernoitámos algures pois visitámos Bordéus pela manhãzinha. E se da cidade – onde nunca mais voltei – me resta apenas uma vaga ideia (nada que a Internet não resolva), há outra curiosidade que dá para contar com prejuízo da extensão deste escrito.

O meu avô materno era industrial de conservas no Algarve e em Marrocos pelo que instalou um escritório em Bordéus e outro em Londres para fazerem a comercialização das ditas conservas em França e Inglaterra, respectivamente. Foi então que o meu avô decidiu acrescentar um «L» ao Sales original para distinguir do «sales» francês (sujos) e do «sales» inglês (saldos). E assim passámos a ser Salles em vez de Sales.

Eis como, para mim, Bordéus se escreve com mais um «L».

E hoje fico-me por aqui pois, à custa de banalidades, o texto já vai longo. Amanhã há mais.

(continua)

Abril de 2020

Henrique Salles da Fonseca

Mais sobre mim

foto do autor

Sigam-me

Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

Arquivo

  1. 2021
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2020
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2019
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2018
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D
  53. 2017
  54. J
  55. F
  56. M
  57. A
  58. M
  59. J
  60. J
  61. A
  62. S
  63. O
  64. N
  65. D
  66. 2016
  67. J
  68. F
  69. M
  70. A
  71. M
  72. J
  73. J
  74. A
  75. S
  76. O
  77. N
  78. D
  79. 2015
  80. J
  81. F
  82. M
  83. A
  84. M
  85. J
  86. J
  87. A
  88. S
  89. O
  90. N
  91. D
  92. 2014
  93. J
  94. F
  95. M
  96. A
  97. M
  98. J
  99. J
  100. A
  101. S
  102. O
  103. N
  104. D
  105. 2013
  106. J
  107. F
  108. M
  109. A
  110. M
  111. J
  112. J
  113. A
  114. S
  115. O
  116. N
  117. D
  118. 2012
  119. J
  120. F
  121. M
  122. A
  123. M
  124. J
  125. J
  126. A
  127. S
  128. O
  129. N
  130. D
  131. 2011
  132. J
  133. F
  134. M
  135. A
  136. M
  137. J
  138. J
  139. A
  140. S
  141. O
  142. N
  143. D
  144. 2010
  145. J
  146. F
  147. M
  148. A
  149. M
  150. J
  151. J
  152. A
  153. S
  154. O
  155. N
  156. D
  157. 2009
  158. J
  159. F
  160. M
  161. A
  162. M
  163. J
  164. J
  165. A
  166. S
  167. O
  168. N
  169. D
  170. 2008
  171. J
  172. F
  173. M
  174. A
  175. M
  176. J
  177. J
  178. A
  179. S
  180. O
  181. N
  182. D
  183. 2007
  184. J
  185. F
  186. M
  187. A
  188. M
  189. J
  190. J
  191. A
  192. S
  193. O
  194. N
  195. D
  196. 2006
  197. J
  198. F
  199. M
  200. A
  201. M
  202. J
  203. J
  204. A
  205. S
  206. O
  207. N
  208. D
  209. 2005
  210. J
  211. F
  212. M
  213. A
  214. M
  215. J
  216. J
  217. A
  218. S
  219. O
  220. N
  221. D
  222. 2004
  223. J
  224. F
  225. M
  226. A
  227. M
  228. J
  229. J
  230. A
  231. S
  232. O
  233. N
  234. D