Saltar para: Post [1], Comentar [2], Pesquisa e Arquivos [3]

A bem da Nação

ANDA COMIGO - 4

Meados de Julho de 1961, cais de S. Martinho do Porto, meio da tarde, casa de praia da família Sommer d’Andrade. Visita à lota ali um pouco mais adiante, dois ou três dedos de conversa na varanda, jantar e despedida dos meus pais que regressavam à nossa casa de Verão, em Cascais. Nós, os cinco viajantes, partiríamos na manhã seguinte rumo à aventura. Como hoje se diz, a carrinha era um «pão de forma» VolksWagen dentro da qual dormiríamos três e os outros dois dormiriam numa tenda de campismo.

Na manhã seguinte, despedidas finais de quem ficava e rodas à estrada pelas 9 da manhã, mais coisa-menos coisa.

Naquela época, quem viesse de Lisboa rumo ao Norte, perdia sistematicamente a autoestrada em Vila Franca de Xira (talvez por gritante deficiência de sinalização…) e só voltava a acertar-se com ela nos Carvalhos, já perto do Porto. Restou-nos, pois, a hipótese de irmos a Alfeizerão para apanharmos a estrada nacional 1 até à Bairrada, virarmos para o Luso, pararmos uns minutos em Mortágua para eu me despedir dos meus avós (que naquele ano ainda não tinham ido para nossa casa em Cascais) e rumado a Vilar Formoso.

Ainda faltavam 38 anos para a constituição do Espaço Schengen e da nossa carrada constavam quatro menores cuja legalidade na «exportação» tinha que ser demonstrada. Os três manos d’Andrade iam com o Pai e bastava exibir os respectivos Bilhetes de Identidade mas em relação a mim, havia que exibir a autorização do meu Pai. E todos esses formalismos implicaram alguma demora na fila do guichet da Guarda Fiscal e na tramitação processual propriamente dita de toda a documentação (faltavam algumas décadas para que começassem a aparecer computadores, tudo era registado «à unha») até que todos tivéssemos os passaportes devidamente carimbados. Lembro-me de que a vistoria aduaneira ao interior do «pão de forma» foi rápida e simbólica, só para não se dizer que o militar da Guarda Fiscal não metera a cabeça lá dentro.

Paragem na berma da estrada espanhola para trincarmos uma sandocha e bebermos um pirolito sem solavancos nem stress; volta rápida por Ciudad Rodrigo para ficarmos com uma ideia da cidade histórica e lá vamos nós a caminho de Salamanca…; o «pão de forma» não era um Porshe, íamos «de espácio»… a ver os cabos telefónicos pendurados em «postes» feitos de árvores mortas podadas sabe-se lá como, a estrada estreita a pedir mais alcatrão nalgumas «trepidações», «pueblos» amarelados, pobres, muito pobres e poeirentos. Nós, os miúdos, não tínhamos maturidade nem conhecimentos para podermos pensar por nós próprios mas podíamos armazenar a informação que ali víamos. E não foi necessário esperar estes anos todos desde 1961 para sabermos que não é impunemente que um país – uma sociedade - passa por uma guerra civil seguida por uma guerra mundial e por um embargo internacional. As vítimas não são os detentores do Poder, qualquer que ele seja, são os inocentes cá de baixo, os dos «pueblos», sejam estes de meia dúzia de casas ou de milhares delas.

Chegados a Salamanca, demos uma volta pela zona histórica para ficarmos com uma ideia geral. Anos e anos mais tarde, quando soube quem tinham sido Rodrigo, D. Tomás de Torquemada e Alonso III Arcebispo de Fonseca, foi do que desta vez vi em Ciiudad Rodrigo e em Salamanca que me lembrei imaginando-os por aquelas ruelas e praças.

 Saímos de Salamanca em direcçao a Burgos, a três horas de viajem.  Também por ali, trânsito ao ritmo do «lá vai um». Haveríamos de lá chegar noite fechada e naquelas épocas não havia por ali parques de campismo nem nada parecido. Ainda havia Sol, era altura de procurarmos um local aprazível para fazermos aquilo a que hoje chamamos campismo salvagem. Terreno plano, meia dúzia de sobreiros, relva rasteira natural. Instalámo-nos, jantámos à volta duma mesa de campismo, demos alguma conversa e vimos a noite assentar. Mais um pouco de conversa e estava na hora de dormir. Dormi a noite de uma ponta à outra e já havia luz quando acordámos. E, para além da luz, havia também vacas à nossa volta. Felizmente, eram mansas. Na dúvida, movemo-nos com cautela porque nenhum de nós ainda tinha vocação de «gran toreros»[i].

Feitas as abluções matinais e tomado o pequeno almoço sem metermos medo aos cornúpetos nem levarmos nenhuma cornada, desmontámos o acampamento e pusemos o «pão de forma» com as rodas da frente a andar à frente das de trás.

Amanhã há mais.

(continua)

Abril de 2020

Henrique Salles da Fonseca

 

[i] - O Zé Luí, sim, veio a ser cavaleiro tauromáquico de alternativa.

Comentar:

Mais

Se preenchido, o e-mail é usado apenas para notificação de respostas.

Este blog tem comentários moderados.

Este blog optou por gravar os IPs de quem comenta os seus posts.

Mais sobre mim

foto do autor

Sigam-me

Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

Arquivo

  1. 2021
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2020
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2019
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2018
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D
  53. 2017
  54. J
  55. F
  56. M
  57. A
  58. M
  59. J
  60. J
  61. A
  62. S
  63. O
  64. N
  65. D
  66. 2016
  67. J
  68. F
  69. M
  70. A
  71. M
  72. J
  73. J
  74. A
  75. S
  76. O
  77. N
  78. D
  79. 2015
  80. J
  81. F
  82. M
  83. A
  84. M
  85. J
  86. J
  87. A
  88. S
  89. O
  90. N
  91. D
  92. 2014
  93. J
  94. F
  95. M
  96. A
  97. M
  98. J
  99. J
  100. A
  101. S
  102. O
  103. N
  104. D
  105. 2013
  106. J
  107. F
  108. M
  109. A
  110. M
  111. J
  112. J
  113. A
  114. S
  115. O
  116. N
  117. D
  118. 2012
  119. J
  120. F
  121. M
  122. A
  123. M
  124. J
  125. J
  126. A
  127. S
  128. O
  129. N
  130. D
  131. 2011
  132. J
  133. F
  134. M
  135. A
  136. M
  137. J
  138. J
  139. A
  140. S
  141. O
  142. N
  143. D
  144. 2010
  145. J
  146. F
  147. M
  148. A
  149. M
  150. J
  151. J
  152. A
  153. S
  154. O
  155. N
  156. D
  157. 2009
  158. J
  159. F
  160. M
  161. A
  162. M
  163. J
  164. J
  165. A
  166. S
  167. O
  168. N
  169. D
  170. 2008
  171. J
  172. F
  173. M
  174. A
  175. M
  176. J
  177. J
  178. A
  179. S
  180. O
  181. N
  182. D
  183. 2007
  184. J
  185. F
  186. M
  187. A
  188. M
  189. J
  190. J
  191. A
  192. S
  193. O
  194. N
  195. D
  196. 2006
  197. J
  198. F
  199. M
  200. A
  201. M
  202. J
  203. J
  204. A
  205. S
  206. O
  207. N
  208. D
  209. 2005
  210. J
  211. F
  212. M
  213. A
  214. M
  215. J
  216. J
  217. A
  218. S
  219. O
  220. N
  221. D
  222. 2004
  223. J
  224. F
  225. M
  226. A
  227. M
  228. J
  229. J
  230. A
  231. S
  232. O
  233. N
  234. D