Saltar para: Post [1], Comentar [2], Pesquisa e Arquivos [3]

A bem da Nação

ANDA COMIGO – 11

Foi depois de almoçarmos no «camping» nas cercanias de Amesterdão que nos lançámos a caminho de Alkmaar para atravessarmos o dique do Zuidersee e chegarmos a Zurich. Sim, na Holanda há uma cidade homófona da da Suíça mas esta a que nos dirigiríamos situa-se na Frízia. E lá estamos de novo a falar de vacas. Mas estas são malhadas de branco e preto e vocacionadas para a produção de leite, não de filet mignon como as nossas visitantes espanholas de há uns dias a trás. Ao todo, esta etapa seria da ordem dos 150 quilómetros, 32 dos quais sobre o dique.

E vamos lá nós perceber aquela gente… O Zuidersee é um golfo do Mar do Norte que se estendia por ali dentro até ao centro da Holanda mas o nome significa literalmente «Mar do Sul» (zuider = do Sul; see = mar). Muito bem, admito que tenham sido os donos das vacas leiteiras a baptizar o dito mar que, em relação a eles (mas só a eles) se estende no sentido do Sul. Relativamente a todos os outros holandeses, o Mar do Sul situa-se a Norte. Mas quem somos nós para lhes afinar as bússolas? O que interessa é que todos sejam felizes. O golfo já foi muito mais vasto do que o é actualmente e as suas margens primitivas fazem parte dos territórios ganhos ao mar. Daí, a importância fundamental do dique por que passámos. E se aquela grande obra começou por ser um dique que sustinha as investidas do Mar do Norte, depois de algum tempo passou a ser uma barragem pois os níveis das águas de cada lado passaram a ser diferentes. A muralha passou a barrar a entrada das águas do mar naquela zona que tinha sido um seu golfo. Daqui, o ditado que apregoa que «Deus fez o mundo e os holandeses fizeram a Holanda»[i] (e os portugueses fizeram os mulatos).

Em meados de 1961, Zurich – esta, por que passámos à saída do dique – de cidade tinha o nome pois era, na nossa escala de valores urbanos, uma vila nem grande nem pequena, antes pelo contrário. Bonita, muito bem arranjada a fazer jus à paisagem envolvente que, como o resto da Holanda, me encantou. Uma particularidade que aqui notei pela primeira vez: a erva dos campos era pujante e ruminável até ao alcatrão, sem as bermas carecas típicas da Península Ibérica mais setentrional. A partir desta constatação, passei a observar o mesmo em toda a Europa por onde fomos passando e sobre que contarei…

Perguntado em inglês, um súbdito holandês respondeu-nos cortesmente que por ali não havia nenhum parque de campismo mas que avançássemos em direcção à fronteira alemã que logo lá encontraríamos o que procurávamos. Daquela Zurich a Bremen seriam cerca de 330 quilómetros. Ainda o Sol ia alto, foi decidido avançar até à fronteira a cerca de 10 quilómetros e perguntar a um guarda (se os houvesse) onde seria o parque de campismo mais próximo. Sim, havia guardas fronteiriços que não se cansavam muito com o trabalho e o «camping» mais próximo ficava ali logo à frente, já na Alemanha, a menos do que ao alcance de um tiro de arcabuz. E se a medição da distância parecia reminiscente de uma vintena de anos antes, o ambiente fronteiriço era sereno se não mesmo amistoso. Não sei como eles se entendiam mas nós, na Holanda falámos inglês e na Alemanha falámos alemão.

Era cedo, o Sol ia no ar, assentámos acampamento, demos uns quantos dedos de conversa e vimos a noite chagar. Era igual às que tínhamos visto do outro lado da fronteira. A paisagem é que, sendo verde e bem tratada, não era mignone como no país das vacas leiteiras, das túlipas e da rainha Juliana.

Ainda hoje estou para saber se foi esta rainha que inventou a sopa.

(continua)

Maio de 2020

Henrique Salles da Fonseca

 

[i] - https://pt.wikipedia.org/wiki/Afsluitdijk

 

Comentar:

Mais

Se preenchido, o e-mail é usado apenas para notificação de respostas.

Este blog tem comentários moderados.

Este blog optou por gravar os IPs de quem comenta os seus posts.

Mais sobre mim

foto do autor

Sigam-me

Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

Arquivo

  1. 2021
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2020
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2019
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2018
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D
  53. 2017
  54. J
  55. F
  56. M
  57. A
  58. M
  59. J
  60. J
  61. A
  62. S
  63. O
  64. N
  65. D
  66. 2016
  67. J
  68. F
  69. M
  70. A
  71. M
  72. J
  73. J
  74. A
  75. S
  76. O
  77. N
  78. D
  79. 2015
  80. J
  81. F
  82. M
  83. A
  84. M
  85. J
  86. J
  87. A
  88. S
  89. O
  90. N
  91. D
  92. 2014
  93. J
  94. F
  95. M
  96. A
  97. M
  98. J
  99. J
  100. A
  101. S
  102. O
  103. N
  104. D
  105. 2013
  106. J
  107. F
  108. M
  109. A
  110. M
  111. J
  112. J
  113. A
  114. S
  115. O
  116. N
  117. D
  118. 2012
  119. J
  120. F
  121. M
  122. A
  123. M
  124. J
  125. J
  126. A
  127. S
  128. O
  129. N
  130. D
  131. 2011
  132. J
  133. F
  134. M
  135. A
  136. M
  137. J
  138. J
  139. A
  140. S
  141. O
  142. N
  143. D
  144. 2010
  145. J
  146. F
  147. M
  148. A
  149. M
  150. J
  151. J
  152. A
  153. S
  154. O
  155. N
  156. D
  157. 2009
  158. J
  159. F
  160. M
  161. A
  162. M
  163. J
  164. J
  165. A
  166. S
  167. O
  168. N
  169. D
  170. 2008
  171. J
  172. F
  173. M
  174. A
  175. M
  176. J
  177. J
  178. A
  179. S
  180. O
  181. N
  182. D
  183. 2007
  184. J
  185. F
  186. M
  187. A
  188. M
  189. J
  190. J
  191. A
  192. S
  193. O
  194. N
  195. D
  196. 2006
  197. J
  198. F
  199. M
  200. A
  201. M
  202. J
  203. J
  204. A
  205. S
  206. O
  207. N
  208. D
  209. 2005
  210. J
  211. F
  212. M
  213. A
  214. M
  215. J
  216. J
  217. A
  218. S
  219. O
  220. N
  221. D
  222. 2004
  223. J
  224. F
  225. M
  226. A
  227. M
  228. J
  229. J
  230. A
  231. S
  232. O
  233. N
  234. D