Saltar para: Post [1], Comentar [2], Pesquisa e Arquivos [3]

A bem da Nação

ANDA COMIGO – 1

Anda comigo

Vamos pela estrada fora

Anda ver a tua terra ´

Como está bonita agora.

Toma o chicote

E com ele dá dois estalos…

… e de mais não me lembro desta canção dos anos 50 do século passado. A diferença está em que desta vez (e das próximas nesta série) não vamos ver a «tua terra» mas sim terras alheias.

* * *

O 30 de Julho de 1959 amanheceu soalheiro e os meus pais levaram-me ao aeroporto da Portela, logo ali ao fundo da Avenida do Aeroporto que hoje se chama «Almirante Gago Coutinho», para eu ir durante um mês para a Alemanha praticar alemão e, já que estávamos com a mão na massa, montar a cavalo num ambiente diferente daquele a que eu estava habituado. Tinha eu fresquíssimos 14 anos e já então me saltava o pé para a aventura.

O meu baptismo de voo tinha sido uns anos antes numa Auster em Alverca[i] mas aquela seria a primeira vez que voaria num avião «grande», dos de passageiros. Seria um voo da Lufthansa mas o avião seria um inglês Vickers Viscount[ii]. O destino seria (e foi) Hannover com escalas em Madrid e Frankfurt.

Poucos passageiros à partida (uma dezena?) e lá fomos até Madrid num percurso sem história.

A aerogare de Barajas era então um edifício mais pequeno do que também então era o nosso em Lisboa e a «sala» dos passageiros em trânsito era uma varanda destapada em quarto de círculo com não mais do que meia dúzia de metros de raio e com três degraus para a placa de estacionamento dos aviões. Os «servicios» eram dentro da aerogare e cada passageiro em trânsito que precisasse de «se servir», era acompanhado por um «Guardia Civil» velhote e barrigudo montado em cima de duas pernas muito altas e fininhas ao estilo de «gran torero» - pelos vistos «pas très réussi» - que ficava de plantão do lado de fora do local dos alívios e regressava com o/a aliviado/a à varanda - não fosse alguém lembrar-se de trocar o virulento Salazar pelo doce Franco. Dificilmente se poderia imaginar missão mais «nobre» para quem uns anos antes andara por certo à trolha sob o comando do Generalíssimo… «Asseos» sob vigilância, sim, mas, quanto ao resto, nem um copo de água. Passada assim cerca de uma hora, veio uma funcionária da companhia aérea (hospedeira de terra, talvez), alemã, encaminhar-nos de regresso ao avião no que fomos seguidos logo depois por mais passageiros que ali iniciavam viagem. Avião quase cheio, todos falavam alemão e não vi ninguém de «traje de luces» nem vestidos travados e com folhos à sevilhana, vestimentas usuais de qualquer espanhol que se presasse. Não? Ah, julguei que sim…

Rodas no ar à hora prevista e lá vamos até aos 11 mil metros de altitude rumo a Frankfurt. Céu limpo e «estrada» sem buracos, serviram almoço cuja ementa esqueci (não sei porquê se «só» passaram 61 anos…). Mas do que me lembro sem quaiquer dúvida é de que tudo sabia exactamente ao mesmo, desde a bebida ao prato principal, ao pão e à sobremesa. Ainda hoje esta particularidade constitui um mistério para a minha fraca sabedoria em culinária.

Chegados a Frankfurt, uma hospedeira de terra conduziu-me à porta de embarque do voo para Hannover. O avião seria um bimotor a hélice parecido com o «Dakota» (DC 3) mas que era de um modelo  chamado «Metropolitan» cujo fabricante esqueci e agora não fui capaz de descobrir.

Meia dúzia ou menos de passageiros, vários lugares vazios. Estranhei, mas não desgostei, que a hospedeira se viesse sentar ao meu lado, verificasse o meu cinto de segurança, me desse rebuçados e se fartasse de conversar. Pareceu-me nervosa. Falei-lhe calmamente e ela lá se foi acalmando até que começámos a descer para o destino. Aterrámos sem novidades e foi então que ela disse que o avião que nos antecedera fora apanhado por uma tempestade e que a colega dela andara à reboleta por tudo quanto era sítio na cabine e tivera que ser evacuada de charola para o hospital. E eu, galaró, convencido de que tinha sido a minha conversa mole que a tinha acalmado.

À minha espera estava uma Senhora nem alta nem baixa, nem gorda nem magra, antes pelo contrário, de loden e chapéu a condizer. Foi aí que tive o meu primeiro contacto com hordas de gente vestida de verde. Levou-me a um hotel no centro da cidade onde dormi e, na manhã seguinte, foi buscar-me e foi comigo de comboio até Verden an der Aller, a cidadezinha onde se localiza a sede da Associação dos Criadores dos Cavalos de Hannover, os famosos hanoverianos, hoje considerados os melhores cavalos de desporto do mundo. A Frau qualquer coisa – nunca lhe soube o nome – não me deve ter dirigido mais do que uma dúzia de palavras desde o aeroporto ao hotel e desde o hotel até que me deixou na Escola da Associação numa viagem de cerca de uma hora (~100 kms). A hospedeira do avião poderia estar nervosa mas era muito mais simpática (e bonita) do que esta mal-disposta trombuda. Contudo, passados estes 61 anos, penso nela e imagino que pudesse ter perdido a família na guerra que acabara apenas 14 anos antes, que ficara emocionalmente destruída, eu sei lá que mais horrores… Não, não tinha aspecto de ter pertencido às SS e muito menos aos SA. Devia ser apenas uma pessoa triste e que ganhava a vida a fazer fretes de levar jovens daqui para ali e vice-versa. Entrei o portão da Escola e ela deu meia volta e… há 61 anos que não a vejo.

(continua)

Abril de 2020

Henrique Salles da Fonseca

[i] - Com o então Coronel Engenheiro e Piloto Aviador Fernando Alberto de Oliveira que mais tarde seria Brigadeiro, Director das OGMA e Ministro das Obras Públicas

[ii] - O Vickers Viscount é um avião quadrimotor turbo-hélice de médio-curso fabricado pela Vickers-Armstrongs (UK) com início de operações em 1953. Foi um dos mais bem-sucedidos aviões da geração do pós-guerra, tendo sido construídos no total 445 aparelhos. (Wikipédia)

Comentar:

Mais

Se preenchido, o e-mail é usado apenas para notificação de respostas.

Este blog tem comentários moderados.

Este blog optou por gravar os IPs de quem comenta os seus posts.

Mais sobre mim

foto do autor

Sigam-me

Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

Arquivo

  1. 2021
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2020
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2019
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2018
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D
  53. 2017
  54. J
  55. F
  56. M
  57. A
  58. M
  59. J
  60. J
  61. A
  62. S
  63. O
  64. N
  65. D
  66. 2016
  67. J
  68. F
  69. M
  70. A
  71. M
  72. J
  73. J
  74. A
  75. S
  76. O
  77. N
  78. D
  79. 2015
  80. J
  81. F
  82. M
  83. A
  84. M
  85. J
  86. J
  87. A
  88. S
  89. O
  90. N
  91. D
  92. 2014
  93. J
  94. F
  95. M
  96. A
  97. M
  98. J
  99. J
  100. A
  101. S
  102. O
  103. N
  104. D
  105. 2013
  106. J
  107. F
  108. M
  109. A
  110. M
  111. J
  112. J
  113. A
  114. S
  115. O
  116. N
  117. D
  118. 2012
  119. J
  120. F
  121. M
  122. A
  123. M
  124. J
  125. J
  126. A
  127. S
  128. O
  129. N
  130. D
  131. 2011
  132. J
  133. F
  134. M
  135. A
  136. M
  137. J
  138. J
  139. A
  140. S
  141. O
  142. N
  143. D
  144. 2010
  145. J
  146. F
  147. M
  148. A
  149. M
  150. J
  151. J
  152. A
  153. S
  154. O
  155. N
  156. D
  157. 2009
  158. J
  159. F
  160. M
  161. A
  162. M
  163. J
  164. J
  165. A
  166. S
  167. O
  168. N
  169. D
  170. 2008
  171. J
  172. F
  173. M
  174. A
  175. M
  176. J
  177. J
  178. A
  179. S
  180. O
  181. N
  182. D
  183. 2007
  184. J
  185. F
  186. M
  187. A
  188. M
  189. J
  190. J
  191. A
  192. S
  193. O
  194. N
  195. D
  196. 2006
  197. J
  198. F
  199. M
  200. A
  201. M
  202. J
  203. J
  204. A
  205. S
  206. O
  207. N
  208. D
  209. 2005
  210. J
  211. F
  212. M
  213. A
  214. M
  215. J
  216. J
  217. A
  218. S
  219. O
  220. N
  221. D
  222. 2004
  223. J
  224. F
  225. M
  226. A
  227. M
  228. J
  229. J
  230. A
  231. S
  232. O
  233. N
  234. D