Saltar para: Post [1], Comentários [2], Pesquisa e Arquivos [3]

A bem da Nação

AMAZÓNIA – 7

 

 

Até aqui contei sobre a situação política que encontrei quando cheguei ao Brasil (1º texto desta série), sobre algumas particularidades físicas e onomásticas do Amazonas (2º texto), do absurdo de certas obras públicas (3º texto), de alguma cultura popular amazónica (4º texto), da vida dos caboclos (5º texto) e da bicharada (6º texto). Resta agora contar sobre tudo o resto.

 

Aqui vai...

 

No dia de intervalo entre os dois cruzeiros ou, se se quiser, entre as duas partes do nosso cruzeiro, com o navio acostado em Manaus, para não ficarmos um dia sem nada que fazer, fizemos (extra-cruzeiro) um passeio de barco visitando uma aldeia índia situada a mais de duas horas de lancha rápida a montante no Negro.

 

HSF-Índio no banho.png

 

Trata-se de uma aldeia construída recentemente para albergar um pequeno grupo de famílias índias que decidiram emigrar para sul, vindos da «floresta lá de cima» que, traduzindo por miúdos, significa a região fronteiriça com a Venezuela e a Colômbia, lá «onde Judas perdeu as botas» e é o local dos maiores segredos, de guerras secretas, de pistas clandestinas para aviões de contrabando, lá onde reina a insegurança de quem quer ter vida tranquila. E por isso estes índios puseram-se nas pirogas e desceram o Negro até que a FUNAI – Fundação Nacional do Índio[1] as albergou e lhes proporcionou um modo de vida cantando e dançando para turistas. E os jovens vão à escola onde aprendem o curriculum geral brasileiro e, em paralelo, a sua própria cultura de modo a que não se sintam marginalizados pela cultura nacional e não percam os laços com a sua raiz nativa.

 

Cantam e dançam para nos mostrarem o seu típico e no final vêm buscar-nos para dançarmos com eles. Felizmente escolheram uma dança muito fácil e nenhum de nós fez figura de grande imbecil pé de chumbo. Só que como fomos todos dançar (até mesmo os coxos), não ficou ninguém para filmar e não há testemunho da nossa «brilhantíssima» participação. Eu dancei com uma velha e com uma nova.

 

E na zona das casas (a das «ocas») lá estava a electricidade do programa lulista «Electricidade para todos» ficando o tipicismo absoluto limitado à zona dos espectáculos.

 

Uma particularidade: estes índios já escolhem com quem querem casar e nem o cacique nem os pais metem mais o bedelho no processo.

HSF-Índio de cuecas.JPG

 E por aquelas partes já ninguém exibe as vergonhas, todos usam cuecas

 

Regressados ao navio e retomado o cruzeiro, visitámos (bem menos afastados da civilização) outra aldeia índia. E aqui não há fingimentos pois ninguém pretende fazer de conta que vive à moda antiga: cultivam os seus valores tradicionais mas abraçam totalmente a civilização moderna sem complexos de inferioridade.

HSF-Amazónia-Professor primário.jpg

 Professor primário, alguns alunos e familiares

 

Pelo contrário, estão empenhados em contrariar o mais que caduco slogan que afirmava que o índio padecia de capito diminutia e não era capaz de absorver a cultura dos brasileiros de primeira. O exemplo foi dado pelo próprio cacique ao fazer um curso de formação e ser oficialmente reconhecido como agente de saúde. Seguiu-se um outro elemento da aldeia que decidiu ser professor do ensino secundário levando à instalação duma escola oficial na própria aldeia evitando o desenraizamento de quem quisesse estudar para além do ensino elementar.

HSF-Amazónia-Professor secundário.jpg

 O professor que fundou a escola secundária

 

Escola esta que tem aulas de informática; aldeia esta em que se faz selecção e valorização de resíduos. O desafio que agora se coloca é o do futuro dos jovens que decidem seguir para o ensino superior. E a questão é: será que depois de licenciados regressam às aldeias para ajudarem a sua gente ou será que só voltam durante as férias? Aconteça o que futuramente acontecer, uma coisa é certa: já não haverá grandes pretextos para os índios instruídos se perderem na selva urbana encharcados em álcool ou noutros vícios. O índio tem as mesmas capacidades que qualquer outra pessoa e definitivamente tem o direito (e a obrigação) de se dar ao respeito e ser útil à Nação.

 

No próximo texto vou referir um pouco da economia seringueira.

 

Abril de 2016

 

Aldeia índia 2.JPG

Henrique Salles da Fonseca

 

[1] http://www.funai.gov.br/

 

5 comentários

Comentar post

Mais sobre mim

foto do autor

Sigam-me

Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

Arquivo

  1. 2019
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2018
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2017
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2016
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D
  53. 2015
  54. J
  55. F
  56. M
  57. A
  58. M
  59. J
  60. J
  61. A
  62. S
  63. O
  64. N
  65. D
  66. 2014
  67. J
  68. F
  69. M
  70. A
  71. M
  72. J
  73. J
  74. A
  75. S
  76. O
  77. N
  78. D
  79. 2013
  80. J
  81. F
  82. M
  83. A
  84. M
  85. J
  86. J
  87. A
  88. S
  89. O
  90. N
  91. D
  92. 2012
  93. J
  94. F
  95. M
  96. A
  97. M
  98. J
  99. J
  100. A
  101. S
  102. O
  103. N
  104. D
  105. 2011
  106. J
  107. F
  108. M
  109. A
  110. M
  111. J
  112. J
  113. A
  114. S
  115. O
  116. N
  117. D
  118. 2010
  119. J
  120. F
  121. M
  122. A
  123. M
  124. J
  125. J
  126. A
  127. S
  128. O
  129. N
  130. D
  131. 2009
  132. J
  133. F
  134. M
  135. A
  136. M
  137. J
  138. J
  139. A
  140. S
  141. O
  142. N
  143. D
  144. 2008
  145. J
  146. F
  147. M
  148. A
  149. M
  150. J
  151. J
  152. A
  153. S
  154. O
  155. N
  156. D
  157. 2007
  158. J
  159. F
  160. M
  161. A
  162. M
  163. J
  164. J
  165. A
  166. S
  167. O
  168. N
  169. D
  170. 2006
  171. J
  172. F
  173. M
  174. A
  175. M
  176. J
  177. J
  178. A
  179. S
  180. O
  181. N
  182. D
  183. 2005
  184. J
  185. F
  186. M
  187. A
  188. M
  189. J
  190. J
  191. A
  192. S
  193. O
  194. N
  195. D
  196. 2004
  197. J
  198. F
  199. M
  200. A
  201. M
  202. J
  203. J
  204. A
  205. S
  206. O
  207. N
  208. D