Saltar para: Post [1], Comentários [2], Pesquisa e Arquivos [3]

A bem da Nação

ALFABETO DO ALVÃO

 

RR-Alvão.jpg

 

"Nos finais do século XIX, no Alvão, Nordeste de Portugal, nas mágicas terras de Trás-os-Montes, encontraram-se, junto a um dólmen, uma série de pedras esculpidas e gravadas com signos idênticos aos de Glozel (...) e com uma antiguidade de mais de 4.000 anos, no mínimo. Esta descoberta foi tão extraordinária que, no princípio, se duvidava dela; só depois, após a descoberta de Glozel (França), é que foi considerada a sua autenticidade. As pedras do Alvão têm formas de animais e de homens e estão gravadas, claramente, com signos alfabéticos que no início foram considerados ibéricos.

 

Em 1927, José Teixeira Rego, em "Os Alfabetos do Alvão e de Glozel, Vol. III, trabalhos da Sociedade Portuguesa de Antropologia e Etnologia, Porto, diz: “Glozel é sem dúvida autêntico e tem uma estreita ligação com o Alvão".

 

...

 

"Descobriu-se uma "linguagem desconhecida indo-europeia".

 

"Platão, na sua Historia da Atlântida, conta que os Atlantes conheciam a escrita; Estrabão, por seu lado, afirma que os Turdetanos, descendentes directos dos Tartessios (Sul de Espanha) conservavam anais históricos e leis escritas numa gramática que remontava a mais de 6.000 anos antes do seu tempo.

 

A Arqueologia e a História académicas ainda não aceitam que assim seja. Pensam ser uma mera invenção de Estrabão e de Platão.

 

A escrita de Tartesso, Glozel, Alvão, gravações enigmáticas em Pena Escrita, perto de Canales de Molina, Espanha, a escrita Vinca, os tijolos de Comalcalco e muitos outros espalhados por todo o nosso Planeta, que significam? Quem os escreveu?"

 

Há eras perdidas, talvez mais de 12.000 anos, existiu uma civilização de aventureiros e marinheiros, que percorreram todos os mares e todas as terras do Planeta terra. Possuíam uma civilização muitíssimo avançada, mesmo em relação com a nossa actual, diferente e mais evoluída que a nossa, por razões ainda desconhecidas, dilúvio, alterações climáticas, mudança do eixo da terra, sei lá, o que fez com que a matriz da dita civilização desaparecesse. Sobreviveram alguns grupos mais ou menos numerosos que se espalharam e tentaram reconstruir o seu mundo perdido em diversos locais e contaram a sua história, que ao longo dos milénios e milénios foram sendo esquecidas e tornaram-se apenas lendas e mitos.

 

Cabe-nos a nós, agora, redescobri-la e reencontrar-nos com o nosso verdadeiro passado.

 

E se essa civilização, a Atlântida se encontrava algures no meio do Atlântico, é também muito natural que os seus sobreviventes se tenham refugiado nas costas da Península Ibérica e foram os seus descendentes que os Celtas encontraram quando há vários milénios atrás chegaram à Península. E isso faz dos Lusitanos e dos Portugueses descendentes dos Atlantes.

 

É por isso, que somos um Povo tão estranho....

 

RR-Alfabeto do Alvão.jpg

 

 

“Alfabeto do Alvão” de António Rodrigues

 

Primeiro alfabeto do mundo? Escrita do Alvão tem mais de 6 mil anos e foi encontrada em Portugal

 

Muitos historiadores aceitam o Fenício como o alfabeto mais antigo, tendo sua datação em 5 mil anos; já o primeiro alfabeto consonantal, aquele no qual a maioria das línguas da actualidade inspirou-se, foi o alfabeto da Idade do Ferro Médio, por volta de 2.000 a.C., criado pelos trabalhadores semitas no Egipto, derivado da escrita hierática egípcia.

 

No entanto, no século XIX em Alvão, Portugal; mais precisamente em Trás-os-Montes descobriu-se junto a um dólmen (do bretão dol = pedra e men = mesa, monumentos megalíticos tumulares colectivos, datados do fim do V milénio a.C. (Europa) até III milénio a.C. (Extremo Oriente); diversas pedras esculpidas com gravações idênticas as encontradas em Glozel, aldeia da França, com datação de mais que 6 mil anos. A princípio, duvidou-se da autenticidade das pedras de Trás-os-Montes que ganhou o nome de "Escrita do Alvão". Porém, após a descoberta em Glozel as mesmas ganharam grande atenção tendo sido considerada uma estreita relação entre a portuguesa e a francesa..

 

Para complementar nosso conhecimento sobre este assunto, o artigo escrito por José Teixeira Rego em 1927 e disponibilizado no site da biblioteca digital da Universidade do Porto, explica-nos mais sobre a relação entre as inscrições de Alvão e Glozel e também traça um paralelo entre ambas as escritas e a Ibérica.

 

 

RR-Escritas Paleo-hispânicas.jpg

 

RR-mais hieróglifos.jpg

RR-Pedra inicial do Alvão.jpg

 

in “Blog Nova Acrópole”

 

1 comentário

Comentar post

Mais sobre mim

foto do autor

Sigam-me

Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

Arquivo

  1. 2021
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2020
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2019
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2018
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D
  53. 2017
  54. J
  55. F
  56. M
  57. A
  58. M
  59. J
  60. J
  61. A
  62. S
  63. O
  64. N
  65. D
  66. 2016
  67. J
  68. F
  69. M
  70. A
  71. M
  72. J
  73. J
  74. A
  75. S
  76. O
  77. N
  78. D
  79. 2015
  80. J
  81. F
  82. M
  83. A
  84. M
  85. J
  86. J
  87. A
  88. S
  89. O
  90. N
  91. D
  92. 2014
  93. J
  94. F
  95. M
  96. A
  97. M
  98. J
  99. J
  100. A
  101. S
  102. O
  103. N
  104. D
  105. 2013
  106. J
  107. F
  108. M
  109. A
  110. M
  111. J
  112. J
  113. A
  114. S
  115. O
  116. N
  117. D
  118. 2012
  119. J
  120. F
  121. M
  122. A
  123. M
  124. J
  125. J
  126. A
  127. S
  128. O
  129. N
  130. D
  131. 2011
  132. J
  133. F
  134. M
  135. A
  136. M
  137. J
  138. J
  139. A
  140. S
  141. O
  142. N
  143. D
  144. 2010
  145. J
  146. F
  147. M
  148. A
  149. M
  150. J
  151. J
  152. A
  153. S
  154. O
  155. N
  156. D
  157. 2009
  158. J
  159. F
  160. M
  161. A
  162. M
  163. J
  164. J
  165. A
  166. S
  167. O
  168. N
  169. D
  170. 2008
  171. J
  172. F
  173. M
  174. A
  175. M
  176. J
  177. J
  178. A
  179. S
  180. O
  181. N
  182. D
  183. 2007
  184. J
  185. F
  186. M
  187. A
  188. M
  189. J
  190. J
  191. A
  192. S
  193. O
  194. N
  195. D
  196. 2006
  197. J
  198. F
  199. M
  200. A
  201. M
  202. J
  203. J
  204. A
  205. S
  206. O
  207. N
  208. D
  209. 2005
  210. J
  211. F
  212. M
  213. A
  214. M
  215. J
  216. J
  217. A
  218. S
  219. O
  220. N
  221. D
  222. 2004
  223. J
  224. F
  225. M
  226. A
  227. M
  228. J
  229. J
  230. A
  231. S
  232. O
  233. N
  234. D