Saltar para: Post [1], Comentar [2], Pesquisa e Arquivos [3]

A bem da Nação

AINDA OS HÁ, MAS NÃO DESSES…

 File:Shakespeare.jpg

 

Dois anos de culto para festejar os 450 anos do nascimento - 26 de Abril de 1564 – e os 400 anos da morte - 23 de Abril de 1616– lê-se no Público de 23/4/14 – e que “arrancam dois anos de comemorações”, com indiscutível pertinência - do maior génio literário de todos os tempos – William Shakespeare – que “omnipresente”, “está em toda a parte”, e “Seja o que for que quisermos expressar, ele disse-o primeiro ou disse-o melhor”, defende aquela que é uma das mais poderosas mulheres no mundo editorial, e que fez a conferência de abertura do seminário Shakespeare - Our Contemporary?, organizado pelo British Council em Berlim, um dos primeiros eventos destas celebrações, que vão durar dois anos e que, no próximo sábado, levarão uma multidão a Stratford-upon-Avon, em Inglaterra, para participar numa festa e procissão até à igreja onde está sepultado o mais famoso poeta e dramaturgo inglês.” …. “Shakespeare é omnipresente. Quase não se pode falar inglês sem o citar. Ele acrescentou mais de 2000 palavras à língua inglesa.”

 

O artigo, de Isabel Coutinho, em Berlim, é amplo de entusiasmo, como é entusiástica a nossa leitura, mal se agarre nas suas peças – de um engenho, riqueza e profundidade de efabulação, de criação de caracteres, de expressão de conceitos, de riqueza linguística e imagística que desde sempre nos deixam “bouche béante”.

 

 

Uma das peças que sempre me seduziu, foi o “Mercador de Veneza”, não só por uma efabulação enternecedora, de amores que concluem em felicidade, ou relevo de caracteres - em que contrastam a dedicação e amizade de um tal Antonio, Mercador de Veneza, com a perfídia de um tal Shylock, judeu usurário, ganancioso, esperto e vingativo, ou a vivacidade de uma tal Portia, que, como advogado travesti, vai contribuir para solucionar o problema do sacrifício imposto a Antonio e simultaneamente contribuir para a felicidade de todos, com excepção para o Judeu, que Antonio, aliás, salvará – mas também pela destreza discursiva e a dimensão dos conceitos reveladores do profundo conhecimento shakespeariano da vida e dos homens.

 

Trata-se de uma peça em cinco actos, ao modo clássico, de diferentes espaços, o primeiro acto consistindo na Exposição do conflito – com Antonio e os seus amigos, numa primeira cena, numa Rua em Veneza, tentando justificar uma irreprimível tristeza premonitória do Mercador de Veneza, que não resulta do facto de ter os seus barcos dispersos pelo mundo com todas as suas riquezas neles embarcadas, com risco de se perderem, mas que promete arranjar o dinheiro necessário, através de empréstimo, para safar o seu amigo Bassânio uma vez mais, a quem quer como filho, numa aventura amorosa de conquista da rica Portia; numa segunda cena, o diálogo de Portia com Nérissa, no interior da casa de Portia, em Belmonte, debitando sobre as suas tristezas, aquela refém da promessa feita a seu pai, antes de este morrer, de casar com o homem que acertasse na escolha do cofre com o seu retrato – entre os três cofrezinhos com inscrições – um de ouro, um de prata e um de chumbo – e os respectivos pretendentes, alvos das suas ironias, o primeiro, um príncipe napolitano “que só fala na sua égua”, o segundo, um conde palatino “que nasceu franzindo o cenho”, um outro –“todo-o-mundo e ninguém” – detestável – que ela jura não aceitar, à excepção de um tal Bassânio que conheceu e amou; a terceira cena, numa Praça Pública em Veneza, o diálogo entre Bassânio e Shylock, (e posteriormente Antonio) com aquele pedindo o empréstimo em nome de Antonio, e que nos dá o retrato psicológico do judeu, nas suas frases repetitivas, curtas e reticentes de astúcia, falsa humildade e ódio por Antonio que o despreza como usurário, retrato que deve ter servido de modelo – mais simpático, todavia - para o judeu d’ “Os Maias “.

 

E o conflito vai prosseguindo, nos actos seguintes, entre outros casos, como o dos amores de Jessica, filha de Shylock, por Lourenço, que a rapta (II Acto), as escolhas dos cofres pelos pretendentes (II e III Actos), a informação da ruína de Antonio, com o naufrágio dos barcos (III Acto), a cena poderosa do julgamento de Antonio, no IV Acto com a insistência de Shylock em não querer outro resgate da dívida que não fosse o que ele pedira – uma libra de carne de Antonio, junto ao coração – e que o falso advogado - Portia, em travesti - depois de um interrogatório cheio de suspense, nas tentativas de apiedar o judeu - com a obstinação deste em não ceder a nenhum tipo de piedade ou de chantagem a cobrir o débito de Antonio, repetindo insistentemente o slogan do seu maquiavelismo – “je veux mon dédit”, e considerando o falso advogado um verdadeiro Daniel, por demonstrar (inicialmente) que a lei estava com ele, Shylock, – o advogado imperturbável pôs como condição indispensável, que a libra de carne requisitada do peito despido de Antonio não pudesse conter nenhuma gota de sangue, nem exceder o peso proposto, sob pena de o condenado à morte ser ele, Shylock.

 

O desenlace, no V Acto, far-se-á com o final feliz dos dois casais Portia/Bassiano, Nérissa/Gratiano, festejando com o corajoso e saudado Antonio, após terem deslindado o caso gracioso dos anéis antes oferecidos pelas donzelas aos noivos, com a promessa de nunca os tirarem dos dedos, o que não aconteceu, pois que por gratidão os ofereceram aos travestis Portia e Nérissa, que os exigiram, como paga por terem salvo Antonio, o que criará graciosos e maliciosos quiproquós nos diálogos finais. O Mercador de Veneza recuperará os seus barcos, além da vida que deveu a Portia. Uma história de amor, uma história de amizade, história de suspense, de sustos, de riscos vários e de cenas burlescas, de aversão pelo judeu mas também de defesa do ponto de vista deste com ataque aos cristãos, de conceitos de relatividade anti-segregacionista – caso do pretendente Maroc, cujo sangue é tanto ou mais vermelho que o do homem do Norte – numa linguagem sentenciosa, por vezes de sátira irónica ou burlesca, e sempre reveladora de uma extraordinária mestria, que se lê e se relê com encanto e espanto crescentes.

 

O caso de um Mercador riquíssimo em fortuna e amizade, cuja nobreza de carácter mereceu a dedicação e a luta dos seus amigos para o seu final feliz. Hoje também se encontram amigos assim. Não necessariamente nos mercadores, mas nos seus advogados de defesa, embora aqueles nem careçam ser de Veneza.

 

Leiamos as cenas dos pretendentes na escolha dos cofres, plenas de mensagem crítica:

 

Acto II: Cena VII:

 

Portia a Nérissa: Afastai a cortina para mostrar os cofres ao príncipe. Ao príncipe: Agora escolhei.

 

Maroc: O primeiro, em ouro. E tem uma inscrição: «Aquele que me escolher ganha o que muitos homens desejam.» O segundo, de prata. Com uma promessa: «O que me escolher obterá o que merece.» O terceiro, em chumbo vulgar: Com uma ameaça brutal: «Aquele que me escolher deve dar e arriscar tudo o que tem». Como saberei eu que escolhi bem?

 

Portia: O meu retrato está encerrado num dos cofrezinhos. Se o encontrar, serei sua mulher.

 

Maroc: Que Deus guie a minha escolha! “Dar e arriscar tudo o que tem?.”Dar? E contra o quê? Contra chumbo. Tudo arriscar por chumbo? Arriscamos na esperança de boas vantagens. Uma bela alma não se baixa por exteriores tão míseros. Eu não darei nem arriscarei nada por chumbo. Que diz o cofre de prata? “O que me escolher obterá tudo o que merece» O que merece! O que valho eu? Muito, se me reporto à minha fama. É bastante para obter a mão de Portia? Duvidar do meu mérito, seria duvidar de mim próprio. Mereço a minha reputação pelo nascimento, as minhas qualidades, o meu amor sobretudo. … “O que me escolher ganha o que muitos homens desejam” O mundo inteiro a deseja…. É preciso um escrínio em ouro para uma pérola tão rara. Dê-me a chave: escolho o ouro.

….

Maroc abre o cofre de ouro: Danação! O que há aqui? Uma cabeça de morto trocista, e um bilhete:

…«Nem tudo o que brilha é ouro; muitas vezes o ouviste dizer. Por isso não te deixes seduzir, só para obteres o meu exterior. Tivesses tu um coração menos fogoso e mais sensato, ou um espírito mais maduro do que o da tua idade, não receberias esta fria mensagem: Assim te recusam. Boa viagem!»

 

Acto II, Cena IX.

 

O Príncipe de Aragão:E desejo que a sorte favoreça o meu coração. Ouro, prata e chumbo vil. Não, não arriscarei nada nem darei nada por coisa tão feia. Que diz o cofre de ouro? «O que me escolher ganha o que muitos homens desejam” Eu não escolherei o que todos desejam; não me confundirei com o comum nem me colocarei ao nível da multidão bárbara que escolhe segundo as aparências. Vejamos a prata: «O que me escolher obterá o que merece.» Bem dito, palavra de honra! Porque se poderá aceder à fortuna e à honra sem o selo do mérito? Se os lugares e as dignidades se obtivessem pelo mérito em vez de se comprarem pela corrupção, mais de um obedeceria em vez de comandar e achar-se-ia muita honra perdida na sujidade do século. “Quem me escolher obtém o que merece”. Fico-me pelo mérito….

Que é isto? O retrato de um parvo que me pisca o olho e me estende um bilhete? Não mereço mais do que uma cabeça de parvo?

Lê o bilhete: “Mais de um louco não é de prata senão dum lado. Seja qual for a tua desposada, tu servirás sempre de risada.”

 

Acto III, Cena II:

 

Bassanio: É assim que os exteriores brilhantes se logram entre si. E sempre o mundo sucumbe às aparências. Em justiça, qual é a causa tão desacreditada e negra que uma voz graciosa não baste para a dissimular? Em religião, qual é a heresia danável que um ar de gravidade não baste para abençoar e que não se possa justificar com um texto da Escritura, cobrindo a grosseria com uma veste de prestígio? O vício mais abjecto reveste o rosto da virtude. O poltrão toma ares de bravura. Mesmo a beleza se mede ao peso, e, milagre da natureza, quanto mais uma mulher se carrega dela mais leviana é. O adorno não é mais que a margem pérfida dum perigoso mar, o véu prestigioso cobrindo o rosto da fealdade, os falsos pareceres de que se reveste um século enganador para fascinar o sensato. Eu recuso o ouro, como igualmente a prata, pálido e vulgar tentador dos homens. A pobreza do chumbo que ameaça mais do que promete, comove-me mais do que o artifício das belas palavras. Escolho o chumbo. (Encontra o retrato de Portia).

 

 Berta Brás

Comentar:

Mais

Se preenchido, o e-mail é usado apenas para notificação de respostas.

Este blog tem comentários moderados.

Este blog optou por gravar os IPs de quem comenta os seus posts.

Mais sobre mim

foto do autor

Sigam-me

Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

Arquivo

  1. 2020
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2019
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2018
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2017
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D
  53. 2016
  54. J
  55. F
  56. M
  57. A
  58. M
  59. J
  60. J
  61. A
  62. S
  63. O
  64. N
  65. D
  66. 2015
  67. J
  68. F
  69. M
  70. A
  71. M
  72. J
  73. J
  74. A
  75. S
  76. O
  77. N
  78. D
  79. 2014
  80. J
  81. F
  82. M
  83. A
  84. M
  85. J
  86. J
  87. A
  88. S
  89. O
  90. N
  91. D
  92. 2013
  93. J
  94. F
  95. M
  96. A
  97. M
  98. J
  99. J
  100. A
  101. S
  102. O
  103. N
  104. D
  105. 2012
  106. J
  107. F
  108. M
  109. A
  110. M
  111. J
  112. J
  113. A
  114. S
  115. O
  116. N
  117. D
  118. 2011
  119. J
  120. F
  121. M
  122. A
  123. M
  124. J
  125. J
  126. A
  127. S
  128. O
  129. N
  130. D
  131. 2010
  132. J
  133. F
  134. M
  135. A
  136. M
  137. J
  138. J
  139. A
  140. S
  141. O
  142. N
  143. D
  144. 2009
  145. J
  146. F
  147. M
  148. A
  149. M
  150. J
  151. J
  152. A
  153. S
  154. O
  155. N
  156. D
  157. 2008
  158. J
  159. F
  160. M
  161. A
  162. M
  163. J
  164. J
  165. A
  166. S
  167. O
  168. N
  169. D
  170. 2007
  171. J
  172. F
  173. M
  174. A
  175. M
  176. J
  177. J
  178. A
  179. S
  180. O
  181. N
  182. D
  183. 2006
  184. J
  185. F
  186. M
  187. A
  188. M
  189. J
  190. J
  191. A
  192. S
  193. O
  194. N
  195. D
  196. 2005
  197. J
  198. F
  199. M
  200. A
  201. M
  202. J
  203. J
  204. A
  205. S
  206. O
  207. N
  208. D
  209. 2004
  210. J
  211. F
  212. M
  213. A
  214. M
  215. J
  216. J
  217. A
  218. S
  219. O
  220. N
  221. D