Saltar para: Post [1], Comentar [2], Pesquisa e Arquivos [3]

A bem da Nação

AÍNDA A INVASÃO BELGA DA ALEMANHA

 

Invasão alemã da Bélgica.jpg

 

Prezado Henrique Salles,

 

Muito interessante o teu artigo.

 

Interpretar algo dito ou feito, em todas as áreas em que acessamos, não é trabalho fácil, pois quem interpreta deixa sempre marcas pessoais e sofre influências geopolíticas e culturais do seu tempo. Além, é claro, de poder estar sujeito a manipulações contextuais que o levem a conclusões nem sempre verdadeiras.

 

Clemenceau era cirúrgico e irónico ao mesmo tempo, suas observações e visão realística não davam margem a devaneios. Coisa que não ocorre com a maioria das pessoas que, por exemplo ao lerem um texto, dão com frequência diferentes interpretações.

 

Mas permita-me relatar uma situação emblemática, mais corriqueira, que o teu texto me levou: tempo houve na escola secundária brasileira que estudar História era decorar datas e factos. Ninguém gostava! E quando o facto histórico era destrinchado, a interpretação vinha mastigada e já digerida com um cunho político marcadamente patriótico, demonizando o estrangeiro. Evidente manipulação do Governo que precisava despertar sentimentos nacionalistas num povo miscigenado adoptando livros específicos a serem lidos, ditos didácticos. Talvez seja por isso (lá vai a minha interpretação pessoal) que no Brasil, de maneira geral, a maior parte da população só se interessa por História e Política quando estas matérias sensibilizam de perto o leitor, como novelas contadas, fantasiadas, à maneira do autor, em que cada um dá a interpretação que mais se aproxima da sua visão pessoal e vivência real.

 

Quem sabe não está aí a explicação do resultado das nossas recentes eleições?...

Maria Eduarda Fagundes.jpg 

Maria Eduarda Fagundes

Comentar:

Mais

Se preenchido, o e-mail é usado apenas para notificação de respostas.

Este blog tem comentários moderados.

Este blog optou por gravar os IPs de quem comenta os seus posts.

Mais sobre mim

foto do autor

Sigam-me

Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

Arquivo

  1. 2020
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2019
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2018
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2017
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D
  53. 2016
  54. J
  55. F
  56. M
  57. A
  58. M
  59. J
  60. J
  61. A
  62. S
  63. O
  64. N
  65. D
  66. 2015
  67. J
  68. F
  69. M
  70. A
  71. M
  72. J
  73. J
  74. A
  75. S
  76. O
  77. N
  78. D
  79. 2014
  80. J
  81. F
  82. M
  83. A
  84. M
  85. J
  86. J
  87. A
  88. S
  89. O
  90. N
  91. D
  92. 2013
  93. J
  94. F
  95. M
  96. A
  97. M
  98. J
  99. J
  100. A
  101. S
  102. O
  103. N
  104. D
  105. 2012
  106. J
  107. F
  108. M
  109. A
  110. M
  111. J
  112. J
  113. A
  114. S
  115. O
  116. N
  117. D
  118. 2011
  119. J
  120. F
  121. M
  122. A
  123. M
  124. J
  125. J
  126. A
  127. S
  128. O
  129. N
  130. D
  131. 2010
  132. J
  133. F
  134. M
  135. A
  136. M
  137. J
  138. J
  139. A
  140. S
  141. O
  142. N
  143. D
  144. 2009
  145. J
  146. F
  147. M
  148. A
  149. M
  150. J
  151. J
  152. A
  153. S
  154. O
  155. N
  156. D
  157. 2008
  158. J
  159. F
  160. M
  161. A
  162. M
  163. J
  164. J
  165. A
  166. S
  167. O
  168. N
  169. D
  170. 2007
  171. J
  172. F
  173. M
  174. A
  175. M
  176. J
  177. J
  178. A
  179. S
  180. O
  181. N
  182. D
  183. 2006
  184. J
  185. F
  186. M
  187. A
  188. M
  189. J
  190. J
  191. A
  192. S
  193. O
  194. N
  195. D
  196. 2005
  197. J
  198. F
  199. M
  200. A
  201. M
  202. J
  203. J
  204. A
  205. S
  206. O
  207. N
  208. D
  209. 2004
  210. J
  211. F
  212. M
  213. A
  214. M
  215. J
  216. J
  217. A
  218. S
  219. O
  220. N
  221. D