Saltar para: Post [1], Comentar [2], Pesquisa e Arquivos [3]

A bem da Nação

AINDA A ESQUERDA E A DIREITA

 esquerda-direita.jpg

 

Eu cada vez fico mais perplexo em relação às ideias políticas dos portugueses e, particularmente, dos mais ilustres politólogos. Não sou especialista de ciência política e, perante a discordância com as ideias generalizadas, tudo indicaria que quem está errado sou eu.
Acontece que, apenas com o que é cultura geral e o que vi e sei dos sistemas políticos em alguns países, não posso deixar de concluir que os outros têm conceitos diferentes dos meus, principalmente do que é democracia e do que significam, em política, as designações de “esquerda” e “direita”.

 

A democracia é o sistema em que o poder reside nos cidadãos e não numa ou num reduzido número de pessoas, que é a característica das ditaduras. Se sou um dos detentores do poder, tenho o direito de o delegar em quem o deseje ou de me candidatar a exercê-lo, se quiser e sem ter, para isso, de criar um partido.

 

De um artigo anterior, transcrevo:

“Como é sabido, esses termos “esquerda” e “direita” nasceram na Assembleia Nacional, em Paris, em 1789, no tempo da Revolução Francesa. Em termos modernos, podemos dizer que são acções de esquerda as nacionalizações, a redução do leque salarial (na extrema esquerda os salários seriam todos iguais), saúde, educação e protecção na velhice como encargos do Estado, predomínio do trabalho sobre o capital (na extrema esquerda não pode haver capital privado), impostos altamente progressivos, em que quem tem mais paga proporcionalmente mais e quem tem muito mais paga proporcionalmente muito mais, etc. etc. etc. Por oposição, são de direita as privatizações, um grande leque salarial (desde salários de miséria a salários muito altos), saúde, educação e protecção na velhice como negócios privados, predomínio do capital sobre o trabalho, impostos pouco progressivos ou, até, todos a pagarem a mesma percentagem, etc. etc. etc.”

 

Logo após o 25 de Abril, os partidos tinham os seus nomes razoavelmente de acordo com a sua prática. Mas isso mudou cedo. Quando Mário Soares, na sua viragem, deixou de aparecer na rua, de punho erguido, a gritar “Partido Socialista, um partido marxista!” e confessou que tinha metido o socialismo na gaveta, já o partido tinha deixado de ser socialista e de esquerda. Com Guterres quase toda a governação foi de direita e com Sócrates o PS entrou na extrema direita, extinguindo Centros de Saúde, Maternidades e vários outros serviços públicos, para obrigar a pagar a privados. Além disso fez contratos extremamente ruinosos para o estado e em favor de bancos e outros grandes interesses, fazendo subir a dívida pública, que se mantinha abaixo dos 60% do PIB, para 94% do PIB, assim colocando nos actuais e futuros cidadãos uma enorme carga. E Passos Coelho, eleito pelos que acreditaram que ele iria começar a corrigir tais desmandos, fez mais do mesmo. Apesar de colocar nos cidadãos, especialmente a classe média, uma austeridade brutal, levou a dívida pública a 130% do PIB. E esse dinheiro não foi para os bolsos de funcionários e pensionistas, nem para melhorar os serviços públicos, alvos de cortes brutais.

 

Mas os portugueses, que só podem votar em “novos” governantes entre os que a meia dúzia de ditadores lhes dá licença de escolher e pela ordem que eles determinaram, consideram o sistema “democracia”. E chamam ao PS “de esquerda”.

 

Publicado no "Linhas de Elvas" de 29 de Janeiro de 2015

 

Prof. Miguel Mota Miguel Mota

Comentar:

CorretorEmoji

Se preenchido, o e-mail é usado apenas para notificação de respostas.

Este blog tem comentários moderados.

Este blog optou por gravar os IPs de quem comenta os seus posts.

Mais sobre mim

foto do autor

Sigam-me

Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

Arquivo

  1. 2019
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2018
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2017
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2016
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D
  53. 2015
  54. J
  55. F
  56. M
  57. A
  58. M
  59. J
  60. J
  61. A
  62. S
  63. O
  64. N
  65. D
  66. 2014
  67. J
  68. F
  69. M
  70. A
  71. M
  72. J
  73. J
  74. A
  75. S
  76. O
  77. N
  78. D
  79. 2013
  80. J
  81. F
  82. M
  83. A
  84. M
  85. J
  86. J
  87. A
  88. S
  89. O
  90. N
  91. D
  92. 2012
  93. J
  94. F
  95. M
  96. A
  97. M
  98. J
  99. J
  100. A
  101. S
  102. O
  103. N
  104. D
  105. 2011
  106. J
  107. F
  108. M
  109. A
  110. M
  111. J
  112. J
  113. A
  114. S
  115. O
  116. N
  117. D
  118. 2010
  119. J
  120. F
  121. M
  122. A
  123. M
  124. J
  125. J
  126. A
  127. S
  128. O
  129. N
  130. D
  131. 2009
  132. J
  133. F
  134. M
  135. A
  136. M
  137. J
  138. J
  139. A
  140. S
  141. O
  142. N
  143. D
  144. 2008
  145. J
  146. F
  147. M
  148. A
  149. M
  150. J
  151. J
  152. A
  153. S
  154. O
  155. N
  156. D
  157. 2007
  158. J
  159. F
  160. M
  161. A
  162. M
  163. J
  164. J
  165. A
  166. S
  167. O
  168. N
  169. D
  170. 2006
  171. J
  172. F
  173. M
  174. A
  175. M
  176. J
  177. J
  178. A
  179. S
  180. O
  181. N
  182. D
  183. 2005
  184. J
  185. F
  186. M
  187. A
  188. M
  189. J
  190. J
  191. A
  192. S
  193. O
  194. N
  195. D
  196. 2004
  197. J
  198. F
  199. M
  200. A
  201. M
  202. J
  203. J
  204. A
  205. S
  206. O
  207. N
  208. D