Saltar para: Post [1], Pesquisa e Arquivos [2]

A bem da Nação

AINDA A ESQUERDA E A DIREITA

 esquerda-direita.jpg

 

Eu cada vez fico mais perplexo em relação às ideias políticas dos portugueses e, particularmente, dos mais ilustres politólogos. Não sou especialista de ciência política e, perante a discordância com as ideias generalizadas, tudo indicaria que quem está errado sou eu.
Acontece que, apenas com o que é cultura geral e o que vi e sei dos sistemas políticos em alguns países, não posso deixar de concluir que os outros têm conceitos diferentes dos meus, principalmente do que é democracia e do que significam, em política, as designações de “esquerda” e “direita”.

 

A democracia é o sistema em que o poder reside nos cidadãos e não numa ou num reduzido número de pessoas, que é a característica das ditaduras. Se sou um dos detentores do poder, tenho o direito de o delegar em quem o deseje ou de me candidatar a exercê-lo, se quiser e sem ter, para isso, de criar um partido.

 

De um artigo anterior, transcrevo:

“Como é sabido, esses termos “esquerda” e “direita” nasceram na Assembleia Nacional, em Paris, em 1789, no tempo da Revolução Francesa. Em termos modernos, podemos dizer que são acções de esquerda as nacionalizações, a redução do leque salarial (na extrema esquerda os salários seriam todos iguais), saúde, educação e protecção na velhice como encargos do Estado, predomínio do trabalho sobre o capital (na extrema esquerda não pode haver capital privado), impostos altamente progressivos, em que quem tem mais paga proporcionalmente mais e quem tem muito mais paga proporcionalmente muito mais, etc. etc. etc. Por oposição, são de direita as privatizações, um grande leque salarial (desde salários de miséria a salários muito altos), saúde, educação e protecção na velhice como negócios privados, predomínio do capital sobre o trabalho, impostos pouco progressivos ou, até, todos a pagarem a mesma percentagem, etc. etc. etc.”

 

Logo após o 25 de Abril, os partidos tinham os seus nomes razoavelmente de acordo com a sua prática. Mas isso mudou cedo. Quando Mário Soares, na sua viragem, deixou de aparecer na rua, de punho erguido, a gritar “Partido Socialista, um partido marxista!” e confessou que tinha metido o socialismo na gaveta, já o partido tinha deixado de ser socialista e de esquerda. Com Guterres quase toda a governação foi de direita e com Sócrates o PS entrou na extrema direita, extinguindo Centros de Saúde, Maternidades e vários outros serviços públicos, para obrigar a pagar a privados. Além disso fez contratos extremamente ruinosos para o estado e em favor de bancos e outros grandes interesses, fazendo subir a dívida pública, que se mantinha abaixo dos 60% do PIB, para 94% do PIB, assim colocando nos actuais e futuros cidadãos uma enorme carga. E Passos Coelho, eleito pelos que acreditaram que ele iria começar a corrigir tais desmandos, fez mais do mesmo. Apesar de colocar nos cidadãos, especialmente a classe média, uma austeridade brutal, levou a dívida pública a 130% do PIB. E esse dinheiro não foi para os bolsos de funcionários e pensionistas, nem para melhorar os serviços públicos, alvos de cortes brutais.

 

Mas os portugueses, que só podem votar em “novos” governantes entre os que a meia dúzia de ditadores lhes dá licença de escolher e pela ordem que eles determinaram, consideram o sistema “democracia”. E chamam ao PS “de esquerda”.

 

Publicado no "Linhas de Elvas" de 29 de Janeiro de 2015

 

Prof. Miguel Mota Miguel Mota

Mais sobre mim

foto do autor

Sigam-me

Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

Arquivo

  1. 2019
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2018
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2017
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2016
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D
  53. 2015
  54. J
  55. F
  56. M
  57. A
  58. M
  59. J
  60. J
  61. A
  62. S
  63. O
  64. N
  65. D
  66. 2014
  67. J
  68. F
  69. M
  70. A
  71. M
  72. J
  73. J
  74. A
  75. S
  76. O
  77. N
  78. D
  79. 2013
  80. J
  81. F
  82. M
  83. A
  84. M
  85. J
  86. J
  87. A
  88. S
  89. O
  90. N
  91. D
  92. 2012
  93. J
  94. F
  95. M
  96. A
  97. M
  98. J
  99. J
  100. A
  101. S
  102. O
  103. N
  104. D
  105. 2011
  106. J
  107. F
  108. M
  109. A
  110. M
  111. J
  112. J
  113. A
  114. S
  115. O
  116. N
  117. D
  118. 2010
  119. J
  120. F
  121. M
  122. A
  123. M
  124. J
  125. J
  126. A
  127. S
  128. O
  129. N
  130. D
  131. 2009
  132. J
  133. F
  134. M
  135. A
  136. M
  137. J
  138. J
  139. A
  140. S
  141. O
  142. N
  143. D
  144. 2008
  145. J
  146. F
  147. M
  148. A
  149. M
  150. J
  151. J
  152. A
  153. S
  154. O
  155. N
  156. D
  157. 2007
  158. J
  159. F
  160. M
  161. A
  162. M
  163. J
  164. J
  165. A
  166. S
  167. O
  168. N
  169. D
  170. 2006
  171. J
  172. F
  173. M
  174. A
  175. M
  176. J
  177. J
  178. A
  179. S
  180. O
  181. N
  182. D
  183. 2005
  184. J
  185. F
  186. M
  187. A
  188. M
  189. J
  190. J
  191. A
  192. S
  193. O
  194. N
  195. D
  196. 2004
  197. J
  198. F
  199. M
  200. A
  201. M
  202. J
  203. J
  204. A
  205. S
  206. O
  207. N
  208. D