Saltar para: Post [1], Pesquisa e Arquivos [2]

A bem da Nação

ABAIXO OS EXAMES!

 

BB-palhaçadas.jpg

 

Dá prazer saber que neste país ainda há pessoas que se interessam pela Educação e acompanham os filhos em exigências de comportamento escolar que julgava de menor valia, desde que, numa tal revolução florida, o país silenciou, curvando docilmente o dorso perante a nova ordem que, na questão da metodologia para o Ensino aboliu exames e igualou competências com passagens administrativas que, se favoreceram a mândria, muito deve ter revoltado os alunos cumpridores, assim irmanados e desconsiderados. Era um tempo de reboliço, que, por alturas de 76, Ramalho Eanes conseguiu minorar. Mas o termo democracia ganhou terreno desde então e ainda não parou de avassalar os espíritos, pelo que a imposição de um ensino em modelo de camaradagem e afabilidade para poupar as susceptibilidades das criancinhas, que tornou os professores dóceis e os alunos arrogantes – (no estágio que fiz por essas alturas aprendi que os saberes dos alunos eram tão importantes como os dos professores, o que criou em mim, durante uns tempos, uma psicose de imperícia e inutilidade docente que, felizmente, consegui com o tempo ultrapassar) – o modelo da igualdade, fraternidade e liberdade, repito, foi-se insinuando com força crescente, no meio do laxismo, da indisciplina, do desinteresse progressivos pelo significado do saber.

 

As coisas foram-se compondo, escudadas por livros escolares progressivamente mais completos, com textos, imagens e exercícios de apoio, que deviam encantar os alunos, se a educação fosse um lema nas famílias e nas escolas, estas desautorizadas por normas vindas dos sucessivos ministérios sucedâneos à implantação dos cravos.

 

Mas chegámos novamente à reviravolta trazida pela constituição de um governo de igual tendência melindrosa e puritana desse governo dos cravos, embora sem cravos, agora, que a estação do ano não possibilitou. Novamente vêm à tona as frases do carinho pelas criancinhas cujas sensibilidades e tremores as televisões captam com desvelo, falando de nervos e interrogando sobre os traumas dos exames. E o primeiro ministro autodefinido, concorda que os estudos são supérfluos, e que os exames só servem para criar mártires nas criancinhas. Abaixo, pois, os exames, embora a candidata do Bloco da Esquerda, Marisa Matias, tenha explicado que a escola a ela ajudou muito, no tempo em que também guardava cabras, que não possibilitavam, todavia, um convívio de tão intensa projecção como aquele que a escola com as colegas de turma lhe facultou. É certo que não falou no que deveu aos mestres, mas por isso mesmo os seus recursos culturais primam pelo afecto das suas participações como candidata à presidência da república, na estrada, nos meios de transporte, em Coimbra, o que prova quanto é estimada, porque também estima, defendendo o direito dos pobres a subir na vida e os das criancinhas de não fazer exames, não sei se também para subir melhor, ou pelo menos mais rapidamente.

 

João Miguel Tavares parece aborrecido com a abolição dos exames e prova-o, denunciando desrespeitos. Com muita coragem, que admiro. Mas o tempo está para as Marisas, ex-guardadoras de rebanhos, que pretende conduzir o povo, agora. O que é muito da actualidade, convenhamos. Eu até tenho uma peçazinha de teatro – já falei nela, que as conversas são, muitas vezes, como as cerejas – em que uma ex-pastora também se transforma em condutora do seu povo. Chama-se “Exercício Escolar”, (a peça, não a pastora, com que terminam os meus “Cravos Roxos”), e termina assim, que se me perdoe a repetição, pois:

 

Coro do Partido

 

Neste país transformado

Por revolução de flores

Que aniquilou prepotências

E irmanou ricos e pobres

Trabalhadores e gestores  

Num ideal renovado

De comum realização,

Só se escuta o martelar

Dos malhos dos ferradores

Dos maços dos calceteiros

E os gritos dos operários

E os olés dos boieiros

E o chocalhar das ovelhas

E os protestos dos doutores

E os risos dos proletários

E os discursos partidários

E o gorjear dos cantores.

Pelas ruas transformadas

Em caminhos pedregosos

Onde as flores são espontâneas

E os frutos tão saborosos,

Brotam as almas mais cândidas

E os sentimentos mais soltos.

Eis a mensagem, senhores,

Da nossa festa das flores.

 (Assim fenece a farsa.)

 

É claro que hoje não penso tanto assim, visto que os calceteiros e os boieiros esmoreceram com o tempo, e já nem se apanha um simples desentupidor de canos, talvez vivendo do subsídio, ou, se for mais ambicioso, preparando-se para bem servir o país em cargos de mais relevo, o que é sempre prestigiante, como o Tino de Rans e mais uma catrefa de companheiros têm provado no nosso impasse eleitoral.

 

Mas é tempo, naturalmente, de ler o protesto de João Miguel Tavares contra as leis do bota-abaixo instituídas pelo governo da usurpação sobre as leis anteriores do partido ganhador. É claro que concordo com ele. E admiro o facto de, jovem como é, entenda ainda que a escola é um espaço de obrigação em função de uma formação ética e em função de uma vida futura que imporá obrigações e exigirá competências. O querer retirar à escola esse empenhamento formativo, de que os exames naturalmente fazem parte, como preparação para a vida, não passa de cinismo astuto e estulto do mundo adulto, o qual, no nosso país, ao que se tem visto, é certo, se apoia muito no nepotismo, ou, como me disse um dia o meu ex-colega do liceu, posteriormente filósofo, Fernando Gil, na «tiologia», designando o termo, naturalmente, o apoio nos tios, mais do que nas competências resultantes do saber.

Berta Brás.jpgBerta Brás

 

A palhaçada

João Miguel Tavares.jpgJoão Miguel Tavares

Público, 12/01/2016

 

Eu tenho quatro filhos, três deles em idade escolar. A Carolina tem 11 anos e está no 6.º ano. O Tomás tem nove e está no 4.º ano. O Gui tem sete e está no 2.º ano. Na passada sexta-feira, fiquei a saber que os meus dois filhos que iam ter exames daqui a cinco meses afinal não vão ter, e que o meu filho que não ia ter exames daqui a cinco meses afinal vai ter uma prova de aferição. A isto se chama uma colossal palhaçada.

 

Na SIC, Marques Mendes afirmou que fazer estas alterações a meio do ano lectivo era uma “falta de respeito por professores e directores de escolas”. Os professores e os directores de escolas que me perdoem: isto é, em primeiro lugar, uma absoluta falta de respeito para com os alunos e as suas famílias. E como o ministro da Educação deve perceber imenso de bioquímica, de oncologia e de como dar graxa à Fenprof, mas muito pouco do que significa gerir uma família e educar filhos, eu assumo a patriótica missão de o tentar esclarecer.

 

Numa família, explicamos às crianças que a escola é o seu trabalho, e que ele deve ser levado tão a sério quanto os pais levam o seu. Explicamos que a roupa, a comida e os brinquedos chegam sem qualquer esforço da parte deles, e que em troca os pais só pedem bom comportamento e empenho escolar. Explicamos que a mesma energia que é investida nos momentos de lazer é para ser aplicada nos momentos de trabalho. E ao explicarmos tudo isto, tentamos criar desde cedo uma cultura onde felicidade e exigência sejam actividades compatíveis (sim, Catarina Martins, é possível!). Um ano de exames e de fim de ciclo é sempre um ano diferente, e trabalha-se para isso durante nove meses. Para uma criança empenhada na escola, o ano lectivo que está a frequentar não é, como para um adulto licenciado, apenas um de entre 15 anos de estudo – é a vida dela, toda, inteira, naquele momento.

 

E essa vida planeia-se, desde o início do ano lectivo. Por incrível que possa parecer a Tiago Brandão Rodrigues e à frente de esquerda que nos governa, há pais que entendem que a educação que o Estado propõe aos seus filhos não é toda a educação que querem para eles. Os meus filhos frequentam a escola pública, mas fora dela estudam música e inglês, que têm avaliações próprias. Essas avaliações articulam-se com as da escola, e há opções que se tomam logo em Setembro em função dos exames de Maio. Mais: a escola tem também implicações profundas na vida de lazer das famílias. Há pais que viajam com os filhos, marcando férias com meses de antecedência – e para isso contam que o calendário escolar seja respeitado (a prova de aferição do oitavo ano acaba de ser marcada para a semana seguinte ao fim das aulas). Sim: há vida para além do Estado.

 

Reparem que deixo propositadamente de fora deste texto as vantagens dos exames de 4.º ou 6.º ano, o número de alterações às avaliações do ensino básico desde o ano 2000, a pressa e a opacidade com que esta nova revolução foi feita ou as inenarráveis contradições socialistas. O meu argumento é prévio a tudo isso – é sobre o profundo desrespeito que o Estado dedica aos seus cidadãos, tenham eles sete ou 77 anos. Invocar razões ideológicas para a direita preferir avaliar crianças no 4.º, 6.º e 9.º anos e a esquerda no 2.º, 5.º e 8.º é absolutamente patético. A única ideologia está no método: só mesmo quem acredita que o Estado é o alfa e o ómega da existência humana pode dispor da vida dos cidadãos com a vergonhosa leviandade que o ministério da Educação acaba de exibir.

Mais sobre mim

foto do autor

Sigam-me

Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

Arquivo

  1. 2019
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2018
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2017
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2016
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D
  53. 2015
  54. J
  55. F
  56. M
  57. A
  58. M
  59. J
  60. J
  61. A
  62. S
  63. O
  64. N
  65. D
  66. 2014
  67. J
  68. F
  69. M
  70. A
  71. M
  72. J
  73. J
  74. A
  75. S
  76. O
  77. N
  78. D
  79. 2013
  80. J
  81. F
  82. M
  83. A
  84. M
  85. J
  86. J
  87. A
  88. S
  89. O
  90. N
  91. D
  92. 2012
  93. J
  94. F
  95. M
  96. A
  97. M
  98. J
  99. J
  100. A
  101. S
  102. O
  103. N
  104. D
  105. 2011
  106. J
  107. F
  108. M
  109. A
  110. M
  111. J
  112. J
  113. A
  114. S
  115. O
  116. N
  117. D
  118. 2010
  119. J
  120. F
  121. M
  122. A
  123. M
  124. J
  125. J
  126. A
  127. S
  128. O
  129. N
  130. D
  131. 2009
  132. J
  133. F
  134. M
  135. A
  136. M
  137. J
  138. J
  139. A
  140. S
  141. O
  142. N
  143. D
  144. 2008
  145. J
  146. F
  147. M
  148. A
  149. M
  150. J
  151. J
  152. A
  153. S
  154. O
  155. N
  156. D
  157. 2007
  158. J
  159. F
  160. M
  161. A
  162. M
  163. J
  164. J
  165. A
  166. S
  167. O
  168. N
  169. D
  170. 2006
  171. J
  172. F
  173. M
  174. A
  175. M
  176. J
  177. J
  178. A
  179. S
  180. O
  181. N
  182. D
  183. 2005
  184. J
  185. F
  186. M
  187. A
  188. M
  189. J
  190. J
  191. A
  192. S
  193. O
  194. N
  195. D
  196. 2004
  197. J
  198. F
  199. M
  200. A
  201. M
  202. J
  203. J
  204. A
  205. S
  206. O
  207. N
  208. D