Saltar para: Post [1], Pesquisa e Arquivos [2]

A bem da Nação

A SEQUÊNCIA

 

“O Zero” de Vasco Pulido Valente, vem – para mim – na sequência de um pequeno apontamento de Bagão Félix no mesmo jornal Público de 1/11/14 – “Poluição televisiva” – que bem demonstra o inócuo de uma programação televisiva alargada a onze telenovelas diárias, segundo cômputo do próprio Bagão Félix, demonstrativa de um país preguiçoso, enovelado em ficções e fantasias artificiosas, de pura diversão, arrastada, desprezando valores indiscutivelmente mais formativos, como seria a leitura progressivamente aberta a outros mundos de reflexão e enriquecimento cultural. Ao que parece, exceptuado o segundo canal, de fraca audiência, tal não é o propósito de quem gere as televisões, essencialmente viradas para um povo anódino, que acrescenta, às horas perdidas com os aparelhos de jogos e telemóveis, as tais programações que lhes ditam realidades nem sempre inofensivas. E eis porque um público passivo obedece às ordens sindicais nem sempre pautadas pelo bom senso e pela educação, como se tem visto, em classes cuja responsabilidade educacional exigiria mais equilíbrio e compostura.

 

Onze telenovelas diárias é de facto, obra, obra de um país de zombies, de quem passa pela vida sonhando, presa de artifícios que, muitas vezes, ao pretenderem retratar a vida, mais não fazem que deformá-la em trejeitos deseducativos, geradores de rebeldias e violências que se reflectem no próprio panorama social.

 

“O Zero”, diz Vasco Pulido Valente, perfeitamente descrente do actual Primeiro Ministro, mas sem confiança nenhuma no próximo, ciente de que quem põe e dispõe é a Sr.ª Merkel, descendente que é de conceitos de autoridade e força colhidos no leite materno, em cadeia antiga várias vezes demonstrada em analepse e resultante de um povo carismático, trabalhador e ambicioso, que por esse motivo poderoso, de vez em quando desfralda a sua bandeira potente com determinação e eficácia.

 

Não, Vasco Pulido Valente não acredita em ninguém cá da praça. Um povo que recebe de mão beijada onze telenovelas diárias é um povo sem energia, a não ser para colher os fracos benefícios de um subsídio de desemprego, que às vezes até lhe basta. Ao que nós chegámos!

 

Não me refiro, é claro, à maioria trabalhadora, perfeitamente fora desta questão, que trabalha e estuda e acompanha os filhos, em trabalho quantas vezes exaustivo.

 

O apontamento de Bagão Félix:

 

lixo_tv.jpg Poluição televisiva

 

Há dias, contei o número de telenovelas transmitidas nos três canais televisivos abertos (excluo a boa excepção que é a RTP 2). São 11, num total de cerca de 9 horas diárias! É fartar, gente!

 

Se a isso acrescentarmos essa indigência cultural e moral que dá pelo nome de um qualquer big brother ou casa dos segredos, teremos 12 horas diárias (ou seja, mais de 80% do prime time!). O resto é quase o deserto, por vezes preenchido por overdoses de futebol antevisto, visto, revisto e entrevisto. A estupidificação alienante em marcha acelerada.

 

Agora que se fala em fiscalidade verde ou ambiental, seria uma tentação lançar uma taxa sobre a poluição televisiva e uma sobretaxa sobre essa indignidade nojenta e ultrajante (desde logo para quem participa) das “casas de segredo” passadas em horário nobre (?). Seria bem aplicado aqui o princípio fiscal do poluidor-pagador e evitar-se-ia onerar a vida decente das pessoas comuns com outras taxas ora criadas.

 

O artigo de Vasco Pulido Valente:

 

O zero

 

Se a discussão do Orçamento na Assembleia da República não serviu para muito, serviu pelo menos para mostrar o estado a que chegaram os partidos da República. Não se ouviu um argumento sério, uma crítica nova. De um lado ao outro, foram repetidas as diatribes do costume, com umas graçolas de mau gosto pelo meio.

 

Isto não teria importância de maior, se Portugal não precisasse daqui a um ano (ou mais cedo ainda) de um governo que verdadeiramente desse ao indigenato um módico de ordem e de razoabilidade. Mas ordem e razoabilidade são coisas que não existem num parlamento dedicado ao berro, à insinuação e ao insulto; e que ainda hoje se ocupa, como se essa fosse uma questão central, dos méritos relativos de Manuela Ferreira Leite e do falecido Sócrates.

 

O dr. Passos Coelho, enquanto promete fantasias, parece ocasionalmente decidido ao martírio. Apresentou um orçamento indiferente (que pode ser anulado com três riscos por quem lhe suceder), atrapalhou as contas por causa de uma polémica com Paulo Portas, resolveu ameaçar com mais cortes para o funcionalismo em 2016. A única razão imaginável para este masoquismo é a de que se tenciona imolar à sra. Merkel, como o perfeito exemplo da fidelidade. A sra. Merkel agradece, mas suspeito que não está especialmente interessada. Por cá ficarão os restos do que foi o PSD, com duas dúzias de autarquias e a história destes quatro anos: quem vai votar nele, depois da inexcedível Paula Teixeira da Cruz, de Nuno Crato e do caos que Passos Coelho conseguiu estabelecer no seu próprio Conselho de Ministros?

 

Fica o PS. Ou não fica? Embora saudável, a remoção de António José Seguro não basta para tornar um grupinho de amigos num partido político. Mesmo num PS entusiasmado e miraculosamente unido, a raiva e as facções não desapareceram sob capa de suaves discordâncias ideológicas. Quem observa de fora aquele formigueiro percebe o objectivo essencial do camarada Costa. Votos de moderados, de radicais, das pequenas seitas da extrema-esquerda e até do PSD. Em princípio, a ideia não choca. Sucede que há três grandes dificuldades no caminho. Primeira: como, depois de Sócrates, persuadir os portugueses a entregar a direcção da economia aos “socialistas”? Segunda, como pôr de acordo um eleitorado que viveu 20 anos de se guerrear? E terceira: como convencer a sra. Merkel, que este mês já liquidou as fanfarronadas da Itália e da França, a fazer a vontade ao dr. Costa? O dr. Costa, se é capaz, devia pensar.

 

Finalizo com os dados da Segunda Guerra em tradução de Paula Almeida:

 

5 de Novembro:

1937

Hitler organiza uma reunião secreta onde apresenta os seus planos para alargar o espaço vital do povo alemão.

1939

Depois de conspirar com Halder e Beck para prender Hitler, a menos que este recue no plano para uma ofensiva ocidental, o Comandante-em-Chefe do Exército alemão, von Brauchitsch, reúne-se com Hitler para discutir os planos para um ataque a oeste. Brauchitsch argumenta que não deve ocorrer como programado, a 12 de novembro, devido a fragilidades no exército. Hitler perde a paciência durante a reunião e não se deixa convencer pelos argumentos. Brauchitsch perde a paciência e regressa ao OKH (Alto Comando do Exército), onde a conspiração desmorona.

1940

O Presidente Roosevelt é eleito para um terceiro mandato.

1942

O general Eisenhower chega a Gibraltar para estabelecer o seu quartel-general para a Operação Torch, a invasão da África do Norte francesa. O general Doolittle e o British Air Marshall Welsh vão comandar as forças aéreas.

1943

O Vaticano é bombardeado.

1944

Forças britânicas forçam a aterragem em Salónica, Grécia.

 

Berta Brás.jpg Berta Brás

Mais sobre mim

foto do autor

Sigam-me

Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

Arquivo

  1. 2019
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2018
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2017
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2016
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D
  53. 2015
  54. J
  55. F
  56. M
  57. A
  58. M
  59. J
  60. J
  61. A
  62. S
  63. O
  64. N
  65. D
  66. 2014
  67. J
  68. F
  69. M
  70. A
  71. M
  72. J
  73. J
  74. A
  75. S
  76. O
  77. N
  78. D
  79. 2013
  80. J
  81. F
  82. M
  83. A
  84. M
  85. J
  86. J
  87. A
  88. S
  89. O
  90. N
  91. D
  92. 2012
  93. J
  94. F
  95. M
  96. A
  97. M
  98. J
  99. J
  100. A
  101. S
  102. O
  103. N
  104. D
  105. 2011
  106. J
  107. F
  108. M
  109. A
  110. M
  111. J
  112. J
  113. A
  114. S
  115. O
  116. N
  117. D
  118. 2010
  119. J
  120. F
  121. M
  122. A
  123. M
  124. J
  125. J
  126. A
  127. S
  128. O
  129. N
  130. D
  131. 2009
  132. J
  133. F
  134. M
  135. A
  136. M
  137. J
  138. J
  139. A
  140. S
  141. O
  142. N
  143. D
  144. 2008
  145. J
  146. F
  147. M
  148. A
  149. M
  150. J
  151. J
  152. A
  153. S
  154. O
  155. N
  156. D
  157. 2007
  158. J
  159. F
  160. M
  161. A
  162. M
  163. J
  164. J
  165. A
  166. S
  167. O
  168. N
  169. D
  170. 2006
  171. J
  172. F
  173. M
  174. A
  175. M
  176. J
  177. J
  178. A
  179. S
  180. O
  181. N
  182. D
  183. 2005
  184. J
  185. F
  186. M
  187. A
  188. M
  189. J
  190. J
  191. A
  192. S
  193. O
  194. N
  195. D
  196. 2004
  197. J
  198. F
  199. M
  200. A
  201. M
  202. J
  203. J
  204. A
  205. S
  206. O
  207. N
  208. D