Saltar para: Post [1], Comentários [2], Pesquisa e Arquivos [3]

A bem da Nação

À RODA

 

Mais uma página de Vasco Pulido Valente sobre os dados que nos definem desde há dois séculos, que mergulham, naturalmente, em outros séculos antes, os quais nos prepararam o carisma.

Já António José Saraiva na sua “História da Cultura em Portugal” (1º Volume, 1950) informava, em “Explicação ao Leitor”:

A cultura de um povo abrange certo número de aspectos diferentes mas entretecidos e inseparáveis….. Nas sociedades primitivas o veículo principal da cultura é o canto e a recitação. Mas ainda neste caso mais simples, é preciso que haja pelo menos uma classe de indivíduos especializados na arte da recitação, do canto e da invenção do verso, e um público que a possa sustentar. Em sociedades mais evoluídas o grande instrumento da cultura é o livro impresso ou manuscrito. E o livro supõe não só um público que aprendeu a ler, mas também um processo eficaz e económico de reprodução, de multiplicação de exemplares.

No Capítulo I – “Características Gerais” – a respeito do 1º período da história da cultura portuguesa [formação da monarquia (séc. XII)] até “às origens da revolução política-social” com o desfecho na crise de 1383 e eleição do Mestre de Avis, considera:

Caracteriza-o fundamentalmente a ausência de um centro de gravidade nacional. Antes do séc. XV Portugal não constitui um núcleo de cultura: apenas recebe o reflexo da cultura europeia e em especial da cultura castelhana…

Um grande conhecedor da literatura medieval, estrangeiro, mas nacionalizado português, formulou sentença: «E realmente na Idade Média Portuguesa a penúria de obras literárias e científicas produzidas por portugueses é estupenda. Nos documentos em prosa ostenta-se um latim extremamente bárbaro, ou de 1192 em diante, um português alatinado, de ortografia caótica, de sintaxe horrivelmente desconjuntada, e vocábulos de feitio híbrido que querendo passar por latim são romanço. Só de 1255 para cá um vernáculo muito hesitante e irregular. (C. Michaelis Vasconcelos, “Cancioneiro da Ajuda”, p. 632).

As condições sociais da cultura, num país em formação, em lutas para conquista do território e de sujeição a Roma para conquistar o apoio de um Papado ávido de lucro, não eram de molde a capitalizar grandes espíritos. Pertencia ao clero a detenção da cultura e mesmo essa manquejando, a nobreza e o povo entregue às artes próprias, de conquista ou labuta.

Entretanto em Portugal, pelo que sabemos através do recheio das livrarias monásticas, pelos escritos elaborados nos conventos e pelas leituras conhecidas dos leigos, continuam a dominar, salvas as excepções, os padres da Igreja e os compiladores do fim da Antiguidade. Isto coincide com o predomínio dos conventos, em especial o de Alcobaça, na elaboração cultural durante os séculos XIII e XIV, época em que no resto da Europa ocidental a actividade se tornara secundária.

Por outro lado, só no séc. XIV começa a redigir-se uma prosa literária portuguesa, ainda muito embaraçada, quando em França, desde o começo do século anterior a prosa era cultivada com brilho. O gosto pelo romance cavaleiresco da Távola Redonda persiste quando em França cede o lugar a formas mais modernas, de carácter sentimental e burguês. A Universidade de Lisboa aparece também com atraso de vários decénios sobre as suas mais antigas congéneres europeias.

Este arcaísmo revela-se inclusivamente na própria letra em que são copiados os códices: a letra visigótica, substituída desde o século XI em toda a Península pela letra “francesa” subsiste em Portugal e na Galiza até mais de meado do séc. XII. (Veja Augustin Millares Carlo, “Paleografia Espanhola”, Iª ed,. Labor, p. 207-208).

Tratam, pois, as transcrições acima, de justificar mazelas culturais aflitivas de um povo que já na sua infância pecava por um desleixo em relação à cultura, que nem as várias tentativas monárquicas de eventualmente a promover, conseguiram livrar da crosta feroz da incultura, os próprios monarcas, de resto, mais interessados em promover a glória pessoal com a construção de monumentos aquando dos feitos marítimos ou outros, do que em favorecerem o desenvolvimento cultural do povo, apesar das reformas eventualmente consertadas ao longo da história por governantes mais lúcidos.

 

E chegámos aos austeros dias de hoje, os de ontem, perdulários, preenchidos no uso de dinheiros de empréstimo para criar estruturas de vária ordem, tendentes a libertar o país do tal encardimento que gostamos de atribuir ao espírito mesquinho de Salazar, e que se prova mergulhar em condicionalismos muito mais recuados no tempo.

No artigo de 12/1, saído no Público –“O que fazer agora?”, expõe Vasco Pulido Valente:

O ano de 2014 com a presumível despedida da troika e a morte de Eusébio levantou por aí uma angústia patriótica sobre a verdadeira natureza dos portugueses. Até ao “25 de Novembro” de 1974, a explicação para os nossos fracassos foi cristalina: os portugueses eram óptimos, só o regime político era mau. Durante quase meio século, a esquerda (“vintista”, “setembrista”) berrou que o poder estava nas mãos de um grupo de privilegiados que pervertiam o povo e o exploravam e a direita respondia que o radicalismo criara uma “comuna” terrorista em Lisboa (1836-37) e, se o deixassem, “anarquizaria” Portugal. E, naturalmente, a esquerda via a “democratização” do país como o remédio infalível para os males da Pátria. Enquanto a direita preferia a contenção e o aniquilamento definitivo da esquerda.

Até 1851, houve três guerras civis entre as facções. Mas nessa altura, o Acto Adicional à Carta adoçou o radicalismo, sem prejudicar excessivamente a conservação. Se não rodaram no governo com a pontualidade do mito, os novos partidos chegaram a um entendimento, que deixava prudentemente de fora o povo e o exército. As velhas querelas acabaram por se transformar numa paixão comum pelo que se chamava à época “melhoramentos materiais”: estradas, pontes, portos e o inevitável caminho-de-ferro. Isto tudo foi feito com dinheiro da Inglaterra e em parte da França. E a Inglaterra continuou também a pagar um corpo de funcionários públicos, que nunca desde aí parou de crescer. Mas nem os “melhoramentos materiais” nos valeram de nada. Quem ler a literatura e o jornalismo do séc. XIX encontrará a miséria dos portugueses a cada página.

Por volta de 1890, reapareceu a ideia de que os políticos (fundamentalmente os membros do Parlamento) “comiam” (o termo é coevo) em seu próprio proveito. O Partido Republicano juntou a igualdade a estas queixas, como se a igualdade, varrendo os “ricos”, produzisse por si mesma riqueza. Sabemos que não produziu. E, no desespero, a República desenterrou a velha panaceia da “alfabetização”, hoje conhecida por “educação” – o que não trouxe ao país qualquer espécie de alívio. Nisto veio Salazar com o seu ódio à indisciplina e à balbúrdia. Liquidou os políticos, introduziu alguma ordem entre os “ricos”, mas principalmente calou a boca ao país. Neste ano de 2014, a farmácia fechou: temos democracia, temos “melhoramentos materiais”, temos mesmo um pouco de “educação”. Sobrou a pobreza, a dívida e o défice. O que fazer agora?

Continuemos”, dirá Salles da Fonseca, no trilho que seguiu de pugnar por velhos princípios de ética nacionalista, com a mesma liberdade e firmeza com que o fizera antes, como tantos outros, em eloquência ou mutismo.

O primeiro passo é sair do pesadelo da troika. O segundo passo é entrar nos eixos - do trabalho, como o fazem os que emprestaram o dinheiro, do estudo, do equilíbrio, da sensatez, da solidariedade social, da produtividade, da junção de esforços para o bem comum e não da reivindicação exclusiva do bem próprio, da substituição dos malabarismos impertinentes da crítica exclusiva aos do Governo pelo reconhecimento dos males que causamos com os extremismos das nossas manipulações sem autocrítica…

Apesar de tantas misérias, creio que o povo português mostrou uma vez mais a sua fibra corajosa que se manifestou em tantos passos da História portuguesa. Continuemos, pois.

 Berta Brás

2 comentários

Comentar post

Mais sobre mim

foto do autor

Sigam-me

Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

Arquivo

  1. 2021
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2020
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2019
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2018
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D
  53. 2017
  54. J
  55. F
  56. M
  57. A
  58. M
  59. J
  60. J
  61. A
  62. S
  63. O
  64. N
  65. D
  66. 2016
  67. J
  68. F
  69. M
  70. A
  71. M
  72. J
  73. J
  74. A
  75. S
  76. O
  77. N
  78. D
  79. 2015
  80. J
  81. F
  82. M
  83. A
  84. M
  85. J
  86. J
  87. A
  88. S
  89. O
  90. N
  91. D
  92. 2014
  93. J
  94. F
  95. M
  96. A
  97. M
  98. J
  99. J
  100. A
  101. S
  102. O
  103. N
  104. D
  105. 2013
  106. J
  107. F
  108. M
  109. A
  110. M
  111. J
  112. J
  113. A
  114. S
  115. O
  116. N
  117. D
  118. 2012
  119. J
  120. F
  121. M
  122. A
  123. M
  124. J
  125. J
  126. A
  127. S
  128. O
  129. N
  130. D
  131. 2011
  132. J
  133. F
  134. M
  135. A
  136. M
  137. J
  138. J
  139. A
  140. S
  141. O
  142. N
  143. D
  144. 2010
  145. J
  146. F
  147. M
  148. A
  149. M
  150. J
  151. J
  152. A
  153. S
  154. O
  155. N
  156. D
  157. 2009
  158. J
  159. F
  160. M
  161. A
  162. M
  163. J
  164. J
  165. A
  166. S
  167. O
  168. N
  169. D
  170. 2008
  171. J
  172. F
  173. M
  174. A
  175. M
  176. J
  177. J
  178. A
  179. S
  180. O
  181. N
  182. D
  183. 2007
  184. J
  185. F
  186. M
  187. A
  188. M
  189. J
  190. J
  191. A
  192. S
  193. O
  194. N
  195. D
  196. 2006
  197. J
  198. F
  199. M
  200. A
  201. M
  202. J
  203. J
  204. A
  205. S
  206. O
  207. N
  208. D
  209. 2005
  210. J
  211. F
  212. M
  213. A
  214. M
  215. J
  216. J
  217. A
  218. S
  219. O
  220. N
  221. D
  222. 2004
  223. J
  224. F
  225. M
  226. A
  227. M
  228. J
  229. J
  230. A
  231. S
  232. O
  233. N
  234. D