Saltar para: Post [1], Comentários [2], Pesquisa e Arquivos [3]

A bem da Nação

A REVOLTA DAS ELITES

HSF-inversão de valores.jpg

 

As críticas à política de redução da despesa pública só fazem sentido por parte de quem considera que o pagamento das dívidas é «coisa de criança».

 

Ora, o poço sem fundo que esses críticos julgam existir é mais uma ilusão que apenas revela o irrealismo de quem crê que o dinheiro nasce do prelo. Não, o dinheiro é o resultado da produção de bens e serviços, transaccionáveis ou não, mas sempre tendo origem no esforço de alguém que não a rotativa da moeda falsa a que sofisticada e eufemisticamente se tem chamado «eurobonds».

 

Se conjugarmos a política de consolidação orçamental no sentido da anulação dos défices simples (anuais) e dos acumulados com a da restrição monetária para evitar o crescimento dos preços na espiral doentia por que já passámos, então a emissão monetária assume dimensões que quem nos conduziu ao colapso apelida de cilício ou até mesmo de cinto de castidade.

 

A crítica que temos de aceitar é a de que no meio de todo o processo de financiamento das dívidas soberanas dos Estados mais perdulários há movimentos especulativos na certeza, porém, de que por enquanto nos resta pagar o que devemos (menos prosaicamente, «servirmos a dívida») e não esbracejarmos muito para conseguirmos que nos respondam positivamente enquanto formos progressivamente pedindo cada vez menos até que os saldos primários voltem a ser positivos e possamos então começar a reduzir o montante da dívida total. Mas para que isso aconteça, daria muito jeito que as taxas de juro não continuassem a subir como tem acontecido desde que o absurdo democrático se instalou no nosso país.

 

A imperiosidade da pureza não especulativa dos capitais que nos financiam (e aos outros perdulários deste mundo) foi matéria a que Dominique Strauss Kahn pretendeu dar prioridade e todos fomos testemunhas da «estrangeirinha» que alguém lhe armou; o ostracismo a que James Tobin foi remetido em Yale lá pelos idos de 80 do século passado também há-de querer dizer qualquer coisa... Sim, é desejável que cheguemos a um acordo a nível da UE com vista à taxação dos movimentos transfronteiriços de capitais especulativos. Mas de momento interessa sobretudo cuidar do acesso de Portugal aos meios necessários ao financiamento dos seus défices e menos avaliar as intenções dos proprietários desses mesmos capitais cuja origem se deseja transparente. Mas para ter acesso a esses meios de cobertura das nossas necessidades, torna-se imprescindível que Portugal continue a pagar atempadamente as dívidas sob pena de deixar de merecer a confiança dos seus credores. E o pagamento atempado dessas dívidas só se consegue no imediato pelo recurso a capitais alheios, sucessivamente menores até que desnecessários. Gerir as taxas de juro não é coisa que um devedor maneje com desenvoltura. Eis por que algo ao estilo da Taxa Tobin poderia ser importante nesta altura evitando a especulação e criminalizando a manipulação.

 

Tudo para concluir que o «modelo de desenvolvimento» por que estamos de novo a trilhar em direcção ao abismo tem que ser modificado de modo a que confirmemos a aposta na produção dos bens transaccionáveis que é muito mais cómodo importar pois só desse modo poderemos voltar a reduzir os défices das balanças de transacções correntes e de pagamentos, criarmos as condições para abrandar e anular o ritmo de endividamento do sistema bancário nacional face ao exterior e recuperarmos a credibilidade externa que já nos falhou e que a qualquer momento pode voltar a falhar.

 

Mas esta reviravolta só seria possível acordando uma população adormecida pelos «cantos de sereia» que a demagógica compra de votos (nos sucessivos actos eleitorais) fez soar ao longo de quase 40 anos e, num país como o nosso que deve bater o recorde europeu na propensão marginal à importação, o primeiro toque de alvorada tinha que seguir a pauta da drástica redução do consumo. E não é isso que os usurpadores apregoam. Pelo contrário, dizem que o consumo é motor do desenvolvimento. Puro sofisma.

 

Da redução do consumo resulta um grande desconforto entre os consumidores e isso desde a base social até às elites.

 

E a que desconfortáveis me refiro?

 

Os que giram pela alta finança só têm motivos de satisfação se forem proprietários desses capitais que beneficiam de juros definidos no spot bolsista e são inimigos da putativa entrada em vigor de alguma limitação à circulação internacional desses capitais; os banqueiros já se choravam com as condicionantes de Basileia I, mais choraram com as de Basileia II e agora quase desesperam com os novos ratios que lhes vêm sendo impostos desde que a Lehman Brothers faliu e desde que os seus movimentos passaram a estar debaixo de olho não só do do ineficaz supervisor mas sobretudo do da opinião pública, apesar da escassez de informação que «salta» cá para fora; a produção de bens transaccionáveis acabara de ressuscitar quando a reviravolta se deu mas esperemos que se mantenha firme apesar das rasteiras que os demagogos se preparam para lhe dar; a grande agricultura nunca existiu em Portugal, o pouco que havia foi aniquilado para dar espaço ao escoamento de excedentes europeus e foi necessária a ruptura do sistema bancário perante o exterior para que a agro-indústria voltasse a dizer que, apesar de tudo, há quem não tenha desistido. Resta referir os jovens que foram educados na subsídio-dependência e esses, sim, com formação óptima para o desemprego, tiveram que emigrar e por lá terão que continuar mais uns tempos pois que a reconversão económica meteu férias em Portugal.

 

A solução está à vista e passa pela redução drástica da despesa pública corrente e pela cessação imediata da demagogia despesista, pela redução do consumo e pelo incremento da produção de bens e serviços transaccionáveis.

 

Dir-me-ão que com políticas sérias não se ganham eleições mas, eventualmente, é o regime constitucional que tem que ser revisto para que a seriedade assuma o lugar de que nunca deveria ter sido apeada.

 

Todos de rastos, só as elites políticas mantêm a convicção de que tudo vai bem. Mas essas vão ter que reconhecer que estão a liquidar o regime de que elas se têm lautamente servido e que a alternativa é o regime mudá-las quanto antes a elas próprias. E de nada lhes valerá revoltarem-se quando chegar o próximo resgate porque, então, já ninguém lhes dará ouvidos.

 

Se é que hoje ainda alguém as ouve...

 

 

Março de 2016

 

 

Henrique no barco-Israel.JPG

Henrique Salles da Fonseca

4 comentários

Comentar post

Mais sobre mim

foto do autor

Sigam-me

Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

Arquivo

  1. 2021
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2020
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2019
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2018
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D
  53. 2017
  54. J
  55. F
  56. M
  57. A
  58. M
  59. J
  60. J
  61. A
  62. S
  63. O
  64. N
  65. D
  66. 2016
  67. J
  68. F
  69. M
  70. A
  71. M
  72. J
  73. J
  74. A
  75. S
  76. O
  77. N
  78. D
  79. 2015
  80. J
  81. F
  82. M
  83. A
  84. M
  85. J
  86. J
  87. A
  88. S
  89. O
  90. N
  91. D
  92. 2014
  93. J
  94. F
  95. M
  96. A
  97. M
  98. J
  99. J
  100. A
  101. S
  102. O
  103. N
  104. D
  105. 2013
  106. J
  107. F
  108. M
  109. A
  110. M
  111. J
  112. J
  113. A
  114. S
  115. O
  116. N
  117. D
  118. 2012
  119. J
  120. F
  121. M
  122. A
  123. M
  124. J
  125. J
  126. A
  127. S
  128. O
  129. N
  130. D
  131. 2011
  132. J
  133. F
  134. M
  135. A
  136. M
  137. J
  138. J
  139. A
  140. S
  141. O
  142. N
  143. D
  144. 2010
  145. J
  146. F
  147. M
  148. A
  149. M
  150. J
  151. J
  152. A
  153. S
  154. O
  155. N
  156. D
  157. 2009
  158. J
  159. F
  160. M
  161. A
  162. M
  163. J
  164. J
  165. A
  166. S
  167. O
  168. N
  169. D
  170. 2008
  171. J
  172. F
  173. M
  174. A
  175. M
  176. J
  177. J
  178. A
  179. S
  180. O
  181. N
  182. D
  183. 2007
  184. J
  185. F
  186. M
  187. A
  188. M
  189. J
  190. J
  191. A
  192. S
  193. O
  194. N
  195. D
  196. 2006
  197. J
  198. F
  199. M
  200. A
  201. M
  202. J
  203. J
  204. A
  205. S
  206. O
  207. N
  208. D
  209. 2005
  210. J
  211. F
  212. M
  213. A
  214. M
  215. J
  216. J
  217. A
  218. S
  219. O
  220. N
  221. D
  222. 2004
  223. J
  224. F
  225. M
  226. A
  227. M
  228. J
  229. J
  230. A
  231. S
  232. O
  233. N
  234. D