Saltar para: Post [1], Pesquisa e Arquivos [2]

A bem da Nação

A NOVA PENA DE MORTE

 

 

A Pena de Morte foi abolida há muitos anos e em muitos países. Portugal foi um dos primeiros. Não se sabe, ninguém sabe, se foi na maioria deles ou numa simples e rara minoria. Mas terá sido abolida?

 

Há onze anos – 15/03/2003 – escrevi para um ou dois jornais uma crónica de que repito uma parte que vem agora a propósito, o seguinte:

 

PENA DE MORTE, PENA DA VIDA

 

O que é mais estarrecedor? O jornal ou rádio que difunde notícias para além de surrealistas, ou as notícias em si mesmas, ou ainda a situação do país que permite assistir-se a tudo isso. O quê?

 

O famoso e famigerado bandido Fernandinho Beira Mar, depois de criar o caos e o terror no Rio de Janeiro, foi transferido para uma outra prisão, de “segurança máxima”, no interior de São Paulo.

 

O juiz responsável pela prisão, proibiu dom Fernandinho de receber visitas da mulher e amigos, de receber refeições especiais encomendadas a restaurantes da cidade, obrigou-o a cortar o cabelo como os outros presos, enfim cortou as mordomias que sexa tinha no Rio de Janeiro, e tratou-o como um prisioneiro, perigoso, condenado pela justiça.

 

Parabéns doutor juiz e os meus mais sentidos pêsames a sua família porque logo a seguir foi executado com quatro tiros à saída do fórum.

 

A minha indignação não tem tamanho e não será menor do que a dos restantes 170 ou 180 milhões de brasileiros que assistem a tamanho descalabro.

 

O juiz é condenado à morte e executado num piscar de olhos. Não é o primeiro, nem o vigésimo, nem certamente o último que o bandido condena e executa.

 

E ele? O bandido? Vão lhe servir refeições de luxo, deixar a mulher visitá-lo quantas vezes queira, entregar-lhe telefones celulares e deixar-lhe crescer o cabelo?

 

O próximo juiz tem duas opções, só: ou o deixa fazer tudo e talvez sobreviva, ou procede com justiça e não tarda que tenhamos de enviar nossos pêsames a outra família. E a todos nós.

 

...

 

A pena de morte? Existe sim. Sem burocracias, nem intervenções judiciárias. Simples e eficiente. No sentido inverso.

 

- Liquida F... , manda o bandido.

- Pum! Já está.

 

É uma pena.

--- * ---

 

Desta vez porém não é esta pena de morte que vou referir se bem que ela exista em todo o mundo, desde a Noruega, onde vimos o massacre perpetrado pelo louco (?) Andres Breivik, aos paranóicos americanos obcecados por armamento e sangue, às carnificinas contra cristãos no Mali, na Nigéria, Camarões, República Centro-Africana, Sudão, Somália, Iraque, Irão, Indonésia, Argélia, Egipto, Marrocos e Líbia, na Síria, e etc., etc., e até na França, à paranóia da família do gorila King Kong na Coreia do Norte, aos assassinatos permanentes no Brasil, Colômbia, Equador, sem esquecer as frias execuções na China e na Rússia, às repressões na Venezuela e Equador, enfim um nunca mais acabar de licenciosos executores de penas de morte, todas gratuitas. Além das guerras!

 

Mas há outra, talvez ainda mais covarde, e que tem sido oficialmente proclamada e autorizada em muitos países, também eufemisticamente chamados de civilizados: o aborto.

 

Nada mais fácil do que matar um ser que nem sequer viu ainda a luz do dia, na maioria das vezes porque a mãe – será mesmo Mãe? – quis ou somente quer “usar o seu corpo como muito bem lhe apetecer”, e andar em orgias sexuais, tanto faz que só como acompanhada de um ou mais parceiros homo ou hétero. Vale tudo, em nome da liberdade individual. Sexo, sexo, sexo, e depois mata-se o inocente.

Aqui no Brasil, um extorsionário, espécie de arqui-milionário internacionalmente conhecido como bispo Macedo (outro eufemismo), proprietário da igreja IURD, tem um pronunciamento no Facebook, digno de Hitler ou Stalin, quando diz apoiar o aborto porque assim se evitará que venha ao mundo um monte de gente que vai sofrer, ser infeliz, ter doenças, etc. Depuração pré nazi!

 

Há alguns anos indignei-me quando um tribunal daqui, do Brasil, não permitiu que uma mãe abortasse. Ela sofria com o ser que se desenvolvia no seu seio: anencéfalo. Sabia que era um sacrifício vão e que jamais iria poder ter aquele filho. A mãe teve que carregar o fardo para ver o pequenino ser nascer e logo morrer. E guardar pelo resto da vida a visão dum filho que saiu de dentro dela sem que ninguém lhe pudesse valer.

 

Só em 2009 é que o I Congresso de Direito de Família, realizado entre 28 e 30 de Setembro, concluiu que o Supremo Tribunal Federal deve reconhecer o direito das mulheres a interromperem a gestação de feto anencéfalo.

 

Há outras situações em que a mãe corre risco de vida, e nesse caso o aborto parece ser, infelizmente, a única solução que a medicina encontra.

 

Vale a pena ler, na íntegra o documento deste Congresso:

 

http://oab-rj.jusbrasil.com.br/noticias/1971512/interrupcao-da-gestacao-de-feto-anecefalo-e-defendida-por-especialistas

 

Mas o aborto descriminado, para se andar na pouca-vergonha – se é que ainda há alguma – e depois, em nome duma suposta liberdade, de nome libertinagem, matar um ser inocente e indefeso, é muito mais covardia do que a de um bandido assassinar um qualquer indivíduo.

 

Este ano o des-governo do Brasil, para que o pessoal chamado “carnavalesco” se esbanjasse na pouca-vergonha, na promiscuidade, distribuiu, oferecidas, 600 mil camisinhas. Isto pressupõe três camisinhas por cada brasileiro, incluindo idosos, jovens e criancinhas, para usarem no Carnaval! Não necessitou do acompanhamento e recomendações óbvias: “esbaldem-se na sacanagem!”

 

Há casais (casais?) que se despedem no início do Carnaval, para que cada um se vá “esbaldar” com quem quiser, e só voltam a encontrar-se depois das Cinzas! E é um salve-se quem puder, que as fotografias das siliconadas bem mostram! Aliás, bem exibem, e o mais estranho, são elas que pagam, e pagam caro, para se exibirem, praticamente nuas, pelas ruas das cidades, além do que já pagaram para “turbinarem” seios, coxas, bundas e até pantorrilhas! O que elas procuram? Espectáculo? Não. Procuram, com certeza, dar consumo à oferta do governo: aqueles milhares de camisinhas.

 

Se alguma se romper... o aborto resolve!

 

E agora sentem-se, porque esta notícia faz qualquer um cair de costas, o cúmulo do inimaginável, aqui, neste país do faz de conta, acontece: a prefeitura do Rio colocou nalguns pontos do Centro, por onde andam os carnavalescos, umas cabines para quem lá quisesse ir experimentar as camisinhas! Podem não acreditar. E eu só acreditei quando o jornal noticiou e mostrou a fotografia duma máquina a retirar uma dessas cabines depois da festa!

 

É sabido que a idade ideal para a procriação, para as mulheres, para que os filhos venham mais saudáveis, é entre os vinte e vinte e cinco anos. Hoje, com esta libertinagem, além da dificuldade de um casal se estabelecer, algumas só querem engravidar, as que querem, muito mais tarde. E quanto mais tarde, maiores as probabilidades dos filhos virem mais fracos.

 

Entretanto com o casa-descasa, ou casa-divorcia que é bem mais complicado e caro, acabam ficando só no dorme junto e sai de fininho.

 

Como o mundo está a entrar numa paranóia total, com a avacalhação dos costumes, o politicamente correcto, os distorcidos direitos humanos, a emancipação da liberdade dos corpos, não há lei que consiga acabar com esta nova Pena de Morte.

 

Rio de Janeiro, 05/03/2014

 

 Francisco Gomes de Amorim

Mais sobre mim

foto do autor

Sigam-me

Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

Arquivo

  1. 2021
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2020
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2019
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2018
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D
  53. 2017
  54. J
  55. F
  56. M
  57. A
  58. M
  59. J
  60. J
  61. A
  62. S
  63. O
  64. N
  65. D
  66. 2016
  67. J
  68. F
  69. M
  70. A
  71. M
  72. J
  73. J
  74. A
  75. S
  76. O
  77. N
  78. D
  79. 2015
  80. J
  81. F
  82. M
  83. A
  84. M
  85. J
  86. J
  87. A
  88. S
  89. O
  90. N
  91. D
  92. 2014
  93. J
  94. F
  95. M
  96. A
  97. M
  98. J
  99. J
  100. A
  101. S
  102. O
  103. N
  104. D
  105. 2013
  106. J
  107. F
  108. M
  109. A
  110. M
  111. J
  112. J
  113. A
  114. S
  115. O
  116. N
  117. D
  118. 2012
  119. J
  120. F
  121. M
  122. A
  123. M
  124. J
  125. J
  126. A
  127. S
  128. O
  129. N
  130. D
  131. 2011
  132. J
  133. F
  134. M
  135. A
  136. M
  137. J
  138. J
  139. A
  140. S
  141. O
  142. N
  143. D
  144. 2010
  145. J
  146. F
  147. M
  148. A
  149. M
  150. J
  151. J
  152. A
  153. S
  154. O
  155. N
  156. D
  157. 2009
  158. J
  159. F
  160. M
  161. A
  162. M
  163. J
  164. J
  165. A
  166. S
  167. O
  168. N
  169. D
  170. 2008
  171. J
  172. F
  173. M
  174. A
  175. M
  176. J
  177. J
  178. A
  179. S
  180. O
  181. N
  182. D
  183. 2007
  184. J
  185. F
  186. M
  187. A
  188. M
  189. J
  190. J
  191. A
  192. S
  193. O
  194. N
  195. D
  196. 2006
  197. J
  198. F
  199. M
  200. A
  201. M
  202. J
  203. J
  204. A
  205. S
  206. O
  207. N
  208. D
  209. 2005
  210. J
  211. F
  212. M
  213. A
  214. M
  215. J
  216. J
  217. A
  218. S
  219. O
  220. N
  221. D
  222. 2004
  223. J
  224. F
  225. M
  226. A
  227. M
  228. J
  229. J
  230. A
  231. S
  232. O
  233. N
  234. D