Saltar para: Post [1], Comentar [2], Pesquisa e Arquivos [3]

A bem da Nação

A NECESSIDADE DE UM CRESCIMENTO ROBUSTO PARA O POST TROIKA

 

 

1. Terminou há poucas semanas o Programa de Ajustamento a que o País foi sujeito na sequência da rotura eminente de pagamentos do Estado português.

 

O programa, negociado pelo Partido Socialista, foi executado pelo actual governo, num ambiente de hostilidade permanente contra a necessidade evidente de mudanças profundas e mais do que urgentes, hostilidade apostada em demagogicamente defender que as mudanças nem eram necessárias, nem eram positivas para o nosso futuro.

 

Todos evitaram que houvesse um ambiente de reflexão sereno, quer sobre os enormes desequilíbrios financeiros e a forma de os solucionar, quer sobre a indispensável reforma da nossa economia.

 

As dúvidas presidenciais sobre alguns dos cortes orçamentais e a leitura da Constituição feita pelo Tribunal Constitucional, ignorando que Portugal não dispõe de políticas monetária e cambial próprias, que tem obrigações de política orçamental decorrentes da sua participação na União Económica e Monetária e, sobretudo, que não tinha crédito, introduziram factores adicionais de incerteza, que se somaram à instável situação da zona euro.

 

A única realidade certa ao longo desse período é que não era possível continuar a gastar como se não houvesse limites. E que a irresponsabilidade financeira não podia continuar.

 

Mas continuamos sem saber como do jogo político entre todos os intervenientes sairá uma solução construtiva que é indispensável e inadiável.

 

2. Ninguém deverá ter dúvidas que um País em que o somatório das dívidas do Estado, das famílias e das empresas era o mais elevado da zona euro, quiçá do mundo, e que não crescia desde finais dos anos 90, com uma balança corrente a atingir desequilíbrios anuais de 10% do PIB, tinha que se ajustar violentamente e em muito mais do que três anos. O que em muitos aspectos não foi feito.

 

A Troika pode ter saído, mas a necessidade de ajustamento não saiu do nosso horizonte.

 

O ajustamento foi insuficiente mas – o que é pior, não foi sequer iniciado em áreas importantes. Refiro-me à estrutura autárquica, às empresas municipais, ao sector dos transportes públicos e, sobretudo, à dimensão, funções e eficiência da administração central.

 

Por outro lado, mesmo que todos dissessem que o problema do endividamento não se resolve sem crescimento, é forçoso reconhecer que não se discutiram, a não ser em função dos interesses próprios e de curto-prazo de cada grupo ou corporação, estratégias de crescimento e de reposicionamento do País na actividade internacional. E que, no geral, os interesses dos mais velhos resistiram melhor ao ajustamento, à custa dos mais novos e de melhores perspectivas para o futuro.

 

3. O problema do endividamento e da política orçamental necessária está no essencial por resolver. As limitações impostas ao Governo pelas diversas oposições acima referidas e a degradação da actividade económica europeia fizeram com que a dívida externa não tivesse ainda entrado numa trajectória descendente.

 

Impõe-se, por isso, um acordo entre os partidos do arco da governação para estabelecer reformas que equilibrem as contas públicas, reformem o Estado e assegurem a existência de condições para um crescimento robusto. Sem um acordo para pelo menos duas legislaturas que assegurem a estabilidade das condições macro-económicas e institucionais indispensáveis ao investimento bem orientado, não haverá crescimento e emprego.

 

O acordo deverá incidir sobre os seguintes objectivos estratégicos:

  • Colocar o crescimento e o emprego como primeiro objectivo da governação;
  • Reforçar a importância da competitividade externa como critério de avaliação de políticas públicas;
  • Fixação de um quadro de referência para os cidadãos e empresas;
  • Estabilidade da política macro-económica;
  • Selecção de grandes medidas que exigem para a sua concretização consensos alargados e períodos longos de execução;
  • Credibilização do País perante o exterior, quer em relação aos credores actuais e fornecedores de capitais para investimento, quer principalmente como factor de atracção para a localização de actividades produtivas sustentáveis a longo prazo;
  • Fixação de objectivos que responsabilizem os governantes;
  • Promover a avaliação da governação em relação aos parâmetros decisivos para o futuro;
  • Reduzir os custos políticos de tomar decisões, pela existência de objectivos de longo prazo e de estudos fundamentados;
  • Reduzir as constantes alterações de prioridade e políticas, ao sabor de remodelações.

 

4. Apesar de todas as dificuldades acima referidas, e a situação europeia não é a menor, houve progressos assinaláveis.

 

A melhoria da balança comercial e da balança corrente, o aumento do emprego e do volume de negócios no sector dos bens transaccionáveis e as reformas realizadas em prol da competitividade das empresas, com reflexo na subida de 15 lugares no índice de competitividade do World Economic Forum, têm contribuído para a melhoria da imagem externa do País.

 

Gostaria de referir alguns dados que contrariam a opinião publicada, sempre em termos genéricos, de que as políticas acordadas com a Troika foram erradas e o ajustamento falhou.

 

Analisando os dados sobre o pessoal ao serviço nas sociedades não financeiras exportadoras de bens e serviços – com exportações superiores a 50% do volume de negócios ou superiores a 10% do volume de negócios desde que superiores a 150 mil euros – verificamos que no período 2010-2012 o volume de emprego em sociedades exportadoras (cujo número também aumentou) teve uma variação positiva de cerca de 40 mil pessoas (-280 mil nas n/exportadoras).

 

Em 2012 as sociedades exportadoras representavam 5.5% do total das sociedades contra somente 4.5% em 2010 e 20.7% do emprego (17.6% em 2010) e 33.5% do volume de negócios (25.2% em 2010). De notar que o volume de negócios entre 2010 e 2012 diminuiu 26 mil milhões de euros (+18 mM nas sociedades exportadoras; -44 mM nas n/expts).

 

No período 2010/2013 o emprego na indústria transformadora diminuiu 6.5% mas o volume de negócios aumentou 5.2% (-10.1% no mercado nacional; +25.1% no mercado externo). A variação do emprego a nível sectorial é bastante diferenciada.

 

Os sectores com aumento de emprego são essencialmente exportadores (vestuário, calçado, automóveis) ou com crescimentos elevados na exportação (produtos farmacêuticos).

 

Um caso curioso e interessante é o do mobiliário. No período 2010/2013 regista uma diminuição de emprego de cerca de -15%. O volume de negócios no mesmo período aumenta 2% (-37% no mercado nacional e +55% no mercado externo), devido a uma mudança de “produto” de mobiliário tradicional para “industrial” (tipo IKEA) com intensidades de trabalho diferentes.

 

Muitos dos dados mostram uma evolução fácil de entender:

  • A inversão para a destruição de emprego inicia-se no 3º trimestre de 2008;
  • Há uma evolução positiva do emprego a partir do 3º trimestre de 2013
  • Há aumento homólogo do emprego a partir do 4º trimestre 2013, continuado no 1º e 2º trimestres de 2014;
  • A redução de emprego no período 2011/2013 verifica-se sobretudo na faixa jovem (25 aos 34 anos) – cerca de 14%; é muito menos acentuada nas classes seguintes (35 aos 44 e 45 aos 64). Será o reflexo do custo das indemnizações para os mais velhos. E também da legislação;
  • A redução, no mesmo período, verifica-se apenas na classe de ensino “Até ao básico”; nas classes “Secundário / Post Secundário e Superior” há aumento de emprego;
  • Na evolução por sectores (2009/2011) a redução de emprego foi a seguinte:

- Construção (- 32%)

- Actividades Financeiras e de Seguros (- 16%)

- Energia/ Água (- 15%)

- Indústrias transformadoras (- 10%)

- Agricultura, pecuária, pescas, floresta (- 6,5%).

 

Confirma-se que a quebra na indústria foi superior à média (6,6%) e que a menor quebra foi nos “Serviços“ – apenas 2%. Na restauração e alojamento há mesmo um pequeno crescimento de 2500 empregos.

 

5. Está portanto em curso um movimento importante. O emprego qualificado aumentou e as empresas estão cada vez mais voltadas para o exterior. Os resultados que referi, comparando 2010 com 2013, reflectem o que já está a dar frutos mas ainda não a reorientação que está em curso e que precisará de mais anos para se evidenciar.

 

O esforço feito e os resultados obtidos resultam mais de acções individuais das empresas do que da cooperação empresarial onde destacaria o óptimo trabalho da APPICAPS.

 

Estes resultados podem e devem ser amplificados por um esforço organizado estrategicamente. É para isso que organizámos este seminário.

 

Não vemos qualquer futuro com base no mercado interno. Foi, é e será sempre tão pequeno que não é base senão para emprego de subsistência, pouco qualificado e sem perspectivas ou para actividades que sobrevivem protegidas da concorrência pelo Estado e explorando os sectores dinâmicos.

 

E estamos profundamente convencidos que é realista apostar num crescimento apoiado num sector exportador moderno, eficiente, rentável, que integre novas competências que hoje já existem – embora não tanto como se diz, e que sustente emprego crescente e melhor remunerado.

 

Lisboa, 23 de Setembro de 2014

 

      Pedro Ferraz da Costa

Presidente do Forum para a Competitividade

 

Comentar:

CorretorEmoji

Se preenchido, o e-mail é usado apenas para notificação de respostas.

Este blog tem comentários moderados.

Este blog optou por gravar os IPs de quem comenta os seus posts.

Mais sobre mim

foto do autor

Sigam-me

Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

Arquivo

  1. 2019
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2018
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2017
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2016
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D
  53. 2015
  54. J
  55. F
  56. M
  57. A
  58. M
  59. J
  60. J
  61. A
  62. S
  63. O
  64. N
  65. D
  66. 2014
  67. J
  68. F
  69. M
  70. A
  71. M
  72. J
  73. J
  74. A
  75. S
  76. O
  77. N
  78. D
  79. 2013
  80. J
  81. F
  82. M
  83. A
  84. M
  85. J
  86. J
  87. A
  88. S
  89. O
  90. N
  91. D
  92. 2012
  93. J
  94. F
  95. M
  96. A
  97. M
  98. J
  99. J
  100. A
  101. S
  102. O
  103. N
  104. D
  105. 2011
  106. J
  107. F
  108. M
  109. A
  110. M
  111. J
  112. J
  113. A
  114. S
  115. O
  116. N
  117. D
  118. 2010
  119. J
  120. F
  121. M
  122. A
  123. M
  124. J
  125. J
  126. A
  127. S
  128. O
  129. N
  130. D
  131. 2009
  132. J
  133. F
  134. M
  135. A
  136. M
  137. J
  138. J
  139. A
  140. S
  141. O
  142. N
  143. D
  144. 2008
  145. J
  146. F
  147. M
  148. A
  149. M
  150. J
  151. J
  152. A
  153. S
  154. O
  155. N
  156. D
  157. 2007
  158. J
  159. F
  160. M
  161. A
  162. M
  163. J
  164. J
  165. A
  166. S
  167. O
  168. N
  169. D
  170. 2006
  171. J
  172. F
  173. M
  174. A
  175. M
  176. J
  177. J
  178. A
  179. S
  180. O
  181. N
  182. D
  183. 2005
  184. J
  185. F
  186. M
  187. A
  188. M
  189. J
  190. J
  191. A
  192. S
  193. O
  194. N
  195. D
  196. 2004
  197. J
  198. F
  199. M
  200. A
  201. M
  202. J
  203. J
  204. A
  205. S
  206. O
  207. N
  208. D