Saltar para: Post [1], Comentários [2], Pesquisa e Arquivos [3]

A bem da Nação

A LUSOFONIA E... OS OUTROS

 

Há poucos dias reuniram-se os ilustres (?!) presidentes dos países de língua portuguesa, e não só, e a memória foi rebuscar alguns textos escritos sobre lusofonia, nos idos de 2003, e que parece estarem ainda up-to-date. (Desculpem o texto um pouco longo. Em 2003 deu 3 ou 4 textos separados!).

 

Lusofonia deveria significar simplesmente o uso da língua portuguesa, como simples deveriam ser as pessoas que pensam, para que o pensamento saísse mais puro, menos rebuscado; dentro deste conceito, Lusofonia deveria facilitar e sobretudo promover a troca de informações e de culturas, o enriquecimento mútuo, a maior aproximação e compreensão entre as pessoas, as tais que seriam lusófonas, enfim um considerável instrumento de Paz, e até de progresso.

 

O que é estranho é que tanto se fala de Lusofonia, e a maioria dos dicionários não traz essa palavra! Nem cá nem lá! Só o bom e “velho” Aurélio diz ser “a adoção da língua portuguesa como língua de cultura ou língua franca por quem a não tem como vernácula”!

 

Se os dicionários a não trazem é porque se trata de vocábulo novo! E os mendicantes vocábulos novos chegam e logo são carregados de conotações políticas e até político-imperialistas! Entram os mestres a discutir-lhes o valor, as atitudes, os problemas causados por tão ingénuo aglomerado de nove letras, e num instante, ao invés de se promover uma maior aproximação entre gentes remotas, sustentam-se discussões assexuadas que aprofundam as divergências entre os povos lusófonos, sejam eles do vernáculo, da cultura ou da franca.

 

A Língua Portuguesa ainda é uma língua viva. Vivíssima. Continuam a entrar vocábulos novos, vindos dos mais diversos lugares, populares ou eruditos, adoptados pelos lusófonos em tantas partes deste mundo, como estes mesmos, lusofonia ou embasar, sem que haja o cuidado de os receber, cuidando unicamente da sua etimologia infantil, porque pura, com carinho e entusiasmo, tal como se recebe com alegria a chegada de um novo ser ao seio da família.

 

A famosa frase de Fernando Pessoa, língua/pátria, com que se incham os peitos e enchem os ouvidos, começa a fazer pouco sentido para aqueles a quem a tal Lusofonia não mais lhes aparece do que sob a forma de uma imposição.

 

Tudo isto sem que a etimologia seja posta em causa! O que está em causa não é a causa, mas os efeitos!

 

A pergunta que fica para que cada um pense bem, e é simples: - Afinal o que é Lusofonia?

 

FGA-CHAPEÚS HÁ MUITOS.png

Em que língua se canta a alegria do samba?

 

Vários amigos e mestres acorreram em meu auxílio, e correram inúmeros dicionários. Só se encontrou uma “definição razoável” na enciclopédia Universalis, francesa, e a partir da ideia “mãe”, francofonia, que terá sido criada em 1880, mas só posta ao serviço do país a partir de 1960, quando a França deixa de ser potência colonial.

 

Portugal... acorda para isso bem mais tarde, depois de ter reconhecido todos os seus, profundos, erros da descolonização, de que deveria ter mais experiência do que qualquer outro. Não falando em Bombaim que “amavelmente” ofereceu aos ingleses, já em 1822 tinha passado pelo vexame de não querer reconhecer a independência do seu “maior” e mais querido filho!

 

Corre “atrás do prejuízo”, cria os PALOP´s e com eles nasce a tal Lusofonia.

 

Se nos limitarmos à ideia simplória do que seja Lusofonia = entendimento, por oposto ao que seria, e talvez ainda seja, uma Babel, um diálogo de surdos, o desenvolvimento desta comunidade pode ser uma maravilha.

 

Para isso é fundamental não permitir que se crie no espírito dos Outros, aqueles que têm a língua portuguesa com língua de cultura ou franca, o que se passou, e talvez ainda se passe, nas ex-colónias francesas, que começaram por recusar a francofonia que lhes surgia “como uma máquina de guerra visando manter as possessões francesas amarradas a uma dependência linguística e colonial”.

 

O Brasil já decretou que a segunda língua a ser ensinada nas escolas vai ser o castelhano. Não admira, porque está rodeado de países castelhanófilos por quase todo o lado. Deveria ter decretado que fosse uma das línguas vernáculas, como o tupi ou nheengatu. Não o fez, o que é pena, mas...

 

Nada disto o vai afastar da língua portuguesa, como alguns velhos do Restelo já manifestaram, de forma tão caricata e egoísta que perde todo o senso de verdade. Se o Brasil trocasse a língua, o que não acontece porque não é exactamente uma mercadoria que se pode tornar obsoleta e descartável, Portugal choraria no seu orgulho ferido, no seu isolamento, mesmo dentro da UE. Como isso não deve acontecer, ainda insiste em olhar os Outros umbiculatus às caravelas!

 

Chegam a sorrir do alto das suas baixas cátedras quando se dão conta que alguns dos tais Outros, soberanos povos, escrevem registro ou embasar, porque Camões talvez preferisse registo ou basear.

 

Entendimento sim. Mas primeiro o respeito. E por fim... aproveitar o que os jovens têm para nos enriquecer a todos. Sempre.

 

Mas Lusofonia? Com os olhos de quem? Do venturoso Manuel I°, rei de Portugal, dos Algarves, d´Aquém, d´Além Taprobana e do que mais au diante s´ouvirá?

 

Portugal há muito, muito, deixou de ser o pai, o irmão mais velho, o guardião dos “bons costumes”. Houve um período, de crucial importância, em que esse pai parece ter ele próprio imigrado, deixando os “filhos” abandonados a si próprios; um dia repara que os filhos tinham crescido, estavam feitos, independentes, com o seu próprio esforço e a graça de Deus. Então o “velho pai” reaparece e quer reentrar para o seio da família. Entrou e trouxe madrasta atrás, a UE.

Quer reassumir as funções de condutor! As barbas dos Vascos da Gama e outros ilustres, do alto do seus conhecimentos, tremeram! As barbas dos avós, mais experientes, mais sensatos, que sem terem o que perder, reconhecem de imediato a maioridade daqueles que passaram a ter que dar satisfações unicamente aos seus, às suas casas. O “pai” não aceitou isso com facilidade. Teimoso, acaba por afastar os filhos, que podem até respeitá-lo, mas não admitem interferências. Se quiserem conselhos eles os irão solicitar.

 

Nas festas dos seus aniversários estes comemoram o terem nascido, crescido, vingado. Aquele quer lembrar-se do que fez para o nascimento.

 

Estes erram, quando em vez, tropeçam, levantam-se e querem seguir em frente com toda a força da sua juventude. Aquele esquece os erros que cometeu e as palmadas que lhes deu, quanta vez sem razão!

 

Não se pode ficar sentado em cima de ruínas do passado, olhando para baixo, nem na cabeceira das mesas de reuniões! Ninguém mais lidera ninguém.

 

Se queremos todos a Lusofonia, se queremos permanecer unidos, só o conseguiremos desde que se olhe para qualquer um de “nós” como exatamente igual.

 

O Brasil não é só samba, como Angola não é só fome e diamantes, nem os Outros são só... assim como Portugal também não é o dono da verdade.

 

Em primeiro lugar somos todos gente. Nenhum pode pensar de outro jeito.

 

Se o fizer, ou ainda não assimilou que o neocolonialismo, como qualquer outro complexo, que são vírus a eliminar.

 

E, entre irmãos, vamos acabar com os vírus ou... nos afastamos.

 

É sabido que no Brasil se fala e escreve de forma diferente de Portugal. E em Angola. E em Moçambique e em Cabo Verde, e em... Eu acho isso óptimo, desde que não se deturpe ou se estropie a concordância o que prejudicaria o entendimento.

 

Nos casos, por exemplo: "se casou" ou "casou-se"; para mim é igual (tal como escreveu o grande Mestre Agostinho da Silva) e assim uso indiferentemente uma "fórmula" ou outra de acordo com a situação que, no momento, me soa (soa-me?) melhor ao ouvido.

 

Sou um intransigente defensor do que considero (pelo meu prisma/ bitola de educação e conhecimentos) da verdade e correção (aqui já se tirou o "c" mudo que, teoricamente, abria a vogal antecedente).

 

Fazem-se acordos ortográficos com uma dúzia de mestres jarretas e depois, mesmo admitindo que chegam a acordo, entra em vigor por Lei e pouca gente disso toma conhecimento. E por fim revoga-se a lei, o acordo e tudo que seja complicar o que é tão simples.

 

Mas o que vejo com imenso gosto é que o enriquecimento da língua portuguesa, com todos estes detalhes, muitos deles que nem técnicos são, mas somente diletantes, é inegável. Entram vocábulos, continuam a entrar, de todos os cantos do mundo, criam-se novos com gente como José Luandino Vieira, Mia Couto e o grande brasileiro João Guimarães Rosa, e em vez de os desprezarmos devíamos agarrá-los, todos, com unhas e dentes.

 

Garrett foi censurado pelos seus anglicismos.

 

Em vez de juntarmos os sábios no Olimpo, devíamos andar a catar por todos os cantos da tal Lusofonia as palavras que em todos esses cantos fazem parte do vocabulário corrente, popular, e introduzi-las num dicionário único para o conhecimento dos tais 250 milhões.

 

Não deveria, nem poderia chamar-se (olha o "se" depois!) Dicionário de Português, mas com humildade, ou antes, com verdade: Dicionário da, e não de, Lusofonia. Teria talvez mais de 3.000 páginas, e pelo menos um comprador: eu!

 

Aí entraria: garina, molecagem, cachupa, maximbombo, treco, machamba, putos, como há séculos entrou o caqui, que vem do hindu e que significa exatamente aquela cor amarelada... do caqui, e entrou o tanque, vindo do mesmo povo!

 

Também era bom que explicasse coisas como: no Brasil talho é açougue mas todos os açougues têm um talho!!! E que a palavra troço, no Brasil pode ser um monte coisas, como por exemplo: um sujeito cai para o lado com um ataque e o povo diz: Deu-lhe um troço! ou então o sujeito engasga-se, tosse e por fim: "entrou-me aqui um troço...".

 

E ainda poderia explicar que bolsos e algibeiras são, mais ou menos, a mesma coisa. Com a diferença que ninguém no Brasil tem algibeiras na roupa! Só tem bolsos!

 

A conversa está bâoa, mas vou ficar por aqui. Este assunto continua no próximo número!

 

Com o aumento do turismo imagnemos o seguinte diálogo. Qualquer aeroporto no Brasil. Chega uma excursão de portugueses a visitar este Novo Mundo. É recebida por um simpático agente de viagens, Severino.

 

- Seu Severino?! Ora venha lá esse bacalhau!

(! ? ! ? Severino ter-se-á esquecido de levar balhau para o aeroporto?)

- Seu Joaquim, estimo que o siô tenha feito uma ótima viagem.

- Muito boa. Viemos na brasa. Olhe, trouxe uma chusma da minha confraria p´ra ver o que o nosso primo descobriu.

- Ahhh! O siô tem aqui um primo?

- O Cabral, rapaz. O Cabral é que descobriu! Queremos ver o que aquele gajo descobriu com os balúrdios que lhe deram p´rá biage. Vamos lá na mecha entrar nessa caminete.

- Olhe bem, oh! seu Joaquim. Vamos por partes: a chusma que o siô diz que traz aí, vai ter que declarar na alfândega, p´ra não ter póbremas. Depois o seu Cabral não descobriu quase nada porque mal esteve onde é hoje Porto Seguro, e por fim não consta que ele tivesse deixado por aí qualquer balúrdio. Mas podemos indagar. Ainda mais uma coisinha, só. Se querem ir para a Mecha, vamos ter de perguntar onde isso fica, que eu, há 50 anos aqui... não conheço. E ir de caminete... é muito incomodo. Só pau de arara.

- Não é nada disso amigo Severino. E isso de ir na mecha quer dizer nas gáspeas, na ponta da unha. E trazemos nas algibeiras um bocado de carcanhóis p´ra gozar.

- ?!?!?

- Nós queremos é ver as maravilhas desta terra.

- Ah! Isso tem p´ra chuchu.

- Qual chuchu qual carapuça. Ninguém daqui quer chuchu, mas vamos todos ficar à coca a ver se passa alguma rapariga atiradiça.

- ? ! ? !

- P´ra começar, amigo Severino não me arranja aí uma malga d´áuga?

- Ai! Que me vai dar um troço! Esta profissão é uma choça!

 

Neste momento Severino dá-se por vencido. Arrasado. Por azar nem sequer traz consigo um dicionário de português Lá-Cá-Vice-Versa. De qualquer modo coca é assunto tabu, e ele, agente de viagens credenciado, não quer entrar nos domínios do narcotráfico. Pior ainda com raparigas e ainda por cima atiradiças. E terá que se haver com mechas, gáspeas e pontas de unha. É macumba. Que Deus o livre e mais o Senhor do Bonfim sem faltar o “padim Ciço”!

 

Linguagem bonita, variegada, mas incompreensível. Balúrdio p´ra cá, chuchu p´ra lá, coca e chusma., e etcs..

 

Joaquim insiste:

- Amigo Severino! Onde é que posso arrear o calhau? Estou à rasca e ainda por cima vim no avião no meio duns bifes, parvos, armados em carapaus de corrida! Nem consegui matabichar em condições.

 

E chamam a isto Lusofonia.

 

Severino chora, desespera-se, e sonha com clientes chineses. Muito mais fácil. Muito “xin” e muito “fun” mas com a grande vantagem do gesto que explica tudo.

 

Finalmente, bagagens despachadas, a chusma à porta do aeroporto aparece seu Severino no ônibus para os levar ao hotel.

 

Joaquim, ao seu lado não perde por continuar a conversa. Aliás o monólogo.

 

- Sabe? Eu aldrabei os meus compadres e disse-lhes que íamos ficar num hotel que só tem burros! E por isso era mais em conta.

- ! ? ! ? ! ? !

- Mas como eles são todos uns carolas, sabe?, dois são chúis e um é cabo de esquadra, afeitos a topar qualquer léria, não se preocuparam. Só um é que não devia ter vindo. É um rabeta, todo do reviralho, que no tempo do António da calçada levou umas sarrafadas boas e agora está meio xarope!

- ! ? ! ? ! ?

- Seu Joaquim! O siô por acaso não sabe falar português?

 

A (des)conversa deixara-o demasiado encucado. Aqueles caras falam uma língua estranha entremeada de português. Deviam ser, no mínimo do Pralàquestão.

 

Pois é sim do “Pra lá que estão”, feitos donos da língua, quando eles mesmo têm dificuldade em unificá-la e entender-se.

 

Viatura automóvel de transporte coletivo, de 20 ou 40 lugares pode chamar-se, nos países lusófonos, autocarro, tócar quando se está apressado, caminete, ônibus, maximbombo, chapa cem (ou duzentos, agora que está mais caro!) e talvez ainda mais nomes, sobretudo hoje aos de menor capacidade, como lotação, van e kombi!.

 

Queremos Lusofonia? Então temos que fazer alguma coisa por isso. Alguma coisa, não. Muita coisa.

 

Lusofonia não são carcanhóis, chusma de balúrdios nem malga d´áuga. Mas é também tudo isso. Entram ainda os sarrafeiros do reviralho, as garinas e os maximbombos, uma boa larada e uma brasa, quer esta seja uma mulher, uma boa sesta, velocidade alta ou uma criança remexida como cantava o Adoniran Barbosa.

 

Mas, por favor, entendamo-nos. Não custa muito. É só, todos, querermos.

 

Vamos fazer um dicionário da LUSOFONIA?

 

02/09/03

FGA-Mar 3-o homem do leme.jpg

Francisco Gomes de Amorim

1 comentário

Comentar post

Mais sobre mim

foto do autor

Sigam-me

Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

Arquivo

  1. 2019
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2018
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2017
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2016
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D
  53. 2015
  54. J
  55. F
  56. M
  57. A
  58. M
  59. J
  60. J
  61. A
  62. S
  63. O
  64. N
  65. D
  66. 2014
  67. J
  68. F
  69. M
  70. A
  71. M
  72. J
  73. J
  74. A
  75. S
  76. O
  77. N
  78. D
  79. 2013
  80. J
  81. F
  82. M
  83. A
  84. M
  85. J
  86. J
  87. A
  88. S
  89. O
  90. N
  91. D
  92. 2012
  93. J
  94. F
  95. M
  96. A
  97. M
  98. J
  99. J
  100. A
  101. S
  102. O
  103. N
  104. D
  105. 2011
  106. J
  107. F
  108. M
  109. A
  110. M
  111. J
  112. J
  113. A
  114. S
  115. O
  116. N
  117. D
  118. 2010
  119. J
  120. F
  121. M
  122. A
  123. M
  124. J
  125. J
  126. A
  127. S
  128. O
  129. N
  130. D
  131. 2009
  132. J
  133. F
  134. M
  135. A
  136. M
  137. J
  138. J
  139. A
  140. S
  141. O
  142. N
  143. D
  144. 2008
  145. J
  146. F
  147. M
  148. A
  149. M
  150. J
  151. J
  152. A
  153. S
  154. O
  155. N
  156. D
  157. 2007
  158. J
  159. F
  160. M
  161. A
  162. M
  163. J
  164. J
  165. A
  166. S
  167. O
  168. N
  169. D
  170. 2006
  171. J
  172. F
  173. M
  174. A
  175. M
  176. J
  177. J
  178. A
  179. S
  180. O
  181. N
  182. D
  183. 2005
  184. J
  185. F
  186. M
  187. A
  188. M
  189. J
  190. J
  191. A
  192. S
  193. O
  194. N
  195. D
  196. 2004
  197. J
  198. F
  199. M
  200. A
  201. M
  202. J
  203. J
  204. A
  205. S
  206. O
  207. N
  208. D